*A Pilhagem da Água da América do Sul

Coca-Cola, Nestlé, perto da propriedade do segundo maior aqüífero do mundo.  E QUIÇÁ DO PRIMEIRO.

Um projeto sincronizado está em andamento na América do Sul, que pode ver uma das maiores reservas de água doce do mundo, em breve, cair nas mãos de corporações transnacionais como Coca-Cola e Nestlé.

Segundo relatos, as negociações para privatizar o Aquífero Guarani – uma vasta reserva subterrânea de água, situada sob a Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai – já alcançaram um estágio avançado. O acordo concederia um consórcio de conglomerados com base nos EUA e Europa com direitos exclusivos sobre o aquífero que duraria mais de 100 anos.

Nomeado após os indígenas Guarani, o Aquífero Guarani é a segunda maior reserva de água subterrânea do mundo e é estimado capaz de fornecer de forma sustentável a população mundial com água potável por até 200 anos. 

Grupos ambientais, movimentos sociais e defensores da terra alertam que a exploração da reserva de água doce poderia ver o reservatório de 460,000 milhas quadradas (1,2 milhões de km2) sacrificado pelos lucros a curto prazo do capital.

Para os gigantes globais como a Coca-Cola e Swiss Nestle, com sede nos EUA, a extração e venda de água potável – um recurso finito e uma necessidade básica para todos os seres vivos – é especialmente lucrativa. 

A água destinada ao uso público é enriquecida com vários minerais ou combinada com edulcorantes baratos e outros ingredientes antes de ser engarrafada e vendida com um  enorme lucro.

Pilhagem da água da América do Sul

Quedas de Iguazu em cascata perto de Foz do Iguaçu, Brasil, 14 de março de 2015. As quedas de Iguazu, na fronteira da Argentina e do Brasil, fazem parte do Aqüífero Guarani, uma das principais reservas subterrâneas do mundo de água doce.  (AP / Jorge Saenz)

No Brasil, o lobby intenso está em andamento desde, pelo menos, 2016 e estima-se que atinja o aquífero Guarani e outros, como o de  Alter do Chão no estado do Para. Esses esforços caíram sob o destaque no mês passado no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, onde  foram relatadas conversas privadas entre o presidente do Brasil, Michel Temer, e uma série de altos executivos com interesses nos aquíferos, incluindo o CEO da Nestlé, Paul Bulcke, Anheuser-Busch O CEO da InBev, Carlos Brito, o CEO da Coca-Cola, James Quincey, e o CEO da Dow Chemical, Andrew Liveris.

alter do chão no para

Os dois aquíferos são as maiores riquezas do planeta: Alter do Chão no estado do Para


Como o principal ativista brasileiro de direitos de água Franklin Frederick  observou no Brasil de Fato , essas empresas pertencem ao 2030 Water Resources Group (2030WRG), um consórcio transnacional que inclui AB Inbev, Coca-Cola, Dow, Nestlé e PepsiCo. 2030WRG conta-se como “uma colaboração única público-privada-sociedade civil” e esconde sua intenção de privatizar os recursos hídricos das nações em desenvolvimento, alegando “facilitar processos de diálogo abertos e baseados em confiança para impulsionar a reforma dos recursos hídricos em países estressados ​​pela água nas economias em desenvolvimento “e” reduzir o fosso entre a demanda e a oferta de água até o ano de 2030 “.

O golpe de Temer e o “novo Brasil”

Um índio guarani mantém uma bandeira que lê em português "Agora!", Durante um protesto contra o plano do presidente Michel Temer para restringir os títulos de terra às comunidades indígenas, em Brasília, Brasil, 30 de agosto de 2017. (AP / Eraldo Peres)

O presidente não eleito do Brasil, Temer, não é estranho aos poderes de poder radicais: o chefe de Estado profundamente impopular chegou ao poder em agosto de 2016 por um golpe legislativo que depôs sua antecessora, Dilma Rousseff. Desde então, seu governo implementou uma ampla reestruturação da maior economia da América Latina e reverte as políticas progressistas estabelecidas pelo governo anterior do Partido dos Trabalhadores, como proteções ambientais, programas de redução da pobreza, proteções trabalhistas e barreiras à privatização de recursos naturais .

