*Winston Churchill, um Maníaco Genocida

É adulado na Grã-Bretanha e considerado um herói da nação. Também foi votado como “o maior britânico de todos os tempos“. Mas as linhas seguintes contaremos a verdadeira história de Churchill, a história de um supremacista branco cujo ódio aos índios levou quatro milhões de pessoas a morrer de fome. Um homem que odiava tanto o povo irlandês que criava diferentes maneiras de aterroriza-lo. Um bandido racista que atacava o povo negro na África e na Grã-Bretanha. Este é o verdadeiro processo de Winston Churchill, o inimigo de toda a humanidade.

Afeganistão:

Churchill descobriu seu amor pela guerra, durante a época que passou no Afeganistão. Ali disse que “todos aqueles que resistirem serão mortos sem piedade“, porque os pashtunes precisam de “reconhecer a superioridade da raça“. Acreditava que os pashtunes precisavam ser escarmentados, em seus escritos lembraria como participava dos incêndios nas aldeias e as casas do povo:

Temos realizado sistematicamente, aldeia por aldeia, e nós destruímos as casas, procuro casa dos poços, derribamos as torres, cortamos as grandes árvores que davam sombra, queimamos as colheitas e destroçámos as reservatórios” – Churchill sobre como os ingleses agiram no Afeganistão, e como estava feliz por participar disso.

Churchill também escreveria sobre como “cada membro da tribo capturado foi torturado ou morto“. Orgulhoso do terror que ajudou a causar ao povo do Afeganistão, Churchill estava destinado a se tornar um maníaco genocida.

Grécia:

O exército britânico, sob a liderança de Churchill, levaria a cabo um massacre nas ruas de Atenas, em dezembro de 1944. 28 manifestantes foram mortos e 128 feridos. Os britânicos exigiram que todos os grupos guerrilheiros fossem desarmados, 2 de dezembro de 1944. No dia seguinte, cerca de 200.000 pessoas saíram às ruas, e foi então que o exército britânico, sob as ordens de Churchill, voltou suas armas contra o povo. Churchill considerava que o ELAS (Exército de Libertação do Povo Grego) e EAM (Frente de Libertação Nacional) eram uns “miseráveis bandidos” (há que se lembrar que estes foram os mesmos que expulsaram os nazistas). Suas ações se baseavam em seu ódio e paranoia pelo comunismo.

Os britânicos apoiaram o governo direitista de Grécia, que voltou do exílio depois de que os mesmos partidários da resistência que Churchill mandou assassinar, tivessem expulsado os ocupantes nazis. As forças soviéticas foram recebidas com alegria na Grécia, algo que preocupou profundamente Churchill. Planejou restaurar a monarquia na Grécia para combater qualquer influência comunista possível. Os acontecimentos de dezembro fizeram parte dessa estratégia.

Em 1945, Churchill enviou Charles Wickham a Atenas para treinar a polícia grega. Wickham aprendeu os truques da Irlanda ocupada pelos britânicos entre 1922-1945, onde era comandante do RUC colonial, responsável por um terror inenarrável.

Em abril de 1945, Churchill disse que “os colaboradores [nazistas] na Grécia, em muitos casos, fizeram tudo o que podiam para proteger o povo grego da opressão alemã” e que “os comunistas são o principal inimigo“.

Índia:

Desejo que tenham uma boa guerra civil“. – Churchill, quer a divisão da Índia.

Muito poucos, na Grã-Bretanha conhecem o genocídio em Bengala, e muito menos como o desenhou Churchill. O ódio de Churchill para os índios levou quatro milhões de pessoas a morrer durante a “fome” de Bengala em 1943. “Odeio os índios. São um povo de feras, com uma religião de animais“, disse.

