*[FEMINISMO] QUANDO O “LÚMPEN” LEVANTA A VOZ

O termo lumpemproletariado ou lumpesinato ou ainda subproletariado designa, no vocabulário marxista, a população situada socialmente abaixo do proletariado, do ponto de vista das condições de vida

Do: SOLIDARIEDADE OBREIRA

[Feminismo] Quando o "lumpen" levanta a voz
 FOTOGRAFÍA DE JOHANNES MAHN.

 

A esquerda política, e por algumas décadas, infelizmente, também um certo espectro do anarquismo, é profundamente classista. No sentido em que ele acredita que a sociedade é constituída por classes antagônicas e promove o desaparecimento delas? Não, no sentido de que ele tem preconceitos elitistas em relação às pessoas mais afetadas pelo sistema.

Infelizmente, o fato de que quase todos os fundadores teóricos do socialismo no século XIX (com exceção de Proudhon e pouco mais) eram de classe superior, favorecido em sua reformulação da classe trabalhadora sistematicamente exclui as pessoas mais pobres e marginalizadas . Isso fazia alusão a todas aquelas pessoas que só podiam acessar empregos irregulares e qualquer ocupação condenada por lei ou moral e convenções sociais. O termo “lumpemproletariado” (“proletariado em trapos”), cunhado por Marx e Engels em seu Manifesto do Partido Comunista (1848) 1, não tinha outra intenção senão denegrir e traçar uma linha clara entre proletários e “subproletários”. Em sua opinião, o “lumpen” é quase sempre instintivamente contra-revolucionário e, se não arrastado pela força para o campo da revolução, deve ser, mais ou menos, disparado 2 . O socialismo centralista e estatista manteve visões semelhantes até hoje. O anarquismo, por outro lado, não foi até recentemente que começou a adquiri-los.

O discurso de Marx e Engels já foi confrontado naquela época por Bakunin. Para ele, o marxismo excluía os setores da equação política (não apenas o “lumpen”, mas também o campesinato), cujo potencial revolucionário não podia ser menosprezado. Bakunin, embora às vezes caísse em uma romantização e idealização desnecessárias 3 , estava claro que não poderia segregar o projeto revolucionário àqueles que mais precisavam dele:

“[…] O proletariado extremamente pobre, o lumpemproletariado de que Marx e Engels senhores e, consequentemente, toda a escola social-democrata na Alemanha, fala dele com desprezo, é tratado muito injustamente, porque nele, e só nele, e não nos extratos burgueses das massas trabalhadoras […] é onde toda a inteligência e toda a força do futuro da revolução social” é cristalizado.

Abrir braços aos setores mais pobres do proletariado, que outras forças políticas rejeitaram, era uma constante do incipiente movimento anarquista para além de Bakunin. De Stirner ao anarcoindividualismo francês e italiano e ao anarco-sindicalismo ibérico. Talvez seja por isso que o anarquismo se tornou especialmente forte entre as massas camponesas das regiões mais deprimidas e entre a população urbana mais marginalizada das grandes cidades. A importância, nos eventos revolucionários subsequentes, daqueles oprimidos acusados ​​de serem “desclassificados” por viverem à margem da moralidade burguesa, demonstraria o erro do anátema marxista. Desde a Comuna de Paris (1871), passando pela Semana Trágica de Barcelona (1909) até a Revolução Espanhola (1936), o ninguém, o sem nome e sem classes.

Em 18 de março de 1871 foram muitas das mulheres mais pobres em Paris que, com Louise Michel no comando, soou o alarme e impediu que a Versaillesque-tropas do governo recuperassem as armas tomadas da Guarda Nacional. Eram estas mulheres, muitas delas prostitutas, ao qual foram recrutados para estabelecer um serviço de ambulância na frente de batalha (apesar da oposição de “aristocracia operária do sexo masculino” ), e foram elas que se juntaram a crianças de rua, ex – condenados e desempregados para formar batalhões que nasceram diretamente dos subúrbios.

Em 1909, quando o governo espanhol começa a recrutar os jovens proletários catalães para um novo bufonaria imperialista em Marrocos, são as mulheres que (na fase mais difícil) iniciam os primeiros atos de protesto, e, entre elas, mais uma vez, prostitutas. A mobilização de mulheres para evitar que seus filhos ou companheiros morressem em uma estúpida briga colonialista, fez com que a ação  adquirisse a natureza de uma verdadeira insurreição, que durou de 26 de julho a 2 de agosto. Naqueles dias, e nos dias que antecederam os apelidos de “prostitutas companheiros” como “La Valenciana”, “O Cuarentacéntimos”, “La Bilbaina”, “La Larga” ou “O Castiza” se destacaram da multidão: ergueram barricadas, organizando e liderarando piquetes, escondendo perseguidos e preparando a logística do bairro para atacar as “forças da ordem”.

Nos anos após, a jovem CNT iria crescer e especialmente, entre 20 e 30, ela iria muito se consolidar entre os jovens militantes dos bairros mais marginalizados (Las injúria em Madrid a Barcelona Chinatown) das grandes cidades do Estado. Essa militância não seria contemplativa e, muitas vezes, comporia os quadros de defesa da Confederação. Profissionais como Felipe Sandoval, de pobreza mais extrema, ou especialistas como o artista Lluis Serracant ( “Autumn Flower”), eram frequentes entre os “homens (e mulheres) de ação” de anarcossindicado. Mesmo aquele que foi secretário do Comité Nacional da CNT, e antes da Regional da Catalunha, “Marianet” Rodríguez Vázquez, veio do mundo da delinquência juvenil. Seria precisamente na prisão que ele abordaria as ideias libertárias, seguindo um processo bastante comum na época. Como a CNT tinha sido proibida por períodos intermitentes, cerca de 10 anos (1911-1914 e 1923-1930), e as  conexões naturais dela, constantemente presas com o resto da população carcerária, os contatos com militantes politizados eram inevitáveis. As prisões tornaram-se centros de propaganda e formação e as idéias anti-penais dos anarquistas circularam sem dificuldade. A força da ligação do “lumpen” com a CNT seria submetida ao julgamento pelo fogo dos dias revolucionários de 19 de julho de 1936.