De acordo com o Correio do Brasil , as negociações entre figuras golpistas e conglomerados transnacionais sobre a privatização do Aquífero Guarani começaram antes que o julgamento (golpe vendido como impeachment) da ex-presidenta eleita Rousseff tivesse começado. Em um  artigo de agosto de 2016 intitulado “Multinacionais querem privatizar o uso da água e Temer negocia”, um alto funcionário da Agência Nacional de Águas do Brasil observou que uma audiência pública sobre a privatização da água foi adiada no mesmo dia em que o processo de impeachment começou, porque as negociações Entre Temer, Coca-Cola e Nestlé já estavam “avançando” em um ritmo acelerado.

O jornal notou:

Os representantes de [Nestlé e Coca-Cola] realizaram reuniões com as autoridades governamentais para formular procedimentos de exploração por empresas privadas de fontes de água, especialmente no Aquífero Guarani, em contratos de concessão por mais de 100 anos – acrescentou o alto funcionário.

No fórum de Davos, Temer anunciou o histórico de 20 meses de seu governo de transformar o Brasil em um país facilmente explorável, rico em oportunidades para as elites capitalistas transnacionais:

O novo Brasil que está de volta aos negócios … é um país mais próspero e mais aberto – um país com mais oportunidades de investimento, mais oportunidades para comércio e negócios … Neste curto período de tempo, conseguimos mudar radicalmente o rosto do Brasil “.

A riqueza de água do Brasil tem sido uma fonte de lucro para as indústrias de exportação do país, que lidam com commodities como carne bovina, biocombustíveis, arroz e petróleo e gás extraídos através de fraturamento hidráulico. No entanto, a desregulamentação do controle público sobre o uso da terra e o gerenciamento de recursos resultou na pilhagem imprudente de recursos hídricos, poluição grave e pechinchas de terra que afetam as nações indígenas e os rurais pobres da região.

Enquanto um terço do Aquífero Guarani está além das fronteiras do Brasil, os governos de direita da vizinha Argentina e Paraguai também concordaram em conceder concessões de 100 anos às empresas que desejam explorar o aquífero, com apenas o governo do centro do Uruguai se recusando para aprovar a aprovação.

 

Militarização e roubo imperialista dos recursos da América Latina

Os manifestantes indígenas de vários grupos étnicos carregam caixões que representam os índios mortos na demarcação da terra, enquanto exigem a demarcação de terras indígenas, fora do Congresso Nacional em Brasília, Brasil.  Em maio, o Congresso aprovou duas medidas que convertem cerca de 1,4 milhão de acres de terras protegidas, a grande maioria da Amazônia, em áreas abertas para exploração madeireira, mineração e uso agrícola.  (AP / Eraldo Peres)

O empurrão para privatizar o Aquífero Guarani vem em meio a uma militarização crescente da região pelo Pentágono.

Em maio de 2016, o governo neoliberal do presidente argentino, Mauricio Macri, concordou em conceder permissão aos militares dos EUA para construir uma base na região da selva, conhecida como a Triple Border (tríplice fronteira, Argentina/Brasil/Paraguai), que fica diretamente sobre o Aquífero Guarani nas fronteiras da Argentina, Brasil e Paraguai. Funcionários dos EUA e figuras da mídia reivindicaram há muito tempo que a área é um viveiro de supostas atividades criminosas, como o narcotráfico e a contra facção, destinados a levantar fundos para o movimento de resistência libanesa Hezbollah.

Já em 2004, críticos como Elsa Bruzzone, do grupo de veteranos progressistas da Argentina, CEMIDA, acusaram os EUA de alegar uma “presença terrorista” na região “para que eles possam instalar uma base militar e exercer controle sobre a água”.

Relativamente a uma percepção comum, o observador Vincent Lofaso do Conselho sobre Assuntos Hemisféricos também  observa que o interesse de Washington na Triple Fronteira pode ter mais a ver com as abundantes reservas de água do aquífero do que com o chamado “terrorismo internacional” e diz que os novos EUA A base privará as comunidades indígenas locais de acesso a fontes de água limpas, pesca e liberdade para navegar em sua região.

Sob Temer, os estabelecimentos de defesa dos Estados Unidos e do Brasil formaram uma relação cada vez mais próxima, lembrando laços estreitos entre Washington e São Paulo durante a ditadura militar de 21 anos  que governou o país após o golpe de direita de 1964. Em novembro passado, o pessoal militar dos EUA participou de exercícios militares na Amazônia brasileira envolvendo 2.000 soldados do Brasil, Colômbia e Peru – todos os países que têm governos de direita que avançaram políticas corporativas de linha dura.