Bengala teve uma colheita melhor do que o normal durante a fome forçada pelos britânicos. O exército britânico pegou milhões de toneladas de arroz do povo faminto para enviá-las para o Oriente Médio, onde nem sequer era necessário. Quando o povo com fome de Bengala pediu comida, Churchill disse que a “fome” foi causada “por procriar como coelhos“. O vice-rei da Índia, disse que “a atitude de Churchill para a Índia e a fome é negligente, hostilidade e desprezo“. Até mesmo o imperialista direitista Leo Amery, que era o Secretário de Estado britânico na Índia, disse que “não via muita diferença entre a sua perspectiva de Churchill] e a de Hitler“. Churchill rejeitou todas as ajudas que lhe ofereceram para enviar arroz, a Bengala, o Canadá chegou a oferecer 10.000 toneladas. Churchill se banhava em champanhe enquanto quatro milhões de homens, mulheres e crianças morriam de fome em Bengala.

No decorrer da Segunda Guerra Mundial, a Índia viu-se obrigada a “emprestar” dinheiro para a Grã-Bretanha. Churchill, queixou-se de “emprestadores de dinheiro índios” todo o tempo. A verdade é que Churchill nunca travou nenhuma guerra contra o fascismo. Foi para a guerra com a Alemanha para defender o Império Britânico. Churchill disse isso sobre a Índia durante a Segunda Guerra Mundial: “Venha a incorrer em uma dívida de centenas de milhões de dólares por defender a Índia, para, mais tarde, ser expulsos por eles“.

Em 1945, Churchill disse que “os índios são uma raça suja protegida por sua mera traição à fatalidade necessária“. A fome de Bengala não era suficiente para a lascívia sanguinária de Churchill, desejava que sua criminoso de guerra favorito, Arthur Harris, teria bombardeado.

Irã:

Um conto de fadas para além de nossos sonhos mais selvagens” – Churchill sobre o petróleo do Irã.

Quando a Grã-Bretanha tomou conta da indústria de petróleo do Irã, Churchill disse que era “um conto de fadas para além de nossos sonhos mais selvagens“. Churchill se intrometeu em assuntos iranianos, durante décadas, ajudou a impedir os iranianos de seus recursos naturais e incentivou o saque quando a maioria vivia em pobreza extrema.

Em junho de 1914, Churchill propôs um projeto de lei na Câmara dos Comuns, em que o governo britânico tornou-se o principal acionista da Anglo-Iraniano “Oil Company”. A empresa seguiria abstendo-se de pagar ao Irã sua parte dos dividendos enquanto pagasse impostos à fazenda britânica. Basicamente, os britânicos estavam impondo um imposto ilegal ao governo iraniano.

Quando o governo nacionalista de Mohammad Mosaddegh ameaçou os interesses britânicos no Irã, Churchill estava pronto para protegê-los a qualquer preço. Mesmo se isso significava perverter a democracia. Ele ajudou a organizar um golpe contra Mosaddegh em agosto de 1953. Disse-lhe o oficial de operações da CIA, o que ajudou a levar a cabo o plano: “se tivesse sido apenas alguns anos mais jovem, eu teria o prazer de ter servido sob seu comando em esta grande aventura“.

Churchill conseguiu que a BBC enviasse mensagens codificadas ao xá do Irã e assim que este soubesse que estavam contra o governo democraticamente eleito. Em lugar de que a BBC terminasse sua emissão de notícia em língua persa com a frase “agora é meia-noite em Londres“, sob as ordens de Churchill, terminaram com a frase “agora é exatamente a meia-noite“.

Churchill descreveu o golpe como “a melhor operação desde o final da Segunda Guerra Mundial“. Como bom imperialista, não teve nenhum problema em expulsar Mosaddegh para que a Grã-Bretanha pudesse voltar a minar as riquezas do Irã.

Iraque:

Eu sou totalmente a favor do uso de gás venenoso contra as tribos incivilizadas… se estenderia um verdadeiro terror“. – Churchill, sobre o uso de gás no Oriente Médio e a Índia.

Churchill foi nomeado ‘Secretário de Estado para as Colônias’, em 1921, e formou o ‘Departamento do Médio Oriente”, que era responsável pelo Iraque. Decidido a ter seu querido império a toda a costa, decidiu que o poder aéreo poderia substituir as tropas terrestres. A estratégia de bombardear qualquer resistência ao domínio britânico era a empregada agora.