É este pequeno retábulo histórico uma tentativa de idealizar o “lumpen” e confirmar aquele suposto “instinto revolucionário” do qual Bakunin falou? Em absoluto. Eu tenho vivido muito perto da miséria para não conhecer todo o capitalismo nu, o darwinismo social e a merda sem açúcar que está por trás disso. Quem sabe marginalização através da literatura barata ou moda série sociológica, o último pop artefato Hollywood, alguma realidade quatro ou Telecinco, clips de redes sociais ou de vídeo na MTV, você pode consumir substitutos e fingir que você não conhece Mas quando a marginalização envolve você e te estrangula diariamente, alguns de nós apenas tentam encontrar as ferramentas para escapar dela. Ou você faz isso ou se permite o luxo de comprar a própria caricatura que você vende de si mesmo, mesclar com sua identidade e continuar naufragado sobrecarregado por clichês. Minha intenção, portanto, não pode estar mais longe da simplicidade mitificadora. Esse semblante histórico que compartilhei é apenas uma tentativa humilde e incompleta de demonstrar que muitas vezes somos precisamente o que as circunstâncias não nos impedem de ser; e que às vezes somos iguais até quando as circunstâncias nos impedem de ser. Sim, mostrar a face da adversidade nossa melhor versão é um desafio que afeta o nobre renunciar a seus privilégios para abraçar a causa dos oprimidos, os oprimidos e esquecer momentaneamente que a fome a abraçar a causa de sua própria autonomia; mas, e não se pode negar, descer uma encosta é sempre menos difícil do que subir. A renúncia de privilégios não implica a mesma quantidade de trabalho que conquistar direitos. O primeiro supõe, acima de tudo, um ato de consciência individual e, no máximo, desagrado familiar; o segundo, além disso, requer um ato deliberado de luta social. Eu não idealizo, mas reconheço o mérito daqueles que se recusam a continuar engolindo lama. Recusando-me a deixar os outros se arrastarem antes que você não pareça para mim, sinto muito, não é metade arriscado.

Para a maioria de esquerda, no entanto, as tentativas emancipatórias de “lumpen” nunca é parte de um processo consciente e autônoma, mas algo que é forçado pela força dos acontecimentos ou que têm diretamente para forçá-lo. E mesmo aqueles que não contemplam o “lumpen” como um setor de contra-sistema, vê-lo como um menor eterno velho, perdido, desorientado, imaturo, que deve ser guiado e dirigido, porque é por si só incapaz. É a mentalidade da caridade cristã e da tutela do enegero. Ideologia saturada não são capazes de ver que a alforria único apoio (liberdade concedida) e não a auto-emancipação, nem as consequências reais desta posição. Quando cacarejar como um mantra que “a emancipação dos trabalhadores vai trabalhar-se ou não” acreditam que a primeira linha dos estatutos da AIT, 1864 (escrito precisamente por Marx, a pedido de cartistas e Proudhon) inclui qualquer explorado , exceto pelo “lumpen”. Eles querem “salvar pessoas”, mas sem contar essas pessoas. Despotismo ilustrado, finalmente, embora seja pintado de vermelho.

Foi o que aconteceu com o último debate sobre o direito das prostitutas de sindicalizar-sem. A análise da prostituição, de uma perspectiva libertária, não pode ser mais meridiana. É uma das formas de opressão, da exploração do ser humano pelo ser humano, mais brutal, bruta e sem artifícios de tudo o que existe. É também um dos poucos que precede o capitalismo, ou seja, uma das poucas relações de poder que tem sido comercializada, embora encontre um aliado perfeito no livre comércio, não vem diretamente dele. A prostituição é filha de uma instituição muito mais antiga e rançosa: o patriarcado. Esse é o que estabeleceu a hierarquia dos gêneros, a que historicamente transformou as mulheres em espólios de guerra e a que continua a reduzi-las a um simples objeto de consumo, sexual ou doméstico. A prostituição (embora eu não omita que também haja o homem) é um produto incontestável da androcracia. Qualquer tentativa de romantizar é vã e todo discurso sobre a absurda voluntariedade. Nenhuma forma de exploração é voluntária. Se algo vai ser feito voluntariamente, por que existe o incentivo ou a coerção da retribuição econômica sem a qual não o faríamos? Certifique-se de que todos tenham um telhado e três refeições por dia e depois podemos falar sobre o voluntariado. Enquanto isso, não haverá livre escolha condicionada pela necessidade. Por que há incentivo ou coerção de retribuição econômica sem a qual não faríamos isso? Certifique-se de que todos tenham um telhado e três refeições por dia e depois podemos falar sobre o voluntariado. Enquanto isso, não haverá livre escolha condicionada pela necessidade. Por que há incentivo ou coerção de retribuição econômica sem a qual não faríamos isso? Certifique-se de que todos tenham um telhado e três refeições por dia e depois podemos falar sobre o voluntariado. Enquanto isso, não haverá livre escolha condicionada pela necessidade.

A postura anarquista sempre foi a da abolição. Se você quer que a abolição da escravidão moderna se transforme em trabalho assalariado, como você pode excluir a prostituição desse requisito? Todas as formas de exploração e salários devem ser abolidas, e mais aquelas que não apenas tentam alugar nosso corpo e nossa inteligência, mas também nossa privacidade. Acho que podemos considerar essa afirmação como historicamente majoritária no anarquismo. No entanto, o problema não se coloca tanto em relação ao abolir-se (quando interpretado como uma figura abstrata), mas em relação à forma como deve ser obtido-lo (quando se torna o que realmente importa: a figura concreta). Grande parte, ou pelo menos com repercussão suficiente nos meios de contra-informação, de certos setores do anarquismo para a esquerda autoritária, eles concordam em reivindicar a abolição, mas, para minha surpresa, excluindo prostitutas do processo e negando seu direito de se organizar / sindicalizar. Mil desculpas serão dadas para negar essa afirmação, mas a realidade é que toda a retórica sobre a auto-organização é descartada assim que as prostitutas saem do obscurantismo e entram em cena.