À medida que a chamada “maré rosa” dos governos eleitos progressivos na América Latina recua e os EUA  reafirmam uma Doutrina Monroe reivindicando soberania sobre as Américas, o mundo enfrenta um perigo cada vez maior de que nosso ambiente compartilhado inestimável cairá como fruta madura no mãos de corporações transnacionais obcecadas com ganhos de curto prazo em vez de proteger as necessidades básicas da humanidade para as gerações presentes e futuras.

Top Photo | Os turistas visitam as Cataratas do Iguaçu no Brasil. As quedas fazem parte do maior reservatório de água doce do mundo, conhecido como o Aquífero Guarani. Eles estão no meio da selva espessa que tem mais de 1.000 plantas e centenas de espécies animais., 15 de março de 2015. (AP / Jorge Saenz)

Elliott Gabriel é ex-escritor da equipe para teleSUR English e um colaborador da MintPress News, com sede em Quito, Equador. Ele tomou uma parte extensa em advocacia e organização nos movimentos pró-trabalhistas, de justiça migrante e de responsabilidade policial do sul da Califórnia e da Costa Central do estado.

____________________________________________________________________

Corporações de olho na riqueza brasileira: O esbulho é com a água (Por Pedro Augusto Pinho)

Não é difícil, com o açodamento e a ignorância que são os apanágios governamentais mais frequentes, vermos a água privatizada, no bloco do saneamento básicoUm país colonizado está sempre sendo assaltado. Levaram o pau-brasil, o ouro das minas gerais, a produção agrícola, o ferro, o petróleo e chegou a vez da água.Há trinta anos, analisando empresas estrangeiras, por segmento de negócios, observei uma que estava relacionada num conjunto de interesse da “banca”, designação que dou às 40 famílias que dominam o sistema financeiro internacional. Tinha o nome de seu fundador, no estado de Washington, Estados Unidos da América (EUA), em 1900: Weyerhaeuser.Era uma madeireira que havia se expandido para áreas correlatas e, depois, para muitas outras. Possuía florestas nos EUA e no Canadá; hoje as tem na América do Sul, na Austrália e é considerada uma das maiores proprietárias, pela extensão territorial, do mundo.Não foi apenas em seu negócio original que ela se desenvolveu. Para que se tenha uma ideia, seu conselho de administração tem, atualmente, representantes de petroleiras (Chevron), pesquisa e fabricação de componentes eletrônicos, finanças (maioria) e “ecologistas”. Sua mais recente investida está no setor de águas.A Nestlé, proprietária das águas minerais de São Lourenço, em Minas Gerais, entre muitas outras reservas aquíferas, é a maior produtora de águas atualmente. Mas a Coca-Cola, a Danone, a PepsiCo são outras multinacionais que também atuam fortemente neste mercado. Os sintomas são avassaladores. A pessoa perde completamente a noção das coisas, agride verbalmente outras pessoas e chega mesmo a chamar seus próprios familiares que não concordam com ele, de “petralha”, “comunista”, “defensor de corruptos” e outros adjetivos piores. Há casos mais extremos que partem para a agressão física mesmo. Em outros casos quando muito expostos ao público, assumem delírios como o da Por exemplo a “professora” Janaína, que passou a se imaginar numa hipotética “republica da cobra” e passa a incitar as pessoas a sua volta a “acabar com a república da cobra”.  Eu até brinco, mas a coisa está grave. O que esta nas ruas e em muitas mentes no Brasil, é o fascismo. Ele foi inoculado pela grande mídia brasileira, que durante os últimos anos só publicou notícias negativas e deixando as pessoas doentes mentalmente. Foi assim que aconteceu na Itália de Mussollini e na Alemanha de Hitler: as pessoas entram em transe e só se acordam depois que a tragédia se instala. Aqui a tragédia já começou. Três lideranças de agricultores assassinadas em diferentes lugares do Brasil no dia 8 de abril. Ou as pessoas saem deste transe ou o Brasil sucumbirá e todos nós choraremos. A corrupção não tem como ser derrotada por um congresso de corruptos que vota contra uma Presidenta honesta, para que ela, honesta, seja derrubada pela corrupção dos demais. É isto que esta em andamento neste momento.  Depois, o que prenunciam as manchetes de Jornais, TVs e Rádios, teremos a liquidação dos programas sociais, a supressão de direitos dos trabalhadores e a volta da miséria extrema. Que se veja o caso da Argentina, onde a Pobreza aumentou 20% em apenas 4 meses de governo Macri. ”