Em muitas ocasiões, na década de 1920, vários grupos da região hoje conhecida como Iraque, se levantaram contra os britânicos. Churchill pôs em prática a força aérea, bombardeando indiscriminadamente as áreas civis para subjugar a população.

Churchill também era defensor do uso de gás mostarda e gases venenosos. O ‘Secretário de Guerra e o Ar’ aconselhou que “a prestação de todo o tipo de bombas asfixiantes deve ser usado em operações preliminares contra tribos turbulentas” para tomar o controle do Iraque.

Quando as tribos iraquianas se puseram em pé por si mesmas, os britânicos, sob a direção de Churchill, desencadearam o terror nas aldeias de barro, pedra e cana.

O bombardeio de civis por parte de Churchill na “Mesopotâmia” (Curdistão e Iraque) foi resumido pelo criminoso de guerra ‘Bomber Harris’: “Os árabes e curdos agora sabem o que significa o verdadeiro bombardeio em um prazo de 45 minutos a uma aldeia de tamanho grande, que pode ser praticamente um eclipse e um terço de seus habitantes mortos ou feridos por quatro ou cinco máquinas que não lhes oferecem um objetivo real, nenhuma oportunidade para a glória, como guerreiros, nenhum meio eficaz de escape“. – Arthur ‘Bomber’ Harris

Imagem da internet: Abaixo, Casa de aldeia, barro, pedra e cana

Irlanda:

Sempre encontramos o irlandês um pouco estranho. Recusa-Se a ser inglês“- Churchill.

Em 1904, Churchill disse: “eu ainda sou da opinião de que um parlamento separado para a Irlanda seria perigoso e inútil. A ascendência de Churchill está ligada lealmente, a Grã-Bretanha, é um descendente direto do ‘Marquês de Londonderry’, que ajudou a derrubar a ascensão dos Irlandeses Unidos em 1798. Estava à altura da reputação de suas famílias quando se tratava de suprimir as forças revolucionárias na Irlanda.

Churchill foi um dos primeiros defensores da divisão da Irlanda. Durante as negociações do tratado, insistiu em manter bases navais na Irlanda. Em 1938, essas bases foram devolvidas à Irlanda. No entanto, em 1939, Churchill propôs ser feito com a base de Berehaven pela força. Em 1941, Churchill apoiou um plano para introduzir o recrutamento no norte da Irlanda.

Os Preto e Caqui foram ideia de Churchill, enviou bandidos para a Irlanda para aterrorizar a sua vontade. Churchill vangloriou-se de atacar civis e suas propriedades, de fazer estragos em todo o país. Ele os descreveu como “oficiais nobres e honrados”. Também foi Churchill que concebeu a ideia de formar os Auxiliares que realizaram o massacre de Croke Park, atirando contra a multidão em um jogo de futebol gaélico, matando 14 pessoas. Claro, isso não satisfez a sede de sangue de Churchill para reprimir as pessoas que descreveu como “estranha” por sua negativa a “ser inglês“, continuou defendendo o uso do poder aéreo na Irlanda contra os membros do Sinn Fein, em 1920. Sugeriu aos seus assessores de guerra que os aviões deveriam ser enviados com ordens de usar “metralhadoras e bombas“para “os dispersar e derrubá-los“.

Churchill dizia: “O que vocês, sangrentos irlandeses, tem feito por nossas guerras?“, diminuindo o mérito da Irlanda em relação ao que poderia fornecer através dos recursos (pessoas) para suas terras imperialistas.

Quênia:

A Grã-Bretanha declarou estado de emergência no Quênia, em 1952, para proteger o seu sistema de racismo institucionalizado que estabeleceu em todas as suas colônias, para assim explorar a população indígena. Churchill, sendo o arquetípico supremacista britânico, acreditava que as férteis terras altas do Quênia deviam ser só para colonos brancos. Aprovou a remoção forçada da população local, que chamou de “blackamoors”.