Algumas das desculpas mais úteis são: “não pode organizar-se, porque eles não são treinados.” Embora pareça um exagero, que é o que temos ouvido e lido nos dias de hoje. Comparado animais recorrentemente não-humanos em gaiolas, ou com crianças exploradas no trabalho, eles têm sido atribuídos respectivamente a mesma capacidade emancipadora dos seres que não possuem faculdades intelectuais humanas ou de outros que ainda não vencidos ou totalmente desenvolvidos . Essa é a visão nua, e aqui ser pouco de maquiagem, você tem realmente prostitutas de algumas torres de marfim: médio ou formar seres limitados, incapaz de emitir um parecer, e muito menos uma solução razoável sobre a sua própria situação.

Quando lhes é concedida permissão para se organizar, eles dizem: “organizar, mas não participar, porque isso significaria aceitar que a prostituição é um trabalho”. Somente a organização de prostitutas é entendida como uma ONG de caridade, nunca como uma estrutura forte e exigente. O debate não é se ou não a prostituição é um trabalho, porque a pergunta, quase sempre jogado tão tendenciosa, geralmente mais viagens excluindo prostitutas condenando a prostituição; o debate, que não se quer enfrentar porque revela os verdadeiros preconceitos burgueses por trás da questão, é se as prostitutas são de classe trabalhadora ou não. Aqueles de nós que os reconhecem como colegas de classe ignoram os julgamentos legais e morais da mesma sociedade que os explora. Eles não têm os meios de produção em sua posse, eles ganham seu pão submetendo-se a uma sangrenta exploração que, por sua vez, não exerce sobre os outros. Para considerá-los lutando irmãs, você não precisa mais. Se admitirmos que eles são da classe trabalhadora, teremos que reconhecer simultaneamente seu direito de articular sua luta usando a estrutura sindical. Apesar de querermos sacralizá-lo e colocá-lo atrás de um cordão de ouro que não pode ser transferido, a realidade é que um sindicato não é mais que um órgão de classe usado por aqueles abaixo para defender seus próprios interesses. Independentemente da opinião de que merecemos essa ou aquela atividade, quer a consideremos funcionar ou não, a ferramenta sindical é igualmente válida e utilizável. São inquilinos sindicatos, com quase 100 anos de história, um corpo estritamente operário? Não são, e por sua reformulação moderna tem gerado tantas objeções dos puristas, mas, na realidade, eles parecem ignorar é de que os sindicatos inquilinos nasceram precisamente dirigido por sindicatos e organizações trabalhistas, como a CNT ea FAI, que compreendia reivindicações de classe de forma abrangente e não traçar uma linha entre o inquilino eo trabalho. É por isso que eles são tão necessárias hoje como antes. Não precisamos também a proliferar sindicatos presas, sejam elas organizações não só de trabalho? O importante é construir estruturas defensivas com as quais a classe trabalhadora, em suas diferentes etapas e compatível, como consumidores, como preso, como inquilinos, e não apenas como produtores,

Outra das objeções mais comuns alude à possibilidade de que o estabelecimento de uma união de prostitutas assumir reconhecimento tácito de um empregador e isso vai abrir a porta para legitimar cafetões e regulamentação da prostituição. Em primeiro lugar, e, infelizmente, as várias associações de cafetões que exploram as mulheres sob o eufemismo de “hostess local” já foram regularizados e legalizado, entre outros pelo Supremo Tribunal muito por quase 20 anos 11. É curioso que a organização legal dos exploradores não aumente hoje, nem aumente, então, a mesma agitação que a tentativa de organização dos explorados. Por outro lado, é absurdo acreditar que uma organização sindical de autodefesa necessariamente implique o reconhecimento de uma associação de empregadores. Apenas implica a necessidade de se organizar para combater os abusos e agressões, de onde quer que eles venham. Qual é a gestão dos sindicatos de manteros e lateros? Constituem-se como um sindicato para defender-se de incursões policiais e políticas municipais, para tecer redes de apoio e protesto, sem que isso signifique reconhecer os empregadores como interlocutores. O mesmo pode ser dito sobre a pretensão distorcida de que criar uma união é legitimar a exploração sofrida pelos sindicatos. Quando as pessoas vivem amontoados em um “piso patera” ou em uma sala de lavagem minimamente como casa particular participar de um sindicato de inquilinos, eles estão legitimando locação, assim, Draconian à qual foram submetidos? Quando um grupo de trabalhadores migrantes, sujeitos a maratonianas horas de trabalho, sem medidas de segurança qualquer e salários de fome genuína, juntando-se a um sindicato convencional, são eles legitimar a escravidão velada a que estão sujeitas ou, pelo contrário são lutando? O que legitima a exploração é permanecer desarmado, desarmado, isolado e silencioso. O que justifica a opressão é continuar como antes, escondido sob o manto do status quo, sem fazer barulho, sem perturbar.

Um dos principais argumentos para negar a sindicalização das prostitutas refere-se ao suposto caráter amarelo que pode estar por trás dos sindicatos que impulsionam o processo. Em face da ignorância, aceitaremos o orçamento. Certamente há muitos interesses espúrios que podem tentar controlar esses sindicatos, assim como empregadores com sindicatos convencionais ou administração com plataformas habitacionais. Agora, a existência de estruturas amarelas e de quinta coluna dentro das organizações de trabalhadores invalida todas as formas de organização e sindicação? Se existem CCOO e UGT, deslegitima, por exemplo, todos os anarco-sindicatos? Tomar a parte pelo todo nunca é uma boa solução. A existência de sindicatos amarelos que tentam compensar a exploração das companheiras é apenas mais um argumento para os sindicatos revolucionários abrirem suas portas à organização dos mais precários. Para mais amarillismo mais precisamos de organizações militantes contrárias ao armistício social.