Continuar lendo: Corporações de olho na riqueza brasileira: O esbulho é com a água

_____________________________________________________________________

oligarquia internacional da água controlar nordeste sertão
No Nordeste, os reservatórios rurais voltam a se encher. Mas a oligarquia internacional da água vai reunir-se em semanas em Brasília, para tentar ampliar seu controle sobre um dos Comuns essenciais da humanidade

Roberto Malvezzi (Gogó), Outras Palavras

Depois de longos anos com chuvas abaixo da média, agora chove por todo sertão do Semiárido Brasileiro. Como cantava Gonzaga: “rios correndo, as cachoeiras tão zoando, terra molhada, mato verde que riqueza e a asa branca à tarde canta, ai que beleza, ai, ai o povo alegre, mais alegre a natureza”.

Os grandes reservatórios ainda estão secos ou muito baixos, mas os reservatórios médios, pequenos e micros, como as cisternas, já estão todos cheios. São eles que importam realmente no cotidiano de nosso povo. As grandes obras têm pouca serventia à população difusa do semiárido. Por isso, o problema da água hoje é mais grave no meio urbano que no meio rural nordestino.

O ciclo das águas é fundamental para todos os mananciais de superfície e subterrâneos. São as chuvas que repõem os rios, lagos e aquíferos. Sem renovação constante do ciclo a vida se interrompe.

É esse alerta dramático que pessoas sábias, cientistas e movimentos sociais fazem ao mundo predador do capitalismo, particularmente ao agro e hidronegócios. Sem Amazônia e sem Cerrado o ciclo de nossas águas estará interrompido, com a extinção dos grandes aquíferos que se localizam no Cerrado e abastecem perenemente rios como o São Francisco, Araguaia e Tocantins.

A Oligarquia Internacional da Água, rótulo que lhe atribui Ricardo Petrella, vai se reunir em Brasília no mês de março. São as grandes transnacionais da água, que querem sua privatização geral, sua mercantilização e sua transformação em um produto comercial qualquer. Essas empresas elaboraram o novo discurso da água, com sua teoria de escassez, valor econômico, privatização e mercantilização como soluções para os problemas hídricos do mundo inteiro.

Ao mesmo tempo se reunirá o Fórum Mundial Alternativo da Água (FAMA) para contrapor ao discurso do capital os valores da água como o biológico, social, ambiental, paisagísticos, etc., recusando a sua privatização e garantindo a água como direito fundamental de toda pessoa humana e de todos os seres vivos.

Essa é uma das guerras mais insanas da humanidade. Num país caoticamente político como o nosso, Temer está realizando a entrega de nossos aquíferos, particularmente o Guarani, para grandes empresas como a Coca-Cola, Nestlé e outras transnacionais da água. Uma tragédia cruel e anunciada.

aquifero-guarani-2

____________________________________________________________________

Continuar lendo: Oligarquia internacional da água tenta controlar o Nordeste brasileiro

LER NA ÍNTEGRA: Coca-Cola, Nestlé, perto da propriedade do segundo maior aqüífero do mundo

Leia também: Escassez da água é um problema para a humanidade

Leia também: Seca e sobreutilização de água na Europa

Leia também: Quem mais vai sofrer com a crise da água?

Leia também: Países com escassez de água

Leia também: Falta de água na Europa

Leia também: 2,7 bilhões podem ficar sem água em 2025, diz ONU

LEIA TAMBÉM: Maior aquífero do mundo está localizado na Amazônia

LEIA TAMBÉM: EUA Pensa, Como Irão Levar a Água da América Latina

Leia também: “Canadá: Nestlé tenta controlar o poço local da água da primavera

LEIA TAMBÉM: En Estados Unidos ya piensan cómo se van a llevar el agua de esta región

Leia também: Pilhagem da água em Michigan (EUA)

Leia também: Negociações avançam para privatizar o Aquífero de Guarani

Leia também: GANHA MUITO E PAGA POUCO

*HAITI: Entenda a Crise Humanitária Inserida na Linha da História.

