*O Verdadeiro Estatuto da União Europeia

AS VEZES VOCÊ PERGUNTA QUAL O MOTIVO DA MÍDIA OCIDENTAL SER OTANAZISTA?

A MAIOR DEMONSTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA É O CONFLITO NA UCRÂNIA:>

Por: Berthe Poggiale Avidor

Documentos de arquivo publicados em 2012 confirmam a organização da Segunda Guerra Mundial não apenas por industriais e banqueiros alemães, mas também por banqueiros americanos e britânicos, encobertos pelo presidente Franklin Roosevelt e pelo primeiro-ministro Neville Chamberlain , na esperança de destruir a URSS.

Mas antes de prosseguir, um esclarecimento sobre o que realmente é a União Europeia.

A União Europeia foi concebida pelo nazifascismo e “dada à luz” pelo imperialismo americano, francês e alemão.

Goebbels, comissionado por Hitler para desenvolver um programa europeu, escreveu: “O objetivo de nossa luta deve ser sempre e novamente criar uma Europa homogênea. Mas a União Europeia só pode ter uma organização clara através dos alemães” (Journal .p.157, ed. Tallandier. 2005). As unidades Waffen SS também eram europeias (belgas, húngaras, albanesas, holandesas, francesas, bálticas, etc.)

Pierre Laval, chefe do governo francês, sempre foi um defensor da Nova Europa (Das Neue Europa). Em 22 de junho de 1942, ele fez o seguinte discurso: Desta guerra surgirá inevitavelmente uma nova Europa. Falamos frequentemente de Europa, é uma palavra a que, em França, ainda não estamos muito habituados. Amamos nosso país porque amamos nossa aldeia. Para mim, francês, gostaria que amanhã pudéssemos amar uma Europa em que a França tivesse um lugar digno dela. Para construir esta Europa, a Alemanha trava batalhas gigantescas. Ela, junto com outros, deve fazer imensos sacrifícios. E ela não poupa o sangue de sua juventude. Para jogá-lo na batalha, ele o busca nas fábricas e nos campos. Desejo a vitória da Alemanha, porque sem ela o bolchevismo, amanhã, tomaria conta de todos os lugares  ”.

Em 20 de abril de 1943, foi recebido por Hitler, junto com Ribbentrop e o italiano Bastianini. Subsecretário de Estado das Relações Exteriores, Bastianini havia proclamado o “programa Europa” que foi massivamente transmitido na Itália. Este é um plano para uma futura união ou confederação europeia, retomado por Ribbentrop e relançado em abril por Mussolini e Laval durante suas entrevistas com Hitler. (Diário, Goebbels, p. 174)

O anticomunismo visceral, o ódio absoluto à economia socialista e aos bolcheviques, que era o traço dominante do nazismo, não foi erradicado com o esmagamento do 3º Reich nazista e se tornou o traço dominante dos países europeus, do outro lado do Atlântico e ao redor do mundo. Em 1948, a Alemanha Federal perdoou e manteve no cargo todos os criminosos de guerra e funcionários públicos que haviam colaborado com o nazismo (alguns passaram alguns meses na prisão, depois foram libertados, inocentados e retomaram, sem escrúpulos, uma carreira de sucesso).

Abaixo estão alguns exemplos:

Um nazista se tornou o primeiro presidente da Comissão Europeia. Walter Hallstein foi o primeiro presidente da Comissão Europeia. Arquitecto-chefe da construção europeia, foi um dos pais fundadores desta União Europeia fascista, associada aos viscerais pró-nazis e anticomunistas Robert Schuman e Jean Monnet.

Este alemão (Walter Hallstein) nascido em 1901 e falecido em 1982 era professor de direito na Alemanha. Ele era um jurista nazista, como evidenciado por sua carta datada de 30 de setembro de 1935 dirigida ao representante do governo nazista na Universidade de Rostock. Ele também foi nomeado reitor da Faculdade de Direito e Economia de Rostock pelo governo do Terceiro Reich, como evidenciado pela carta de 18 de maio de 1936 assinada pelo chanceler da Universidade de Rostock e um “Heil Hitler”. Walter Hallstein, portanto, se beneficia da escala social do Terceiro Reich, permitindo-lhe acessar as funções mais altas da Alemanha nazista.