Neste ponto, sem muitos mais argumentos contra isso, acaba deixando ir: “OK, organizá-los, mas fazê-lo para exigir a abolição da prostituição ipso facto”. Sim, gostaria que sim, mas a realidade é geralmente muito mais difícil, insatisfatória e complexa. Não sei quantas pessoas que me leram trabalharam em um sindicato, mas se tiverem, saberão exatamente do que estou falando. Quando um inquilino se aproxima de um sindicato de moradores, ele o faz para exigir a abolição dos aluguéis e a socialização da moradia ou simplesmente pedir uma redução do aluguel ou evitar seu despejo? Quando um trabalhador convencional se aproxima de um sindicato, Faz isso para exigir a abolição do trabalho assalariado e a destruição do sistema capitalista, ou faz isso inicialmente para evitar uma redução no salário ou para evitar a demissão? Geralmente, nenhum explorado se aproxima de uma organização de trabalhadores para exigir uma mudança radical revolucionária. As pessoas, logicamente, estão interessadas apenas em um princípio para melhorar suas condições de vida, o que não é pouco. Então, com o contato, a confluência e o auto-aprendizado, esse processo está sendo dado, pelo qual as expectativas são abertas e as demandas são ampliadas. Mas o primeiro passo, para conseguir isso, é organizar. Podemos exigir que as prostitutas comecem a dar os primeiros passos organizacionais que imediatamente exigem a abolição da prostituição e o desaparecimento do sistema patriarcal e que, por sua vez, renunciam a reivindicar direitos simples e elementares de saúde ou sociais? Quem tem a autoridade moral necessária para fazê-lo. Mas não se esqueça antes de visitar as organizações de trabalhadores com mais de um século de história que ainda não exigem isso de seus afiliados.

E este último ponto abre a porta, inevitavelmente, para o tipo de abolição que queremos. Queremos uma abolição vertical, de baixo para cima, baseada em decretos e leis, que exclua as prostitutas do processo ou que queiramos uma abolição que emergiu de baixo para cima e protagonizou as afetadas? Quando hoje a esquerda fala da abolição da prostituição, e ao fazê-lo argumentando alguns dos argumentos desmantelados acima que negam a organização / sindicação de prostitutas, ela está na verdade defendendo uma muito pequena abolição abolicionista. Sem as prostitutas que lideram o processo, a abolição só pode vir do Estado, de uma reforma do Código Penal promovida pelo Parlamento, de leis aplicadas pelos tribunais e de uma série de medidas governamentais. Não há mais viagens.

Nenhuma mudança de paradigma radical, e é isso que a abolição requer, nunca ocorreu com as costas daqueles diretamente afetados. Nos anos que antecederam a Guerra Civil Americana (que durou de 1861 a 1865), um movimento considerável estava se desenvolvendo em favor da abolição da escravidão, principalmente branca, religiosa e, em muitos casos, paternalista em relação aos próprios escravos. A escravidão tornou-se um assunto que ofendia a moral cristã dos brancos, mas não necessariamente em uma questão que era da competência dos negros. Esse movimento poderia levar à aplicação da “Proclamação da emancipação” no final da guerra, mas sendo um mero decreto legal, que não exigia participação ou contribuição e nem mesmo a opinião dos negros, a abolição governamental da escravidão tornou-se uma “falsa abolição”. Durante as décadas subsequentes, os negros, tanto no norte como no sul (embora com maior virulência nos estados do sul), eram simplesmente cidadãos de segunda ou terceira classe. Segregação era um fato, assassinatos e linchamentos diários também. Eles não conquistaram direitos tangíveis. Eles continuaram trabalhando nas plantações dos brancos com a diferença de que agora eles tinham que pagar um aluguel para residir neles. Fontes públicas, restaurantes, albergues, transportes e escolas permaneceram reservados, principalmente para brancos. Não é até 90 anos depois que o paradigma – sem cair – vacila. O que aconteceu? Que os afro-americanos assumiram o controle de suas próprias reivindicações e de sua própria emancipação.

A concessão de direitos de cima para baixo, concedida por terceiros, é incompatível com qualquer mudança que não seja meramente estética e formal; não há mudança profunda se não for diretamente realizada pelos afetados. Patraphrase o que os sobreviventes dos Comitês de Defesa da CNTD disseram sobre a revolução 12 , não há possível abolição do Estado, mas contra o Estado. E é aqui que certo anarquismo atual rompe com a histórica história libertária sobre a abolição. O abolicionismo anarquista, exceto por exceções lamentáveis, sempre tentou escapar dos juízos morais elitistas que excluíam prostitutas do resto da classe trabalhadora. Para este abolicionismo, as diferentes maneiras de explorar as mulheres não podiam ser hierarquizadas, e elas não entendiam que a mulher casada pela inércia13 ou o trabalhador da fábrica tateou por seu empregador, eles olharam por cima do ombro para a prostituta e não entenderam sua situação como parte de um todo. O anarquismo acreditava que a prostituição era um fenômeno cultural e social, mas também, e é algo que hoje parece querer ser omitido, econômico 14 . Livre Mulheres falhar quando o evento revolucionário em Barcelona 1936, para criar seu famoso libertador da prostituição, não espera nada de decretos governamentais, não acredita que isso é o suficiente para esvaziar os bordéis e prostitutas levar para uma mudança ocorre para melhor 15. Embora em algumas circunstâncias em si poderia ser demasiado paternalista, o programa Mujeres Libres era apoiar a organização de prostitutas, na tentativa de aproximá-los das estruturas sindicais (e vice-versa), levá-los de se juntar e, a partir daí, para introduzir uma formação profissional e reciclagem de mão de obra. O projeto falhou devido a circunstâncias sociais e estratégicas que excedem a análise deste artigo. Mas a grande lição que pode ser tirada de um dos momentos históricos em que a possibilidade da abolição da prostituição foi mais definida, é que você não pode virar as costas para os afetados.