Concatenado por villorBlue

Quando os haitianos se rebelaram, Napoleão Bonaparte, testa de ferro da revolução burguesa na França, mandou cortar as mãos de todos os ‘homens’ jovens para que não pegassem em armas. Mutilados, ficaram sem poder trabalhar sobrevivendo em condições minimas.

HAITI

Boa parte dos escravos libertos dos EUA foram enviados ao Haiti no século 19.
Saturou a já penalizada e sofrida economia, carregando pesadamente a crise e a decadência social.
Depois vieram Duvalier (Papa Doc e Baby Doc seu filho, dois tiranos sanguinários) e seus “tontons macoutes” que acabaram com a economia e a unidade da nação.
Para podermos ajudar o Haiti, precisamos entender sua história primeiro, não é um estado policialesco, o envio de tropas de seguranças que elevarão novamente o país em (ao) nível de uma nação humana.
Obs.: Corre-se o risco de transformar o Rio de Janeiro em um novo Haiti, segregacionismo pela criminalização de seu povo. Não estamos querendo dizer que assim será, alertamos apenas que um erro hoje, poderá se transformar em algo incontrolável e de incalculáveis proporções um dia. A humanidade não é algo que se brinca a bel prazer. 

DYCzivNXUAMtIsU

Trinta observações sobre a história:
1. O Haiti era uma das colônias mais ricas do mundo. Em 1789 como colônia francesa, o Haiti produziu 75% do açúcar mundial e foi o principal produtor de algodão. (alimentação e indústria do vestiário) – Sobre o desmatamento e o ensejo de transformar tudo em pasto ou soja, não existe uma similaridade com o Brasil de 2016 para hoje ?
2. A ilha era a fonte de cerca de 1/5 de riqueza Francesa. A França transformou o Haiti numa colônia de escravos e iniciou o desmatamento maciço. (com o intuito de produzir mais e com menos custo, [igual ao que querem fazer com o Brasil atualmente], desmatar e produzir no sistema escravagista).
3. Quando os franceses foram expulsos em 1804, foi um choque assustador para o mundo dito civilizado. O Haiti tornou-se o primeiro país livre, negro e antigo escravizado. (um péssimo exemplo para o mundo eurocêntrico, não acham ?)
4. O Haiti foi imediatamente punido por esta libertação: a França impôs uma indenização extrema ao Haiti para entrar na economia internacional.
5. Haiti continuou pagando até depois da segunda guerra mundial. Os Estados Unidos haviam imposto ainda uma sentença mais dura, eles se recusaram a reconhecer o Haiti como nação livre e soberana até 1862.
6. Curiosamente, 1862 foi o mesmo ano em que os EUA reconheceram a Libéria, e pela mesma razão: foi o ano da proclamação da emancipação.
7. (Concomitantemente, nos EUASem saber o que fazer com uma população maciça de pessoas negras libertadas, a ideia mais popular (talvez a solução final mais suave para a população branca) era enviá-los para o Haiti e Libéria.
8. Esse plano foi retirado depois que ao sul foi dado autoridade para instituir um sistema que era, em muitos aspectos, “pior do que a escravidão”: a locação de condenados.
9. O primeiro boom da prisão dos EUA resultou da locação de condenados, onde milhões de homens negros foram presos e jogados em minas e campos de algodão.
10. Na década de 1870, os EUA assumiram a partir da saída da França, a tortura e a repressão à população do Haiti. No final do século XIX, houve dezenas de intervenções militares.
11. O pior (liderado por Woodrow Wilson – ironicamente Laureado Nobel) aconteceu em 1915, quando os militares dos EUA brutalmente atacaram o Haiti e a República Dominicana.
12. Foi ruim na República Dominicana, porém pior no Haiti (na República Dominicana a maioria não era negra)” Wilson reinstituiu a escravidão no Haiti (escravidão na época renomeada – a corvée) e matou 15 mil pessoas.
13. Os fuzileiros navais dos EUA fecharam e expulsaram o Parlamento haitiano em Gun-Point porque eles não aceitariam a versão americana de uma nova Constituição haitiana.
14. A Constituição dos EUA, escrita por FDR ( Franklin Delano Roosevelt ), incluía disposições para as corporações americanas para comprar a terra haitiana, este golpe foi chamado de -“legislação progressiva”.