Adolf Hitler encontra Benito Mussolini em Roma em 9 de maio de 1938 para criar “uma nova Europa”: uma ditadura europeia que estaria sob seu controle. Formou-se então uma equipe de advogados para desenhar esta “nova Europa” que pretendia eliminar fronteiras, amarrar os países dominados e criar um vasto Império onde o eixo Berlim-Roma aplicaria a sua política. Walter Hallstein foi, portanto, nomeado pessoalmente por Adolf Hitler como o representante nazista durante as negociações de estado com a Itália fascista entre 21 e 25 de junho de 1938, a fim de estabelecer uma estrutura legal para a “Nova Europa“.

O primeiro líder supremo da OTAN também era nazista, ou seja, Hans Speidel, um sinistro especialista na eliminação dos combatentes da resistência comunista francesa em 1940. (Combatentes da resistência comunista presos em 1939 pelo ministro Daladier e entregues aos nazistas após a derrota relâmpago da França em 1940)

O segundo chefe da OTAN também era nazista, ou seja, Adolf Heusinger, nomeado Chefe Supremo da OTAN em Washington por todos os Chefes de Estado-Maior dos países membros da OTAN. Esse indivíduo sinistro havia sido contratado por Hitler para planejar a operação de invasão da URSS. Sua “guerra relâmpago” planejava eliminar milhões de soviéticos, queimar cidades e aldeias, erradicar toda a população de fé judaica que vivia nos territórios da URSS sem omitir a erradicação total dos ciganos e outras comunidades existentes no solo. da Rússia Soviética, trazendo de fato este grande continente de volta à Idade da Pedra. Durante as sangrentas expedições punitivas, os combatentes da resistência seriam enforcados e os políticos soviéticos sistematicamente fuzilados no local.

Em agosto de 1942, o próprio general Heusinger orquestrou os extermínios. A Gestapo e a SS são colocadas sob seu comando direto. Hjalmar Schacht, nazista, presidente do Reichsbank e ministro da Economia de Hitler, desempenhou um papel preponderante no controle da máquina econômica do Terceiro Reich ao atuar como embaixador extraordinário e plenipotenciário do capital anglo-americano na Alemanha. Em 1945, Schacht foi julgado em Nuremberg e absolvido em 1º de outubro de 1946. Schacht retomou sua vida profissional como se nada tivesse acontecido e fundou a empresa Schacht GmbH em Düsseldorf.

Os planos Dawes e Young, a criação do Banco de Compensações Internacionais (BIS [O BANCO CENTRAL DE TODOS OS BANCOS DO PLANETA – PARÊNTESES NOSSO]), a suspensão do pagamento de reparações pela Alemanha sob o Tratado de Versalhes e a aquiescência dos antigos aliados da Rússia a esta decisão, os investimentos estrangeiros maciços na economia do Terceiro Reich, a militarização da economia alemã e as violações do Tratado de Versalhes são marcos no caminho que leva à guerra contra a URSS. Por trás dessa trama estavam figuras-chave: os Rockefellers, os Morgans, Lord Montagu Norman (governador do Banco da Inglaterra) e Hjalmar Schacht (presidente do Reichsbank e ministro da Economia no governo de Hitler).

O imperialismo, estágio supremo do capitalismo, confrontado com sua própria crise, não pode deixar ressurgir a ideia de que uma alternativa ao capitalismo foi capaz de sobreviver por várias décadas e até superar uma das mais ferozes potências imperialistas, a Alemanha nazista.

Deve sempre reafirmar a lenda tecida em torno da história da URSS e para isso deve falsificar a história, ou seja, apagar o fato inescapável de que a vitória dos povos sobre o fascismo-nazismo carrega o selo indelével da União Soviética, seu Exército Vermelho e os movimentos Francs-Tireurs e Partisans em que os comunistas estiveram na vanguarda, na França e em toda a Europa ocupada pelo 3º Reich nazista.