A abolição da prostituição não será alcançada sem questionar e atacar antes (ou pelo menos simultaneamente) a estrutura que a originou e a que hoje a sustenta: o patriarcado e o capitalismo, respectivamente. Para acabar com a prostituição, precisamos, portanto, de uma mudança de paradigma; e não há mudança de paradigma possível se os afetados não forem organizados primeiro.

Nessa linha de pensamento, Goldman nos disse, em sua tripla condição de anarquista, uma mulher e, em uma ocasião, uma prostituta:

“Apenas uma opinião pública inteligente educado, para parar a implementação do ostracismo legal e moral em relação à prostituição, deve contribuir para melhorar esse estado de coisas. Fechar os olhos com uma falsa modéstia e fingir ignorância desse mal e não reconhecê-lo como um fator social na vida moderna só vai agravá-lo. Devemos estar acima da ideia estúpida de que sou melhor do que você, tentando ver na prostituta apenas um produto das condições sociais. […] Com relação à erradicação total da prostituição, nada, nenhum método pode realizar este grande compromisso, mas a transmutação mais completo e radical de valores, atualmente falsamente reconhecido como benéfico, especialmente no que diz respeito à parte moral juntamente com a abolição da escravidão industrial, as suas causas Causarum “.

A importância de poupar os malditos sermões e a suposta superioridade moral, a necessidade são aqueles afetada para levar seu próprio processo de emancipação, é algo que vai além da distribuição de prostitutas e directamente refere-se a todo o sector explorados e marginalizados que vivem na periferia da “classe trabalhadora canônica”. Precisamos organizar e organização social entre os prisioneiros, paradas crônicas sem-teto e todos esmagados pelo sistema vivendo em suas margens. Se não formos capazes de aprender e ouvir, para apoiar e ajudar as pessoas porra é e agremie, pelo menos não funcionam paus na roda.

Mas para a esquerda chegar a essa conclusão, e parar de boicotar tudo o que não pode controlar, ela deve primeiro liberar muito lastro. Ele deve parar de usar limites legais como uma bússola e deve abandonar todo o moralismo que lhe foi instilado na universidade, no partido ou na igreja. Embora não seja tão disposto a demolir burguesa em que 17, continuará a mostrar um classismo assertivo que ainda não pode definir. Se sabemos que há um racismo assertiva de que é incapaz de avaliar o racismo e por sua vez um próprio nacionalismo assertivo (como vimos em relação ao conflito Catalão) vê o nacionalismo em todos os lugares, exceto em seu próprio patriotismo, temos de admitir que também há um classismo assertiva que analisa com muita dedicação todos os preconceitos das classes superiores sobre a classe operária, mas não tem interesse em questionar seus próprios preconceitos em relação ao “lumpen”, que exclui a classe trabalhadora.

Em conclusão, sei que a organização do “lumpen” não precisa representar, por si só, uma mudança radical. Nem mesmo, necessariamente, uma mudança para melhor. As pessoas podem se organizar para acomodar sua opressão, para se venderem a instituições ou para qualquer outra corrupção similar. Pode, de fato, que a porcentagem de mudança real produzida pela organização / sindicação dos precários, marginalizados e excluídos seja realmente baixa. É uma possibilidade. Mas contra essa possibilidade, uma certeza aumenta: sem esses primeiros passos organizacionais, a variação percentual é de 0%. Assumir a derrota como ponto de partida é um bom incentivo para criar literatura épica e aproveitar as batalhas perdidas pelos nossos avós. Aqueles que não temos nostalgia, aqueles que não temos estabilidade, nem telhado próprio, nem pão seguro, não podemos nos contentar com isso. Temos que nos conhecer, nos conhecer, nos organizar e começar a desenvolver uma resistência econômica e social nas ruas. Talvez a esquerda não esteja de acordo, mas ainda resta uma opção: continue a mexer com medo toda vez que uma puta ergue a voz.

NOTAS

  1. A definição diz: ” O lumpemproletariado, esse produto passivo da putrefação das camadas mais baixas da velha sociedade […]” (Marx e Engels, op.cit.). No primeiro volume de O Capital (1867), Marx insiste em separar explicitamente os trabalhadores que caem na pobreza pelo desemprego, orfandade, velhice ou acidentes de “vagabundos, criminosos, prostitutas, em suma, o próprio proletariado lumpen [… ] ” (ibid.). Ao longo de toda Marx trabalho e geliana pode ler passagens do mesmo espírito : “O Lumpenproletariat, Que compunham os elementos desmoralizados de tudo social e concentrados principalmente em grandes cidades camadas, a escória é o pior dos aliados possíveis. Esse desperdício é absolutamente venal e muito irritante ” (Engels, prefácio à segunda edição de The Peasant War in Germany , 1870). ” [A] lumpenproletariat , que em todas as grandes cidades formar uma massa bem renunciadas do proletariado industrial. Esta camada é um centro de recrutamento para os ladrões e criminosos de todos os tipos que vivem com os despojos da sociedade, pessoas sem profissão fixa, vagabundos, pessoas desabrigadas, sem credo […] “(Marx, a luta de classes na França de 1848 a 1850 , 1850). No18 Brumário de Louis Bonaparte (1854) Marx faz uma longa lista com muitos dos tipos de “subproletários” que identifica e variando de mendigos e ex – condenados a Traperos e apontadores, para acabar concluindo que eles são uma “hez, resíduos e escórias todos os tipos”. Eles brandir julgamentos idênticos hoje, sem corar, enquanto alguns risos bebida moda goles cúmplices são, em muitas das nossas conversas, discussões e fóruns públicos. Eu sinto falta das redes sociais que não sabem beber vermelho militância cib errnau tica enquanto exala falta de empatia.
  2. ” Quando os trabalhadores franceses escreveram nas paredes de casas em cada uma das revoluções: Morte aos ladrões, eles fizeram em um ataque de entusiasmo, para a propriedade, mas plenamente consciente que acima de tudo que era necessário para se livrar dessa banda “(Engels, a Guerra …, op.cit.).