15. Pela visão propaganda/imperialista estadunidense, a única maneira de desenvolver o Haiti era permitir que as corporações americanas a comprassem (totalmente seu território – Este discurso não é o mesmo usado para a venda e privatização da Amazônia ?); como os haitianos não conseguiam entender e aceitar, o Parlamento tinha de ser dissolvido.
16. O povo haitiano (*aqui o secretário estadunidense usa uma palavra racista que nos recusamos reproduzir por sermos *antirracista*) fala francês”, como William Jennings Bryan (secretário de estado 1860/1925) se refere aos haitianos, eles não querem a constituição formatada pelos EUA.
17. Os fuzileiros navais (militares que dominavam o país na época) então “fizeram realizar” um referendo: Apenas 5% da população votou, e a Constituição dos EUA ganhou com 99,99% dos votos dos 5%.
18. A maioria da população que se opunha foi expulsa, e os EUA deixaram ambos os países – Haiti/Republica Dominicana – nas mãos de militares brutais, treinados pelos Fuzileiros Navais dos EUA.
19. Na década de 1980, as atrocidades aumentaram novamente: o Banco Mundial/USAID foram criados e determinaram fazer do Haiti a “Taiwan do Caribe”.
20. A proposta incluía políticas que eram exatamente * opostas * das perseguidas por Taiwan.
21. O Haiti sob ameaça de força, seguiu o Conselho do Banco Mundial, que foi a de conduzir a população do campo para as cidades (um êxodo enlouquecido objetivando a desocupação do campo para a ocupação dos novos proprietários).
22. O plano do Banco Mundial exigia que eles cortassem gastos com educação, programas sociais e infraestrutura, porque a economia ultra-neoliberal explica que isso é gasto, é um desperdício.
23. Segundo os EUA: Houve “desenvolvimentos políticos” e a criação da terrível gestapo haitiana (totons macoutes): Numa “eleição” em 1986. Baby Doc, o 2º da Duvalier, foi eleito depois de ganhar 99,98% dos votos.
24. Ronald Reagan elogiou o “progresso democrático” no Haiti, e subsequentemente aumentou a ajuda à junta militar.
25. Ninguém estava prestando atenção, mas por trás de todo o terror e monstruosidades, os haitianos estavam engajados em ativismo popular notável (que nação de guerreiros).
26. Pela visão imperialista, em 1990 os haitianos cometeram um crime grave, que exigia uma punição séria: houve uma eleição livre, e “os haitianos votaram pelo caminho errado”, elegeram o padre Jean-Bertrand Aristide, militante de direitos humanos, após um ano ele foi derrubado por um golpe militar sangrento, no dia 29 de setembro de 1991, mas voltou ao poder em 1994
27. Surpreendentemente, Jean-Bertrand Aristide, um sacerdote populista (de popular) e um forte defensor da teologia da libertação, venceu a eleição com 2/3 da votação.
28. Os Estados Unidos imediatamente deslocaram toda a ajuda militar para a oposição liderada pelo mercado para estabelecer a base para derrubar o governo.
29. A gestão Aristide, num sentido foi bem-sucedida – entendera que o Haiti não poderia se tornar livre e democrático sem se libertar das garras da “águia do norte”.
30. O golpe militar ocorreu 7 meses após a eleição de Aristide. Em resposta, a organização dos estados (OEA) americanos impôs um embargo ao famélico pais.

 

Paus e pedras contra baionetas e canhões
Paus e pedras contra baionetas e canhões
Links para consultas: 

http://www.megatimes.com.br/2011/11/haiti-aspectos-geograficos-e-sociais.html

https://twitter.com/ZachJCarter

Leia também: HAITI – 100 anos de ocupação perpétua: o legado de Woodrow Wilson
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/historia/26047/hoje+na+historia+1990+-+padre+jean-bertrand+aristide+e+eleito+presidente+da+republica+do+haiti.shtml

https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_Haitiana

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/escravidao-americas/

https://www.cartacapital.com.br/internacional/haiti-historia-de-um-genocidio-e-de-um-ecocidio

https://www.diarioliberdade.org/america-latina/direitos-nacionais-e-imperialismo/57074-100-anos-da-recoloniza%C3%A7%C3%A3o-do-haiti-pelas-tropas-dos-estados-unidos.html

http://www.fetecpr.org.br/o-haiti-e-a-diaspora-dos-negros-da-africa-as-americas/

http://www.esquerdadiario.com.br/Haiti-A-Historia-por-tras-da-invasao
Leia também: Harvard tem como escudo o brasão da família de Isaac Royall, um proprietário de plantações e escravagista sanguinário.