Tendo primeiro renomeado 9 de maio, Dia da Vitória do Povo em 1945, “Dia da Europa“, a fim de apagar a foto da bandeira vermelha tremulando sobre o Reichstag, eles agora continuam seu plano de identificar a vítima com o carrasco, alegando que o não- pacto de agressão de 23 de agosto de 1939 é a causa da guerra de 39/45.

Os falsificadores capitalistas e seus thurifers (pessoas que carregam o turibulo em cerimônias religiosas, no caso auxiliaresparênteses nosso), herdeiros do hitlerismo, através de desenfreadas e repetidas campanhas midiáticas gostariam de transferir os crimes de extermínio em massa cometidos pelos nazistas para a conta daqueles que os combateram e desenvolvem descaradamente uma campanha tendente a assimilar o comunismo ao nazismo , Os algozes se tornam vítimas, as vítimas dos algozes.

Hitler se levantou de seu túmulo. E reabilitamos na Rússia, Ucrânia, Romênia e Eslováquia, Hungria, Lituânia, …. os Vlassov, os Tukhachevski, os Kalmikov, os Petlouras, os Wrangel, os Antonescu, assassinos antibolcheviques e outros colaboradores nazis, todos os bandidos que perseguiram ferozmente as populações russas, de 1917 a 1924, e de 1941 a 1945, que friamente assassinamos e conscientemente as populações judaicas, os comunistas, os opositores da barbárie, E na França, lacaios dos Estados Unidos, reabilitamos os industriais e banqueiros que colaboraram com o ocupante nazista e exoneramos os Pétainistas e co de suas infames torpezas.

Para atingir seus objetivos de negar a realidade dos fatos históricos, o imperialismo deve branquear o capitalismo que, sob a liderança dos Estados Unidos, tendo engendrado em toda a terra o fascismo e a guerra de Hitler, é hoje ainda mais feroz e agressivo do que Hitler porque este nunca poderia dar-se ao luxo de insultar o mundo inteiro arrastando-o para operações de conquista (petróleo) em quase todos os suculentos cantos do planeta, escondendo seus objetivos hegemônicos sob o belo termo de “sendo defensores dos Direitos e Liberdades do ser humano“.

O capital globalizado retoma a forma hitleriana de conquista dos recursos alheios porque se depara com problemas econômicos insolúveis. É a crise cada vez maior do capitalismo, que está forçando o imperialismo a tentar se livrar por meio da guerra. É o mesmo cenário de 1914 e 1939.

O 3º Reich nazista conscientemente travou uma guerra de aniquilação das populações da URSS porque as considerava subumanas, destinadas apenas à escravidão em benefício dos arianos loiros!!!

Em setembro de 1941, ocorreu o massacre de Babi Yar, onde 30.000 homens, mulheres e crianças judeus soviéticos foram mortos em uma ravina nos arredores de Kiev.

Quando os soldados soviéticos chegaram a Auschwitz, o que descobriram chocou sua sensibilidade já amadurecida. Poucos dos 8.000 sobreviventes conseguiram falar ou simplesmente se mover, e menos ainda receberam os soviéticos.

Um coronel soviético lembra: “  Já tinha visto muitos inocentes serem mortos. Eu tinha visto pessoas enforcadas. Eu tinha visto pessoas queimadas. Mas ainda não estava preparado para Auschwitz  ”.

Ele também se lembra das primeiras pistas conclusivas dos assassinatos em massa “Descobrimos montanhas de dentes artificiais, óculos e cabelo humano“.

No quartel das crianças, havia apenas dois sobreviventes, o resto gaseado ou morto como objeto de horríveis experimentos médicos. Outro oficial soviético lembrou que quando as equipes de limpeza foram inspecionar as chaminés do crematório, encontraram depósitos de gordura humana nas paredes de 115 cm (1,15 m) de espessura.

O que o Exército Vermelho descobriu em Auschwitz não era um campo; mas, um complexo de acampamentos ocupando uma área de 20 km2. Essas dimensões atestam a escala do extermínio em massa e o fato de que Auschwitz era um local industrial de trabalho escravo e morte comandado pela SS.