  3. É emblemático que a passagem em que ele define o “lumpen” como “a flor do proletariado”: “Ao flor do proletariado compreender acima de tudo que grande massa, esses milhões de incivilizados, deserdados, miseráveis e analfabetos Engels e Marx define submeter o regime paternal de um governo forte […]. Ao flor do proletariado eu entendo isso muito carne do governo eterno, este grande ralé populares Sendo quase intocados pela civilização burguesa carrega em seu ventre, suas paixões, seus instintos, suas aspirações, todas as necessidades e misérias da sua posição coletiva, todos os germes de socialismo em um futuro, e que por si só só é poderoso o suficiente hoje para inaugurar e o triunfo da revolução social “(M. Bakunin, Knuto-germânico Império e da revolução social , 1871).

  4. Íd, Estatismo y anarquía , 1873.

  5. Além dos eventos acima mencionados, eles poderiam ser nomeado muitos mais motins e tentativas revolucionárias onde o “lumpen” desempenhou um papel decisivo ou que tomou a iniciativa, mas isso exigiria converter este artigo humilde de toda uma tese de investigação. Muitos dos “protestos de fome” e greves de aluguel nos primeiros anos. XX foram chefiados pelo “lumpen”, especialmente pelos camaradas que exerciam a prostituição. Um caso paradigmático é o da greve dos inquilinos iniciada por prostitutas no início de 1922 em Veracruz (México), e promovida pelo Sindicato Revolucionário de Inquilinos organizado pelo anarquista Heron Proal. Este último homenageava os camaradas numa manifestação: “Vocês foram […] os primeiros a decretar a greve que hoje assumiu proporções gigantescas: vocês são realmente verdadeiras heroínas, por terem colocado a primeira pedra deste gigantesco edifício que agora erguemos; eles são os iniciadores e, portanto, merecem um abraço muito próximo da comunhão. A União dos Inquilinos Vermelhos abre os braços e chama-os carinhosamente de suas amadas irmãs. Sim pessoal, e não rir (porque a palavra irmãs provocou risos na platéia) essas mulheres pobres e negligenciadas são não só os nossos parceiros, mas também nossas irmãs, […] e não há razão para excluí-los da fraternidade, mais, como eles são a exploração da burguesia “(citado em A União dos Inquilinos Vermelhos abre os braços e chama-os carinhosamente de suas amadas irmãs. Sim pessoal, e não rir (porque a palavra irmãs provocou risos na platéia) essas mulheres pobres e negligenciadas são não só os nossos parceiros, mas também nossas irmãs, […] e não há razão para excluí-los da fraternidade, mais, como eles são a exploração da burguesia “(citado em A União dos Inquilinos Vermelhos abre os braços e chama-os carinhosamente de suas amadas irmãs. Sim pessoal, e não rir (porque a palavra irmãs provocou risos na platéia) essas mulheres pobres e negligenciadas são não só os nossos parceiros, mas também nossas irmãs, […] e não há razão para excluí-los da fraternidade, mais, como eles são a exploração da burguesia “(citado emO movimento de inquilino de Veracruz, 1922 , 1976, de OG Mundo).

  6. “As mulheres se atiram nas armas e nas metralhadoras entre nós e o exército; Soldados ficar parado “(L. Michel, a Comuna de Paris . História e Memórias , 1898).

  7. “Quem tem mais razão do que essas mulheres, as vítimas mais infelizes da velha ordem, para dar suas vidas pela nova?” (Michel, citado por JM Merriman em Massacre: Vida e Morte na Comuna de Paris de 1871 , 2017). A Comuna, entretanto, não gostou do sacrifício desses camaradas e, em sua resolução “Sobre a prostituição” (de 30 de março a 18 de junho), como tentativa de aboli-lo, decretou, após um lindo prefácio, a prisão de todas as mulheres “libertas da prostituição” (dixit) circulando no 2º distrito, mas não uma única medida contra cafetões ou proxenetas.

  8. O chefe de polícia Atarazanas inspetor diria sobre “La Bilbaína e” La Castiza “:” Essas duas mulheres são e sempre foram os líderes de todos os distúrbios começaram no Sul […] “(citado por A. Talero em seu artigo “O ‘óleo’ de 1909. Papel das mulheres na Semana Trágica” na História 16 , 1979).

  9. Como uma semelhança do nexo entre anarquistas e “lumpen” durante esse período histórico pode ser consultado Fora da lei (volume I [2016] e II [2017]) da editora La Felguera.

  10. “Os militantes anarco-sindicalistas passaram a noite nos sindicatos, nos centros, nos Ateneues Libertários. As sirenes anunciam que as tropas rebeldes avançam no centro da cidade e que, armadas ou desarmadas, devem ir combatê-las. […] Os deserdados recebidos nos quartéis de Montjuic, aqueles que à noite atiraram no barril de pólvora, vizinhos do Povo Seco vão para a mobilização. […] As esfarrapadas das barracas do Monte Carmelo descem em direção à cidade e juntam-se aos moradores das ruas para se urbanizarem, para as do Poblet […]. Os bons peões para qualquer comércio, aqueles sem trabalho, convergem para o quartel e para a maestranza de San Andrés, cuja conquista lhes dará armas suficientes para dominar toda a cidade. […] [Os trabalhadores das diferentes indústrias ligarão] com os ‘trinxeraires’ [podem ser traduzidos como ‘urchins’] e ciganos do Somorostro. Todos eles ouviram o lamento das sirenes “(Luis Romero,Três dias de julho de 1967).