150.000 homens, mulheres e crianças foram enviados a campos de concentração. As escolas infantis foram fechadas, já que os britânicos, que as definiu como “campos de treinamento para a rebelião”. Violações, castrações, queimaduras com cigarros, choques elétricos e fogo, todos usados pelos britânicos para torturar o povo queniano, sob a vigilância de Churchill.

Em 1954, em uma reunião do gabinete britânico, Churchill e seus homens discutiram o trabalho forçado de prisioneiros de guerra quenianos e como contornar as restrições de dois tratados que estavam estuprando: “Este curso [de detenção sem julgamento e trabalho forçado] havia recomendado, apesar de que se pensava que implicava uma violação técnica da Convenção sobre o Trabalho Forçado, 1930, e a Convenção sobre Direitos Humanos, adotada pelo Conselho da Europa

O Plano Cowan defendia o uso da força e, às vezes, a morte contra os prisioneiros de guerra quenianos que se recusavam a trabalhar. Churchill permitiu que isso continuasse.

O livro de Caroline Elkins mostra a medida em que os crimes no Quênia eram conhecidos nos círculos oficiais e não-oficiais na Grã-Bretanha, e como Churchill, eliminou o terror que as forças coloniais britânicas infligiram à população nativa. Mesmo “castigou” Edwina Mountbatten por mencionar, “Edwina Mountbatten falava da situação de emergência com o primeiro-ministro da Índia, Jawaharlal Nehru, e o então secretário colonial, Oliver Lyttleton. Quando Lyttleton, que falou sobre o “terrível selvageria” de Mau Mau… Churchill repreendeu e lhe proibiu Lord Mountbatten levar a sua esposa com ele para uma visita oficial à Turquia“.

Palestina:

Não estou de acordo em que o cão-de-manjedoura tem o direito de estar na manjedoura porque passou ali por muito tempo“.- Winston Churchill sobre os palestinos.

Em 2012, Churchill foi homenageado com uma estátua em Jerusalém pelo seu apoio ao sionismo.
Considerava a população árabe da palestina como uma “manifestação menor“. E que “não estou de acordo em que o cão-de-manjedoura tem o direito de estar na manjedoura porque passou ali por muito tempo“.

Em 1920, Churchill declarou: “Se, como pode acontecer, criara-se ao longo das margens do Jordão um Estado judeu sob a proteção da Coroa Britânica, que poderá compreender, entre três ou quatro milhões de judeus, terá ocorrido um evento da história do mundo, que seria de todos os pontos de vista benéfico“.

Um ano mais tarde, em Jerusalém, disse aos líderes palestinos que “é totalmente certo que os judeus, que estão espalhados por todo o mundo, devam ter um centro nacional e um Lar Nacional, onde alguns deles possam se reunir. E onde mais poderia ser, mas na terra da Palestina, com a qual durante mais de 3.000 anos foram associados intimamente e profundamente?“.

A Comissão Real para a Palestina (Peel), de 1937, Churchill declarou que acreditava na intenção da Declaração de Balfour, que era fazer da Palestina um “estado predominantemente judeu“.

Também expressou a Comissão Peel, que “não admito, por exemplo, que se tenha causado uma grande injustiça contra os Índios Vermelhos da América e o povo negro da Austrália. Não admito que se tenha cometido uma injustiça contra estes povos pelo fato de que uma raça superior, uma raça de grau superior, uma raça com mais sabedoria sobre o mundo, por assim dizer, de alguma forma, tenha vindo e tenha ocupado seu lugar“.

Quatro anos mais tarde, escreveu sobre o seu desejo de que se estabeleça um ‘Estado judeu’ após a Segunda Guerra Mundial. No entanto, o estabelecimento do estado colonial se fez sob a vigilância do Partido Trabalhista britânico, sob Attlee, que estava sempre lá para apoiar seus colegas conservadores quando se tratava da política externa britânica.

Arábia Saudita:

A minha profunda admiração por ele [Ibn Saud] se deveria ao sua infalível fidelidade para conosco“. – Churchill

Antes de 1922, os britânicos pagavam a Ibn Saud um subsídio de 60.000 libras por ano. Churchill, então Secretário Colonial, elevou o subsidio a 100.000 libras.