Como um nariz no meio da cara, o Partido Comunista Bolchevique de Lenin e Stalin não precisava se envergonhar de seu balanço. Por causa de um país em 1917 miserável semi-feudal, constituído por um campesinato empobrecido e analfabeto, e cuja indústria havia sido destruída pela Guerra (1914-1917). o Partido Comunista Bolchevique conseguiu, em menos de uma década, restaurar a economia; dotá-la de uma poderosa indústria mecânica capaz de infundir um dinamismo colossal em todos os ramos da indústria; capaz de produzir máquinas agrícolas para tirar o campesinato de sua condição miserável e dar perspectivas de futuro e um ideal a um povo multiétnico outrora dividido por pogroms, racismo e pobreza abjeta.

Mas a trégua foi breve, em 1933, Hitler assumiu o poder na Alemanha. Ele expressou claramente seus desígnios sobre o “gueto” da URSS do “judeo-bolchevismo“, disse ele. Os soviéticos há muito haviam entendido a mensagem. Hitler e as potências ocidentais estavam fazendo acordos secretos após acordos secretos pelas costas da URSS.

Com base nesta informação, a indústria pesada russa foi assim colocada ao serviço da produção de armamento. Os povos da URSS entraram em um período de economia de guerra, cujas apostas eram tanto a destruição do primeiro Estado com economia socialista quanto uma nova divisão do mundo (enfraquecimento do imperialismo inglês e ascensão do imperialismo norte-americano).

Antes, durante e depois da guerra, que durou cinco anos, as potências ocidentais constantemente jogaram um jogo duplo, deixando o esforço de guerra para a URSS na esperança abertamente declarada de que Hitler “faria o trabalho sujo” da destruição do estado socialista.

Em 1945, a URSS ainda estava de pé – tendo quebrado definitivamente as costas da hidra nazista – o capital internacional teve que ceder. O Partido Comunista Bolchevique da URSS soube mobilizar os povos soviéticos, derrotar o nazismo e manter o estado socialista proletário. Os povos do mundo tiveram ali um modelo brilhante. Um exemplo muito perigoso para os imperialistas.

O rebaixado poder inglês deu lugar agora ao imperialismo norte-americano e este último marcou sua hegemonia no cenário capitalista internacional ao lançar as primeiras bombas atômicas sobre as populações civis do Japão. Este crime contra a humanidade ganhou um significado intenso com a aprovação tácita da “comunidade internacional” (ONU) já subjugada ao seu novo senhor.

Na URSS, com 28 milhões de vítimas (2/3 civis), era preciso reconstruir tudo, formar novos executivos, restaurar a economia. Desde 1917, este país conheceu apenas 16 anos de paz (1924/1940), os seus executivos foram dizimados pela guerra, as suas infra-estruturas destruídas. Stálin e a direção do Partido Comunista da União Soviética, cientes desse problema, começaram a redigir documentos essenciais que ainda hoje nos permitem apreender a correção das orientações, tanto antes quanto depois da guerra, tanto politicamente, quanto ideologicamente e economicamente. Mas Stalin morreu em março de 1953.

A “resolução” da União Europeia fascista é um insulto intolerável à memória de todas as vítimas da barbárie do 3º Reich, mortas sob as balas nazis ou nos campos de deportação e em particular à resistência implacável dos povos da URSS e seu governo liderados pelo correto e brilhante Joseph Stalin, enfrentaram o assassino invasor nazista, suas hordas de Waffen SS e einsatzgruppen.

E não esqueço, nesta homenagem de coração, os combatentes da resistência comunista alemã que foram praticamente exterminados pela feroz repressão implementada pelo Terceiro Reich nazista.

Em última análise, a União Europeia não passa de um instrumento fascista, cúmplice e de joelhos perante o imperialismo dos Estados Unidos, o imperialismo americano, assassino em massa, assassino na Líbia, assassino no Iraque, assassino no Afeganistão, assassino na Síria, assassino no Vietnã, assassino na África, assassino na América do Sul e hoje assassino na Ucrânia, em todos os lugares onde pode se apropriar, sem gastar um centavo, das múltiplas riquezas dos países que coloniza.

Leia na íntegra: O verdadeiro estatuto da União Europeia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.