  11. Independentemente do que você diz que o Código Penal o artigo 187.1 do mesmo sobre o proxenetismo, a Associação Nacional de local Stagger (ANELA) é legal desde 2001, e da Associação Nacional de Empresários Mesalina (ASNEM) desde 2004 (sentença de acordo da 4ª Câmara Social do Supremo Tribunal). Essas e outras associações, ligadas em muitas ocasiões à extrema direita, mantêm uma atividade de exploração sexual legal diante da completa vulnerabilidade das mulheres que hoje ainda estão desarmadas. Aqueles que depois de ler esta tentativa de estabelecer uma diferença vergonhosa entre “alterne” e “prostituição” podem salvar-se do esforço e do ridículo.

  12. Citado por Agustín Guillamón em “Das comissões de defesa à análise revolucionária dos amigos de Durruti. Os Comitês de Defesa da CNT “(em Out of law II, op.cit.).

  13. No anarquismo, era um recurso clássico e muito provocativo para equiparar casamento e prostituição. Anne Mahé argumentou de forma grosseira: “[…] a grande maioria das mulheres são prostitutas, prostitutas honestas que, sem desejo ou prazer, cumprem o ‘dever conjugal’ […]; eles, as prostitutas honestas, que desprezam tanto aqueles que fazem do amor um trabalho “( Defesa da prostituição , 1905). Para Emile Armand: “Atualmente não há diferença essencial entre o casamento burguês e a prostituição. O casamento é uma prostituição de longo prazo, e a prostituição é um casamento de curta duração “( emancipação sexual, amor em camaradagem e movimentos de vanguarda).1934). Emma Goldman fez um argumento semelhante: “É apenas uma questão de gradação [mulheres] é vendido a um homem, casado ou vários” ( “Prostituição” em Hipocrisia do puritanismo and Other Essays , 1910).

  14. O artigo de Mujeres Libres (publicado em sua publicação homônima) intitulado “Ações contra a prostituição” não parou de repetir essa premissa: “Insistimos no que foi dito muitas vezes: as mulheres devem ser economicamente livres. […] Somente a liberdade econômica possibilita as outras liberdades, tanto de indivíduos como de povos. Aqui está isso tão repetido, tão ouvido e que é a base das ações contra a prostituição, porque a mulher que vive em dependência econômica recebe um pagamento, mesmo que seja de um marido legítimo “(na compilação de M. Nash: Free Women Espanha 1936-1939 , 1974).

  15. Novamente através de sua revista, Mujeres Libres compartilha o texto “Liberais da prostituição”, onde eles comentam carregado de ironia: “Em vários lugares que visitamos recentemente, fomos informados, em grande medida, que eles haviam abolido a prostituição . Quando perguntamos como e o que havia sido feito com as mulheres que praticaram, nos disseram: Ah, são eles! Deste modo, suprimir a prostituição é muito simples: reduz-se a deixar algumas mulheres na rua, sem nenhum meio de vida “(ibid.).

  16. Goldman, op.cit. Novamente de Mujeres Libres eles iriam emitir um julgamento similar através desta “falsa entrevista”:

    “-O que você acha da prostituição?

    – Que não só mulheres e sexos se prostituem.

    – Você acha que é necessário?

    Acho que é uma afronta ao homem e à mulher. E para a civilização.

    -Como suprimir isso?

    – Reprimindo leis e costumes moralizadores. Reedificando-nos sexualmente “(Nash, op.cit.).

  17. Os preconceitos burgueses em relação ao “lumpen”, também transversal à esquerda, raramente foram melhor descritos do que neste fragmento essencial de Stirner: “A burguesia se reconhece em sua moralidade, intimamente ligada à sua essência. O que ela exige, em primeiro lugar, é que você tenha uma ocupação séria, uma profissão honrada, uma conduta moral. indústria Knight, a prostituta, o ladrão, ladrão e assassino, o jogador, o boêmio, os indivíduos são experiência imoral e burguesa para aquelas pessoas sem moral a repulsão mais vívida. O que todos eles não têm é esse tipo de direito de domicílio na vida que dá um negócio sólido: meios seguros de existência, renda estável, etc .; como sua vida não repousa sobre uma base segura, pertencem ao clã de indivíduos perigosos, o proletariado perigoso são os indivíduos que não oferecem nenhuma garantia e não têm nada a perder, nada arriscar. Família ou casamento, por exemplo, atam o homem, e este vínculo fornece-lhe um lugar na sociedade, ele serve como fiador; Mas quem é responsável pela prostituta? […] Todos aqueles que os burgueses consideram suspeitos, hostis e perigosos podem ser reunidos sob o nome de vagabundos. […] Esses andarilhos extravagantes entrar na classe de pessoas inquietas, instáveis ​​e inquietas, como são os proletários, e quando eles criam suspeitas de falta de domicílio moral, são chamados de tecelões de rede, exaltados e exaltado. Tal é o sentido amplo do chamado proletariado e pauperismo. Quanto é o tolo que acreditava que a burguesia capaz de desejar o desaparecimento da pobreza (miséria) e dedicar para esse fim todos os seus esforços! Nada, pelo contrário, conforta o bom burguês como convicção, incomparavelmente consoladora, que um sábio decreto da Providência de uma vez por todas partilhou riquezas e felicidade. A miséria que se acumula nas ruas em torno dele, não perturbar o verdadeiro cidadão ao ponto de pedir para fazer mais para congraçar-se com ela, jogando esmolas ou prestação de trabalho e ninharia trabalhoso para um bom rapaz. Mas ele se sente profundamente o constrangimento de seus prazeres pacíficos pelos murmúrios de descontentamento e miséria de mudanças ansiosos para aqueles pobres que não sofrem em silêncio e Penan, mas começam a balançar e desatinar. Tranque o vagabundo! Jogue o encrenqueiro nas masmorras mais escuras! Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida! Atordoar! Apedreadlo! “( A miséria que se acumula nas ruas em torno dele, não perturbar o verdadeiro cidadão ao ponto de pedir para fazer mais para congraçar-se com ela, jogando esmolas ou prestação de trabalho e ninharia trabalhoso para um bom rapaz. Mas ele se sente profundamente o constrangimento de seus prazeres pacíficos pelos murmúrios de descontentamento e miséria de mudanças ansiosos para aqueles pobres que não sofrem em silêncio e Penan, mas começam a balançar e desatinar.Tranque o vagabundo! Jogue o encrenqueiro nas masmorras mais escuras! Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida! Atordoar! Apedreadlo! “( A miséria que se acumula nas ruas em torno dele, não perturbar o verdadeiro cidadão ao ponto de pedir para fazer mais para congraçar-se com ela, jogando esmolas ou prestação de trabalho e ninharia trabalhoso para um bom rapaz. Mas ele se sente profundamente o constrangimento de seus prazeres pacíficos pelos murmúrios de descontentamento e miséria de mudanças ansiosos para aqueles pobres que não sofrem em silêncio e Penan, mas começam a balançar e desatinar. Tranque o vagabundo! Jogue o encrenqueiro nas masmorras mais escuras! Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida!Atordoar! Apedreadlo! “( dando-lhe esmolas ou fornecendo o trabalho e a ninharia a algum bom e laborioso rapaz.Mas ele se sente profundamente o constrangimento de seus prazeres pacíficos pelos murmúrios de descontentamento e miséria de mudanças ansiosos para aqueles pobres que não sofrem em silêncio e Penan, mas começam a balançar e desatinar. Tranque o vagabundo! Jogue o encrenqueiro nas masmorras mais escuras! Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida! Atordoar! Apedreadlo! “( dando-lhe esmolas ou fornecendo o trabalho e a ninharia a algum bom e laborioso rapaz. Mas ele se sente profundamente o constrangimento de seus prazeres pacíficos pelos murmúrios de descontentamento e miséria de mudanças ansiosos para aqueles pobres que não sofrem em silêncio e Penan, mas começam a balançar e desatinar. Tranque o vagabundo!Jogue o encrenqueiro nas masmorras mais escuras! Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida! Atordoar! Apedreadlo! “( Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida! Atordoar!Apedreadlo! “( Ele quer agitar o descontentamento e derrubar a ordem estabelecida! Atordoar! Apedreadlo! “(O Um e sua propriedade , 1844).

