*O que se Passa Realmente na Nicarágua? Parece tão Igual a 2013 no Brasil…

Do: Luíz Muller Blog

Nicarágua

Quem não lembra de julho de 2013 no Brasil e as hordas de Black Blocs e bandidos mascarados mostrados pela Globo como “manifestantes” contra o Governo de Dilma, em movimento que supostamente eram contra um aumento insignificante nos preços de passagens de ônibus, com as quais aliás, o Governo Federal não tinha nada a ver? Tá pensando que na Nicarágua é diferente? Estamos falando do andamento de um golpe financiado pelos EUA. Aqui, pela nossa cultura, o golpe acabou levando um tempo maior para acontecer. Na Nicarágua, de repente, contra uma Reforma da Previdência que pegaria os que mais ganham, estoura um movimento que tem por objetivo derrubar o governo Sandinista de Ortega, democraticamente eleito há menos de dois anos.

NICARAGUENSES ESTÃO CARREGANDO O FUTURO EM SUAS MÃOS MM CONTRA A OPOSIÇÃO RETROGRADA DAS OLIGARQUIAS

Foto: Leia o que esta escrito na faixa esticada por terroristas de direita e vai entender tudo em um segundo

Cuidado com as narrativas que vem da Nicarágua. A guerra híbrida esta em andamento lá também. Através da comunicação, fazem um povo destruir sua própria nação. Fizeram isto no mundo árabe em 2011, com as tais “revoluções coloridas”, fizeram na Ucrânia, fizeram no Brasil a partir de 2013, fazem na Venezuela e fazem…na Nicarágua.

UMA ANÁLISE INTERESSANTE DE DOIS INVESTIGADORES AMERICANOS DO NORTE

O QUE ACONTECE REALMENTE NA NICARÁGUA ?

por Kevin Zeese y Nils McCune*

Há muita informação falsa e imprecisa sobre a Nicarágua na mídia. Mesmo à esquerda, alguns simplesmente repetiram as afirmações duvidosas da CNN e da mídia oligárquica da Nicarágua para apoiar a derrubada do presidente Ortega. A narrativa de manifestantes não-violentos versus esquadrões antimotim e paramilitares pró-governo não foi questionada pela mídia internacional.

Este artigo procura corrigir o registro, descrever o que está acontecendo na Nicarágua e por quê. Enquanto escrevemos isso, o golpe parece estar falhando, as pessoas se uniram pela paz (como demonstrado por esta marcha maciça pela paz no sábado, 7 de julho) e a verdade está saindo (por exemplo, o esconderijo de armas descoberto em uma igreja Católica em 9 de julho). É importante entender o que está acontecendo porque a Nicarágua é um exemplo dos tipos de golpes violentos que os Estados Unidos e os ricos usam para lançar governos neoliberais dominados pelos negócios. Se as pessoas entenderem essas táticas, elas serão menos eficazes.

Misturando os interesses da classe

Em parte, os especialistas americanos estão obtendo suas informações da mídia, como La Prensa, de Jaime Chamorro-Cardenal (a Globo da Nicarágua), e o Confidencial da mesma família oligárquica, que são os elementos mais ativos da mídia golpista. Repetem e ampliam sua narrativa des/legitimista contra o governo sandinista e pedem a rendição incondicional de Daniel Ortega como a única opção aceitável. Esses especialistas protegem os infames interesses internos e externos que se propuseram a controlar o país mais pobre (na realidade o terceiro menos rico) e ao mesmo tempo, rico em recursos naturais da América Central.

A tentativa de golpe trouxe as divisões de classe na Nicarágua aos olhos do público. Piero Coen, o homem mais rico da Nicarágua, proprietário de todas as operações nacionais da Western Union e de uma empresa agroquímica, chegou pessoalmente ao primeiro dia de protestos na Universidade Politécnica de Manágua para incentivar os estudantes a continuar protestando, prometendo seu apoio contínuo

A tradicional oligarquia latifundiária da Nicarágua, liderada politicamente pela família Chamorro, publica constantes ultimatos ao governo por meio de sua mídia e financia os bloqueios que paralisaram o país durante nas últimas oito semanas.

A Igreja Católica, um aliado por um longo tempo com os oligarcas, fez todos os esforços para criar e sustentar ações anti-governamentais, incluindo universidades, escolas, igrejas, contas bancárias, veículos, tweets, sermões de domingo e um esforço unilateral para mediar o chamado “Diálogo Nacional“. Os bispos ameaçaram matar o presidente e sua família, e filmou um padre que supervisiona a tortura dos sandinistas. O Papa Francisco pediu conversações de paz e até chamou o Cardeal Leonaldo Brenes e Bishop Rolando Alvarez para uma reunião privada no Vaticano, provocando rumores de que o nicaraguense Monsignori sendo repreendido por seu envolvimento óbvio no conflito Eles estão mediando oficialmente o “Dialogo“.

Uma afirmação comum é que Ortega se alinhou com a oligarquia tradicional, mas o oposto é verdadeiro. Este é o primeiro governo desde a independência da Nicarágua que não inclui a oligarquia. A partir dos anos 1830 até os anos 1990, os governos todos os nicaragüenses, mesmo durante a Revolução Sandinista, incluiu pessoas do “sobrenome” elite de Chamorro Cardenal, Belli, Pellas, Lacayo, Montealegre, Gurdián. O governo desde 2007 não, então essas famílias apóiam o golpe.

Os detratores de Ortega reivindicam seu diálogo em três partes, incluindo os sindicatos, os capitalistas, e o Estado é uma aliança com as grandes empresas. De fato, esse processo produziu a maior taxa de crescimento na América Central e o salário mínimo anual aumentou de 5 a 7% acima da inflação, melhorando as condições de vida dos trabalhadores e tirando as pessoas da pobreza. O projeto Borgen contra a pobreza relata que a pobreza diminuiu em 30% entre 2005 e 2014.

O governo liderado pela FSLN lançou um modelo econômico baseado no investimento público e no fortalecimento da rede de segurança para os pobres. O governo investe em infraestrutura, trânsito, manutenção de água e eletricidade no setor público e movimenta os serviços privatizados. por exemplo, cuidados de saúde e educação primária no setor público. Isso garantiu uma estrutura econômica estável que favorece a economia real sobre a economia especulativa. A maior parte da infraestrutura na Nicarágua foi construída nos últimos 11 anos, algo comparável à era do New Deal nos EUA. Incluindo usinas renováveis ​​de eletricidade em todo o país.

A Nicarágua é um pais muito pobre e se encontra na área onde as garras dos EUA são mais tenazes, uma área do planeta onde é difícil uma nação (fora Canadá, EUA e México) desenvolver economicamente. O que comentaristas liberais e até alguns esquerdistas ignoraram é que, (ao contrário do governo Lula no Brasil que reduziu a pobreza através de pagamentos em dinheiro à famílias pobres, o Brasil tinha como fazer isso), a Nicarágua redistribuiu o capital produtivo para desenvolver uma economia de pessoas auto-suficientes. O modelo FSLN é melhor entendido como uma ênfase na economia popular sobre o angulo e as esferas, estatal “ou capitalista“.

Embora o setor privado emprega cerca de 15% dos trabalhadores nicaraguenses, o setor informal emprega mais de 60%. O setor informal se beneficiou de US $ 400 milhões em investimentos públicos, muitos dos quais vêm dos fundos da aliança ALBA para financiar micro-empréstimos para pequenas e médias empresas agrícolas. Políticas para facilitar o crédito, equipamentos, treinamento, animais, sementes e combustível subsidiado dão suporte adicional a essas empresas. Os pequenos e médios produtores da Nicarágua levaram o país a produzir 80-90% de seus alimentos e a depender de empréstimos do FMI.

Como tal, os trabalhadores e camponeses, (muitos dos quais são trabalhadores independentes), concordaram com um capital produtivo através da Revolução Sandinista e lutas seguintes, representam uma importante questão política de desenvolvimento social estável da última década do pós-guerra, incluindo centenas de milhares de camponeses que receberam o título da terra. E foram emitidos títulos de propriedade de quase um quarto do território nacional, às nações indígenas. Os movimentos sociais de trabalhadores, camponeses e grupos indígenas foram a base do apoio popular que trouxe a FSLN de volta ao poder.

A titulação de terras e assistência a pequenas empresas também têm enfatizado a igualdade para as mulheres, resulta que a Nicarágua tem o menor nível de desigualdade de gênero na América Latina e ocupa o 12º lugar entre 145 países no mundo, apenas atrás da Alemanha.

Eventualmente, o governo FSLN incorporou neste sector de trabalhadores de auto-emprego (cooperativos e outras formulas), ou seja, (os trabalhadores têxteis em plantas estrangeiras situadas em zonas de livre comércio criadas pelos governos neoliberais anteriores), no sistema de saúde e pensões, fazendo com que os compromissos financeiros crescessem, o que exigiu uma nova fórmula para garantir a estabilidade fiscal. As reformas propostas para a Previdência Social foram o gatilho para o setor privado e os protestos estudantis em 18 de abril. O lobby empresarial incitou protestos, quando Ortega propôs aumentar as contribuições dos empregadores em 3,5% para os fundos de pensão e saúde, enquanto aumentou apenas as contribuições dos trabalhadores em 0, 75% e transferiu 5% da transferência de renda dos aposentados para o seu fundo de assistência médica. A reforma também pôs fim a uma lacuna legal que permitia às pessoas de alta renda reivindicar baixos rendimentos para ter acesso a benefícios de saúde.

Esta foi uma contraproposta à proposta do FMI de aumentar a idade de aposentadoria e mais que o dobro do número de semanas que os trabalhadores teriam de pagar o fundo de pensão, a fim de acessar os benefícios. O fato de que o governo se sentiu forte o suficiente para negar as exigências de austeridade do lobby empresarial e do FMI era um sinal de que o poder de barganha do capital privado tinha diminuído desde o impressionante crescimento econômico na Nicarágua, (um aumento de 38% no PIB 2006-2017), tem sido liderado por pequenos produtores e gastos públicos. No entanto, a oposição usou anúncios manipuladores no Facebook que apresentaram a reforma como uma medida de austeridade, mais falsas notícias da morte de um estudante em 18 de abril, para gerar protestos em todo o país em 19 de abril. Imediatamente, a máquina de mudança de regime foi posta em movimento.

O Diálogo Nacional mostra os interesses da classe em conflito. A Aliança Cívica pela Justiça e Democracia da oposição tem como figuras-chave: José Adan Aguirre, líder do lobby das empresas privadas; Maria Nelly Rivas, diretora da Cargill na Nicarágua e chefe da Câmara de Comércio dos Estados Unidos e da Nicarágua; os estudantes universitários privados de 19 de abril º Movimento; Michael Healy, gerente de uma corporação colombiana de açúcar e chefe do lobby do agronegócio; Juan Sebastián Chamorro, que representa a oligarquia vestida com roupas civis; Carlos Tunnermann, ex-ministro sandinista de 85 anos e ex-chanceler da Universidade Nacional; Azalea Solís, diretora de uma organização feminista financiada pelo governo dos EUA e Medardo Mairena, um “líder camponês” financiado pelo governo dos Estados Unidos, que viveu 17 anos na Costa Rica antes de ser deportado em 2017 por tráfico de seres humanos. Tünnermann, Solis e os alunos do Movimento 19 de Abril, todos estão associados ao Movimento pela Renovação do Sandinismo (MRS), um grupo pequeno saído do partido sandinista, que merece atenção especial.

Na década de 1980, muitos dos quadros de alto nível da Frente Sandinista foram, de fato, os filhos de algumas das famosas famílias oligárquicas, como os irmãos Cardenal e parte da família Chamorro, a cargo dos ministérios da Cultura e Governo do governo revolucionário. Educação e seus meios, respectivamente. Após a derrota eleitoral do FSLN em 1990, os filhos da oligarquia organizaram um êxodo do partido. Junto com eles, alguns dos quadros intelectuais, militares e de inteligência mais notáveis ​​saíram e formaram, com o tempo, a MRS. O novo partido renunciou ao socialismo, culpou Daniel Ortega por todos os erros da Revolução, e ao longo do tempo assumiu a esfera das organizações não-governamentais (ONGs) na Nicarágua, incluindo organizações feministas, ambientais e de juventude.

Desde 2007, a MRS se tornou cada vez mais próxima da extrema direita do Partido Republicano dos Estados Unidos. Desde o surto de violência em Abril, muitos, se não a maioria das fontes citadas pela mídia ocidental (incluindo, perturbadoramente, Democracy Now Amy Goodman), vêm desta festa, que tem o apoio de menos de 2% do eleitorado nicaraguense. Isso permite que os oligarcas (eles decidiram ser a melhor logística para aplicarem o golpe) expressem sua tentativa violenta de restabelecer o neoliberalismo em um discurso de esquerdistas de antigos sandinistas críticos do governo de Ortega (a direita comumente faz isso, se apropria do discurso de esquerda).

Nicarágua, Sujeitos mascarados, armados com morteiros e bazucas caseiras bloqueiam as avenidas

Foto: Nicarágua, Sujeitos mascarados, armados com morteiros e bazucas caseiras bloqueiam as avenidas

É uma farsa dizer que os trabalhadores e camponeses estão por trás dos tumultos. A “Via Campesina“, a “União Nacional de Agricultores e Pecuaristas“, a “Associação dos Trabalhadores Rurais“, a “Frente Nacional de Trabalhadores“, a “Nação Indígena Mayangna” e outros movimentos e organizações têm sido inequivocados em suas demandas para acabar com a violência programada contra o povo nicaraguense e contra o governo de Ortega. Esse “mal-estar” é uma operação de mudança de regime em grande escala realizada por oligarcas da mídia, uma rede de ONGs financiadas pelo governo dos EUA. Elementos armados de famílias de proprietários de terras, da elite e da Igreja Católica, e abriu as portas para cartéis de drogas e crime organizado para ganhar uma posição na Nicarágua.

O elefante na sala

O que nos leva à participação do governo dos Estados Unidos no violento golpe.

Como Tom Ricker relatou no início desta crise política, o governo dos EUA há vários anos decidiu que, em vez de financiar os partidos políticos da oposição, que perderam enorme legitimidade na Nicarágua, os EUA financiaria o setor das ONGs da sociedade civil. O “National Endowment for Democracy (NED)” concedeu mais de US $ 700.000 para construir a oposição ao governo em 2017, e já distribuiu mais de US $ 4,4 milhões desde 2014. O objetivo principal deste financiamento era de “fornecer uma estratégia coordenada e os meios de voz aos grupos de oposição na Nicarágua.

Ricker continua:

“O resultado dessa consistente construção e financiamento dos recursos da oposição foi criar uma câmara de ressonância que é amplificada por comentaristas na mídia internacional, a maioria dos quais não tem presença na Nicarágua e depende dessas fontes secundárias.”

O fundador da “NED“, Allen Weinstein, descreveu a “NED” como a CIA aberta, qause privada, ele disse: “Muito do que fazemos hoje foi feito secretamente há 25 anos pela CIA“. Na Nicarágua, mais do que na direita tradicional, o NED financia as organizações afiliadas à MRS que levantam críticas ao governo de esquerda sandinista, usando o discurso da esquerda sandinista. Os ativistas da mudança de regime usam slogans, canções e símbolos sandinistas, mesmo quando queimam monumentos históricos, pintam os marcadores vermelhos e pretos dos mártires caídos e atacam fisicamente os membros do partido sandinista.

De grupos de oposição no Diálogo Nacional a “organização feminista Azalea Solís” e a “organização camponesa Medardo Mairena” são financiadas através de bolsas NED, enquanto os alunos do “Movimento 19 de Abril” ficam em hotéis e fazem viagens pagas pela Freedom House, um outro organismo de mudança de regime financiado pelo NED e pela USAID. O NED também financia “Confidential“, a organização de mídia Chamorro. O NED concede financiamento ao “Instituto de Estudos Estratégicos e Políticas Públicas” (IEEPP), cujo diretor executivo, Félix Maradiaga, é do quadro da MRS que está muito próximo da Embaixada dos Estados Unidos. Em junho, Maradiaga foi acusado de comandar uma rede criminosa chamada “Viper” que a partir do campus ocupado “UPOLI“, organizaram incêndios em automóveis, roubo e assassinatos para criar o caos e pânico durante os meses de Abril e Maio.

Maradiaga cresceu nos Estados Unidos e tornou-se membro do Aspen Leadership Institute, antes de estudar políticas públicas em Harvard. Ele foi secretário do Ministério da Defesa do último presidente liberal, Enrique Bolaños. É um Jovem Líder Global no Fórum Econômico Mundial em 2015, o Conselho de Assuntos Globais de Chicago concedeu a concessão Gus Hart, incluindo dissidente cubano Yoani Sanchez e Henrique Capriles, o líder da oposição venezuelana que atacou cubanos na embaixada durante a tentativa de golpe de 2002.

Surpreendentemente, Maradiaga não é o único líder da tentativa de golpe que faz parte da Aspen World Leadership Network. Maria Nelly Rivas, diretora da gigante corporativa americana Cargill, na Nicarágua, é uma das principais porta-vozes da oposição, a Civic Alliance. Rivas, que atualmente também lidera a Câmara de Comércio dos Estados Unidos (AMCHAM) e da Nicarágua, está sendo preparado como um possível candidato presidencial nas próximas eleições. Sob esses líderes preparados pelos Estados Unidos, há uma rede de mais de 2.000 jovens que receberam treinamento com fundos da NED em tópicos como as habilidades das mídias sociais para a defesa da democracia.

Sobre violência

Uma das maneiras pelas quais os relatórios sobre a Nicarágua se aventuraram mais longe da verdade é o fato de chamarem a oposição de “não-violenta“. O script de violência, inspirados pelos protestos “guarimba” 2014 e 2017, na Venezuela, é organizar ataques armados contra edifícios do governo, forçando a polícia a enviar esquadrões de choque, participar em confrontos filmados e pós vídeos editados on-line, alegando que o governo está sendo violento contra manifestantes não-violentos.

Mais de 60 edifícios do governo foram queimados, escolas, hospitais, em ataques, 55 ambulâncias foram danificadas, causando pelo menos US $ 112 milhões em danos à infra-estrutura, as pequenas empresas foram fechadas e 200.000 empregos perdidos causando um impacto econômico devastador durante os protestos. A violência tem, além de milhares de feridos, 15 alunos e 16 policiais mortos e mais de 200 sandinistas sequestrados, muitos deles torturados incluídos publicamente. As atrocidades violentas da oposição foram mal informadas como repressão do governo. Embora seja importante para defender o direito do público para protestar, independentemente das suas opiniões políticas, não podemos ser ingênuos e ignorar a estratégia da oposição que exige e alimenta-se de violência e mortes…

Notícias nacionais e internacionais afirmam mortes e ferimentos devido a “repressão” sem explicar o contexto. A mídia ignorou os cocktails molotov, rojões,  armas e rifles usados ​​por grupos de oposição, e quando os sandinistas simpatizantes, agentes da polícia ou espectadores são mortos, são contados falsamente como vítimas da repressão do estado nicaraguense. A mídia oligarca tem noticiado que as demandas explosivas da oposição, como os massacres de crianças e assassinatos de mulheres são falsas, e casos de tortura, desaparecimentos e execuções extrajudiciais são impostas pelas forças policiais.

Usando a lógica de raciocínio, embora não haja evidência para apoiar a alegação “do atirador” assassinando manifestantes de oposição, não há nenhuma explicação lógica para o Estado usar franco-atiradores. Para aumentar o número de vítimas mortas ? E os contra-manifestantes também foram vitimas de franco-atiradores ? Sugerindo um “terceiro” papel provocativo na violência desestabilizadora. Quando uma família de sandinistas inteira foi queimada na Manágua, a mídia golpista de  oposição citou uma testemunha que disse que a polícia ateou fogo à casa, embora a casa estava em uma vizinhança com acesso policial fechado.

A Polícia Nacional da Nicarágua foi reconhecida por um longo tempo por seu modelo de policiamento comunitário (em oposição à polícia militar na maioria dos países da América Central), sua relativa falta de corrupção e maior parte de seu alto escalão feminino. O estratégia do golpe  tentou destruir a confiança pública na polícia através do uso terrível de documentos falsos, tais como as muitas falsas alegações de assassinatos, espancamentos, tortura e desaparecimentos na semana de 17 de abril de notícias 23 º. Vários jovens cujas fotos foram levadas para manifestações da oposição como vítimas de violência policial acabaram por estar vivos e bem.

A polícia tem sido totalmente inadequada e não está preparada para confrontos armados. Ataques a vários prédios públicos na mesma noite e os primeiros grandes ataques incendiários, levaram os funcionários do governo a se protegerem com barris de água e, com frequência, paus e pedras, para se defenderem contra os atacantes. A oposição, frustrada por não ganhar mais conflitos com a policia, começou a construir barricadas em todo o país, incendeiam as casas dos sandinistas, até mesmo incendiando e queimando as famílias sandinistas em atrozes crimes de ódio. Em contraste com a versão de eventos do La Prensa, os nicaraguenses sentiram a clara falta de presença policial e a perda de segurança em seus bairros, enquanto muitos eram alvos de violência.

Desde maio, a estratégia da oposição tem sido construir barricadas armadas em todo o país, paralisando o transporte e aprisionando pessoas. As barricadas, geralmente construídas com grandes paralelepípedos, são tripuladas por entre 5 e 100 homens armados com lenços ou máscaras. Enquanto a mídia relata jovens idealistas que possuem barricadas, a grande maioria das barreiras é mantida por homens pagos que vêm de um fundo para pequenos delitos. Quando grandes áreas das cidades e vilas são bloqueadas pelo governo e pelas forças policiais, as atividades relacionadas às drogas se intensificam, e as gangues de drogas agora controlam muitas das barricadas e pagam salários.

Esses bloqueios têm sido os centros de violência, os trabalhadores que precisam passar pelos controles são muitas vezes roubados, espancados, insultados e, se, são suspeitos de serem sandinistas, amarrados, despidos, torturados, pintados de azul e branco etc. . Há três casos de pessoas morrendo em ambulâncias que não podem atravessar os bloqueios de estrada, e um caso de uma menina de 10 anos sequestrada e estuprada no posto de verificação de Las Maderas. Quando vizinhos organizados, ou policiais desfazem as barreiras na estrada, os grupos armados fogem e se reagrupam para queimar prédios, sequestrar ou ferir pessoas em vingança. Todas as vítimas que essa violência produz são contadas pela mídia como vítimas da repressão, uma total falsidade.

O governo nicaraguense enfrentou essa situação mantendo a polícia fora das ruas, para evitar encontros e acusações de repressão. Ao mesmo tempo, em vez de simplesmente prender manifestantes violentos, o que certamente teria dado a oposição a morte de longas batalha, o governo pediu um diálogo nacional, intermediadas pela Igreja Católica, em que a oposição pode apresentar qualquer proposta de direitos humanos e reforma política. O governo criou uma Comissão Parlamentar da Verdade e lançou uma consulta independente do Ministério Público.

Com a polícia saindo das ruas, a violência da oposição se intensificou ao longo de maio e junho. Como resultado, um processo de autodefesa do bairro foi desenvolvido. As famílias que foram deslocadas, os jovens que foram espancados, roubados e torturados e veteranos da insurreição de 1979, realizaram uma vigília em torno da sede da Frente Sandinista em cada aldeia. Em muitos lugares, eles construíram barricadas contra ataques da oposição e foram falsamente rotulados como forças paramilitares na mídia. Nas cidades que não possuem barricadas organizadas pela comunidade, o custo humano da violência da oposição é muito maior.A União Nacional dos Estudantes da Nicarágua tem sido particularmente visada pela violência da oposição.

Desde abril, quatro principais concentrações da oposição foram realizadas, com o objetivo de mobilizar os nicaraguenses da classe média alta que vivem nos subúrbios entre Manágua e Masaya. Estas demonstrações ofereceram um ‘quem é quem’ da alta sociedade, incluindo rainhas da beleza, empresários e oligarcas, bem como estudantes universitários a partir do Movimento 19 de Abril.

Três meses após o conflito, nenhuma das vítimas foi definida como da burguesia. Todos vieram das classes populares da Nicarágua. A burguesia se sente perfeitamente segura para participar de protestos públicos durante o dia, embora o último dia de manifestação terminou em um ataque caótico por manifestantes contra posseiros em uma propriedade de Piero Coen, o homem mais rico da Nicarágua. Os ataques noturnos armados geralmente têm sido realizados por pessoas de bairros pobres, muitos dos quais recebem de duas a quatro vezes o salário mínimo diário para cada noite de destruição.

Infelizmente, a maioria das organizações de direitos humanos da Nicarágua é financiada pelo NED e controlada pelo Movimento pela Renovação Sandinista. Essas organizações acusaram o governo nicaraguense de ditadura e genocídio durante a presidência de Ortega. Organizações internacionais de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional, têm sido criticadas por seus relatórios unilaterais, que não incluem qualquer informação fornecida pelo governo ou por pessoas que se identifiquem como sandinistas.

O governo convidou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA, (uma organização com sede em Washington e hostil à governos de esquerda em todas as Américas), para investigar os acontecimentos violentos de abril e determinar se a repressão havia ocorrido realmente. O diretor da Comissão, Paulo Abrão, visitou o local para declarar seu apoio à oposição. A CIDH ignorou a violência generalizada da oposição e só informou sobre a violência defensiva do governo. Não só, foi categoricamente rejeitada pelo ministro das Relações Exteriores da Nicarágua, Denis Moncada, que considerou a informação como um “insulto à dignidade do povo da Nicarágua”, a resolução que aprova o relatório da Comissão foi apoiada apenas por dez de 34 países.

Enquanto isso, o Movimento 19 de Abril, (em favor e com os estudantes universitários, apoiam e lutam pela mudança de regime), enviou uma delegação a Washington e conseguiu alienar grande parte da sociedade nicaraguense sorrindo para a câmera com intervencionistas membros da extrema direita do Congresso doss EUA, incluindo a deputada Ileana Ros Lehtinen, o senador Marco Rubio e o senador Ted Cruz. Os líderes do M19 também aplaudiram as advertências belicosas feitas pelo vice-presidente Mike Pence de que a Nicarágua está na lista de países que em breve saberão o significado da “liberdade de gestão Trump”, e se reuniu com o partido ARENA em El Salvador, conhecida por suas ligações com os esquadrões da morte e o arcebispo Oscar Romero. Dentro da Nicarágua,

Por que Nicarágua?

Ortega venceu seu terceiro mandato em 2016 com 72,4% dos votos, com uma participação de 66%, muito alta se comparada às eleições nos Estados Unidos. A Nicarágua não só estabeleceu uma economia que trata os pobres como produtores, com resultados notáveis ​​que elevam seu padrão de vida em 10 anos, mas também um governo que rejeita constantemente o imperialismo dos EUA, aliando-se a Cuba, Venezuela e Palestina, e manifesta o seu apoio à independência de Porto Rico e uma solução pacífica para a crise coreana. A Nicarágua é membro da Aliança Bolivariana das Américas e da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos, uma alternativa latino-americana à OEA, e não inclui os EUA não para o Canadá. Também se aliou à China para um projeto de canal proposto e à Rússia para a cooperação em segurança. Por todas essas razões, os Estados Unidos querem instalar um governo amistoso da Nicarágua com os Estados Unidos.

Mais importante é o exemplo que a Nicarágua estabeleceu para um modelo social e econômico de sucesso fora da esfera de dominação dos EUA. Gerando mais de 75% de sua energia a partir de fontes renováveis, a Nicarágua foi o único país com autoridade moral a se opor ao Acordo Climático de Paris porque era muito fraco (mais tarde, aderiu ao tratado um dia depois que Trump retirou os EUA. UU., Declarando que “nos opomos ao Acordo de Paris por responsabilidade, os Estados Unidos se opõem à irresponsabilidade”). O governo da FMLN em El Salvador, embora menos dominante politicamente do que a Frente Sandinista, tomou o exemplo da boa governança da Nicarágua, que recentemente proibiu a mineração e a privatização da água. Até mesmo Honduras, o eterno bastião do poder dos Estados Unidos na América Central, Mostrou sinais de uma mudança para a esquerda até o golpe militar apoiado pelos Estados Unidos em 2009. Desde então, houve uma repressão maciça de ativistas sociais, uma eleição claramente roubada em 2017, e Honduras permitiu a expansão das bases militares dos EUA perto da fronteira com a Nicarágua.

Em 2017, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou por unanimidade a Lei de Condicionalidade ao Investimento da Nicarágua (Lei NICA), que, se aprovada pelo Senado, forçará o governo dos EUA vetar os empréstimos de instituições internacionais ao governo nicaraguense (boicote). Este imperialismo dos Estados Unidos prejudicará a capacidade da Nicarágua de construir estradas, modernizar hospitais, construir usinas de energia renovável e fazer a transição da pecuária extensiva para sistemas florestais integrados, entre outras conseqüências. Também pode significar o fim de muitos programas sociais populares, como eletricidade subsidiada, tarifas de ônibus estáveis ​​e tratamento médico gratuito de doenças crônicas.

O poder executivo do EUA usou o Magnitsky Act global para direcionar as finanças dos líderes do Tribunal Superior Eleitoral, a Polícia Nacional, o governo da cidade de Manágua e a corporação ALBA na Nicarágua. Policiais e burocratas de saúde pública receberam aviso de que seus vistos nos EUA foram revogados. O ponto, claro, não é se essas autoridades cometeram ou não cometeram atos que merecem sua repreensão na Nicarágua, mas se; o governo dos EUA teriam jurisdição para intimidar e encurralar funcionários públicos da Nicarágua.

Enquanto a violência sádica continua, a estratégia dos conspiradores para expulsar o governo falhou. A resolução da crise política virá através de eleições, e é provável que o FSLN ganhe essas eleições, exceto por uma nova ofensiva dramática e improvável por parte da oposição de direita.

Uma guerra de classes de cabeça para baixo

É importante entender a natureza dos golpes americanos e oligárquicos nessa época e o papel da mídia e do engano das ONGs, porque se repetem em vários países da América Latina e de outros países. Podemos esperar um ataque semelhante contra o recém-eleito Andrés Manuel López Obrador, no México, se ele procurar as mudanças que prometeu.

Os Estados Unidos tentaram dominar a Nicarágua desde meados do século XIX. Os ricos da Nicarágua têm buscado o retorno do governo aliado dos Estados Unidos desde que os sandinistas chegaram ao poder. Este golpe fracassado não significa o fim de seus esforços ou o fim da desinformação da mídia corporativa. Saber o que realmente está acontecendo e compartilhar essa informação é o antídoto para derrotá-los na Nicarágua e em todo o mundo.

A Nicarágua é uma guerra de classes de cabeça para baixo. O governo elevou os padrões de vida da maioria empobrecida através da redistribuição de riqueza. Os oligarcas e os Estados Unidos, incapazes de instalar o neoliberalismo por meio de eleições, criaram uma crise política, destacada pela falsa cobertura da mídia para forçar a renúncia de Ortega.

Leia na íntegra: O que se passa realmente na Nicarágua? Parece tão igual a 2013 no Brasil

Leia também: É assim que os Estados Unidos financiam o golpe na Nicarágua

Leia também: Nicarágua é o alvo

Leia também: Daniel Ortega comenta a situação na Nicarágua hoje

Leia também: Ortega: La derecha y EE.UU. intervienen avances sandinistas

Leia também: Como os protestos na Nicarágua são semelhantes aos da Venezuela?

Leia também: Canal na Nicarágua, Rússia e China. A Construção de um Mundo Multipolar

Leia também: Nicarágua e o terrorismo dos EUA

Leia também:  Há muita informação falsa e imprecisa sobre a Nicarágua na mídia. Mesmo à esquerda, alguns simplesmente repetiram as afirmações duvidosas da CNN e da mídia oligárquica da Nicarágua para apoiar a derrubada do presidente Ortega. A narrativa de manifestantes não-violentos versus esquadrões antimotim e paramilitares pró-governo não foi questionada pela mídia internacional….Continue lendo

Nossa opinião:

O cerne do ápice de toda a crise que ocorre na Nicarágua atualmente é a construção do “Canal da Nicarágua”, obra totalmente construída com recursos do tesouro Chines, a Russia dará apoio politico e fará a segurança.

Captura-de-pantalla-2015-07-10-a-las-18.39.51-e1436546429958

Não a toa, esta mega obra que ligará um oceano a outro, com um leito mais profundo, mais largo e um percurso quase igual ao Canal do Panamá, deveria ser iniciada em 2015.

Com a formalização desta oposição golpista em 2014, as obras estão sendo proteladas por motivos de segurança e até os dias atuais não se iniciaram.

Referindo a hegemonia estadunidense na América Central este canal seria uma linha divisória definitiva na construção de um mundo  multipolar e países da Ásia e toda a Europa teriam um acesso mais rápido e com menor custo para toda a América do Sul.  

Um comentário sobre “*O que se Passa Realmente na Nicarágua? Parece tão Igual a 2013 no Brasil…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s