Sabia dos perigos do ambiente, mas se contentava com o uso da torcida ideologia da Casa de Saud, em benefício do imperialismo britânico. Tal como fizeram os britânicos, alguns anos antes, quando se uniram com O al-Saud e o seu ambiente para empreender uma guerra interna no Império Otomano. Descreveu os wahhabis de Ibn Saud, como “intolerantes, bem armados e sanguinários“. É claro que, enquanto estivessem do lado dos britânicos, Churchill estava feliz.

Churchill continuou sua “profunda admiração por ele [Ibn Saud] se deveria ao seu infalível fidelidade para conosco“.

https://www.youtube.com/embed/QSvaRjRZrDE

Churchill se reuniu com Ibn Saud, que o cobriu de dinheiro e presentes. A grã-Bretanha impôs o ambiente na região. Churchill deu a Ibn Saud, um Rolls-Royce especial em meados dos anos 40.

África do sul:

Milhares de pessoas foram enviadas para os campos de concentração britânicos durante a guerra dos Boers. Churchill resumiu assim a sua época na África do sul: “Foi muito divertido ver o galope (os tratando como animais – parênteses nosso)”.

Churchill escreveu que seu único “ódio” durante a guerra dos Boers foi “que determinavam os Kaffirs atirar contra os homens de brancos“.

Foi Churchill quem plantou a semente para remover o direito de votar dos negros na África do sul. Em junho de 1906, Churchill afirmou que se deveria permitir aos afrikaners ter um governo próprio, já que isso significaria que os negros seriam excluídos do voto.

Declarou no Parlamento que “devemos estar sujeitos à interpretação de que a outra parte lhe dê, e é indubitável que os boers a consideram uma violação desse tratado, se a franquia foi em primeira instância estendida a qualquer pessoa que não seja branca“.

Outras indicações:

‘Guiana Britânica’:

Churchill ordenou a derrubada do líder, democraticamente eleito, da ‘Guiana Britânica‘. Enviou tropas e navios de guerra e suspendeu a constituição para acabar com o plano de nacionalização dos governos.

China:

Nós Vamos ter que pegar os chineses e organizá-los“. – A esperança de Churchill em que “a raça ariana é obrigada a ter sucesso” …

Erich Von Manstien:

Churchill doou fundos para a defesa de criminosos de guerra nazistas quando esteve no julgamento após a Segunda Guerra Mundial.

Imigração para a Grã-Bretanha:

Um dos lemas de Churchill “Mantenham a Inglaterra branca“, ao debater a adoção de novas leis que limitassen a imigração desde o Caribe.

Mussolini:

Churchill exaltava a Mussolini: “Se eu fosse italiano, tenho certeza de que teria estado com você desde o princípio” e “o que um homem [Mussolini]! Eu perdi meu coração! … O fascismo tem prestado serviço ao mundo inteiro“.

Seu próprio povo:

Churchill sugeriu que “100.000 degenerados britânicos devem ser esterilizados à força e outros levados a campos de trabalho para parar o declínio da raça britânica“. Também sugeriu que “para os vagabundos e os perdulários deve haver colônias de trabalho adequadas que pudessem ser enviados“.

Sudão:

Churchill se gabava de ter disparado em pelo menos três “selvagens” enquanto estava lá.

Rober Emmet (Líder Republicano Irlandês):

Churchill plagiou a famosa frase “lutaremos nas praias” do discurso que Emmet deu a partir do cais.

Rússia:

Instou os Estados Unidos – EUA. a “limpar” o Kremlin com uma bomba atômica com a esperança de “lidar com o equilíbrio da Rússia“.

Primeira Guerra Mundial:

Eu amo essa guerra. Eu sei que está esmagando e destruindo a vida de milhares de pessoas a cada momento“.

Traduzido por “Cultura Proletária” de crimesofbritain.com

Leia na íntegra: Winston Churchill, um maníaco genocida

Leia também: O que “Darkest Hour” não diz Sobre Winston Churchill

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.