 

*Dívida Pública Recorde dos EUA

Imagem: Money

Do: Pátria Latina

A dívida pública dos EUA ultrapassou a marca sem precedentes de 21,5 trilhões de dólares (R$ 84,5 trilhões). Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o economista Aleksandr Abramov explicou as razões possíveis e a reação eventual dos investidores.

 

A dívida pública dos EUA bateu o recorde, superando 21,5 trilhões de dólares (R$ 84,5 trilhões), comunicou a edição Washington Examiner. Durante o ano financeiro de 2018, que terminou a 30 de setembro, ela aumentou em 1,2 trilhões de dólares (R$ 4,7 trilhões).

A edição sublinhou também que até 2020 o déficit orçamental dos EUA ultrapassará o trilhão de dólares, enquanto a dívida pública permanecerá com tendência de crescimento bem rápido, porque as despesas governamentais não são controladas de forma nenhuma.

Especialistas criticam falta de profundidade dos presidenciáveis em relação a propostas para reequilibrar as contas públicas

Imagem: MARCOS SANTOS/USP

Em agosto, o Congresso norte-americano comunicou que os empréstimos do governo, nos primeiros 11 meses do ano financeiro, foram de 895 bilhões de dólares, o que é 222 bilhões mais que no ano anterior.O especialista do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas russo, Aleksandr Abramov, explicou ao serviço russo da Rádio Sputnik, o que podia ter causado o aumento da dívida pública dos EUA até esse nível extraordinário.

“Temos que notar desde já que enquanto os EUA forem capazes de cumprir seu serviço de dívida, ou seja, de pagar sem tardança, é pouco provável que algum dos investidores possa reclamar quanto ao nível alto da dívida”, opina o economista.

Nota de 1 dólar norte-americano

© SPUTNIK / ALEXEY SUHORUKOV

Entretanto, ele afirma que esse se tornou um problema grande e o recorde de hoje foi provocado, provavelmente, por tais problemas como a reforma fiscal e outras indulgências que cortaram parte das receitas do orçamento.Para Aleksandr Abramov é evidente que, ao calcular a reforma fiscal, os EUA esperavam o surgimento de novos rendimentos daqui a algum tempo. Mas isso ainda não aconteceu. Por isso o crescimento da dívida pública dos EUA “se torna um problema mais alarmante e o mundo hoje, provavelmente, estará esperando dos EUA explicações mais ou menos claras do que acontecerá depois”, concluiu o economista.

radio o proletário

Comuna Libertária - Palavra Libertária

ACÇÃO POPULAR LIBERTÁRIA

ACÇÃO POPULAR LIBERTÁRIA

Paulinemcg's Blog

A great WordPress.com site

ALMA

Aliança Libertária Meio Ambiente - Coletivo Alma

Mutualismo

Autogestão & Contra-Economia

A IDEIA

Revista de Cultura Libertária

Liga-rj

Liga Anarquista no Rio de Janeiro / Associada a IFA

Portal Anarquista

pelo apoio mútuo e pela autogestão

Aconteceu Virou manchete

Notícias do Brasil e do mundo

Desacato

A Outra Informação

Auca en Cayo Hueso

Just another WordPress.com site

JF Clipping

Juiz de Fora e muito mais na palma da sua mão

La Prensa

Últimas Noticias en Español de Florida, USA, y El Mundo

Blog da Boitempo

Aqui você pode encontrar informações dos livros e eventos realizados pela editora Boitempo. E, principalmente, pode interagir e ajudar na construção da editora que ousou ter uma cara e conquistou seu espaço produzindo livros de qualidade

%d blogueiros gostam disto: