*O Mundo Pronto Para o Colapso dos EUA Como Império

Sobre o autor: Orlov é um dos nossos ensaístas preferidos na Rússia, sobre vários assuntos. Ele se mudou para os EUA quando criança e mora na região de Boston.

Ele é um dos pensadores tão conhecidos que o  The New Yorker apelidou-o de ‘The Dystopians’ em  um excelente perfil de 2009 , junto com James Howard Kunstler, outro  colaborador regular do RI (arquivo). Esses teóricos acreditam que a sociedade moderna está se preparando para uma desintegração violenta e dolorosa.

Ele é mais conhecido por seu  livro de 2011, comparando o colapso soviético e americano  (ele acha que a América será pior). Ele é um autor prolífico em uma ampla gama de assuntos, e você pode ver o trabalho dele pesquisando na Amazon.

Ele tem muitos seguidores na Web  e no Patreon, e nós o incentivamos a apoiá-lo no site , como faz o  Russia Insider  .

Seu projeto atual está centrado na  produção de barcos a preços acessíveis  para se morar. Ele mesmo vive em um barco.

Se você ainda não descobriu o trabalho dele, dê uma olhada no  arquivo de artigos dele no RI . Estes arquivos são um verdadeiro tesouro, repleto de informações valiosas sobre os EUA e a Rússia e como eles estão relacionados.

____________________________________________

Algumas ironias são preciosas demais para serem transmitidas. As eleições presidenciais de 2016 nos deram Donald Trump, uma estrela de reality show cujo famoso slogan de seu programa “O Aprendiz” era “Você está demitido!”

Concentre-se neste slogan; é tudo o que é importante para esta história. Alguns pacientes com TDT, “Transtorno da Desordem Trump” podem discordar. Isto é porque eles estão trabalhando sob certas interpretações errôneas: que os EUA são uma democracia; ou que importa quem é o presidente. Ele “Não é e não faz”. A essa altura, a escolha do presidente é tão importante quanto a escolha do regente da banda que toca a bordo de um navio enquanto ele desaparece sob as ondas.

Eu fiz esses pontos continuamente  desde que Trump assumiu o cargo. Se você acha que Trump foi eleito ou não (a controvérsias sobre o sistema eleitoral estadunidense – parenteses nosso-), ele conseguiu de alguma forma, e há razões para acreditar que isso tem algo a ver com o sua maravilhosamente refrescante tag “Você está demitido!” (por que o nazifascista vive falando sobre corrupção e odeia funcionários públicos ?). 

É razoável supor que o que motivou as pessoas a votarem nele foi o desejo ardente de que alguém aparecesse e demitisse todos os infiéis que infestam Washington, DC e áreas vizinhas. Infelizmente, isso ele não podia fazer. Líderes figurantes nunca recebem a autoridade para desmantelar os estabelecimentos políticos que os instalam. Mas isso não quer dizer que não possa ser feito.
O que aconteceu foi que o establishment político, passou dois anos debatendo em busca de uma formula para que se concretizasse a tag “Você está demitido! ” Para Trump, ele foi incapaz de encontrar um para demitir e assim Trump permanece no cargo, embora seria uma ironia dizer que ele “permanece”. no poder ”.

O sistema não consegue depurar Trump

Trump é apenas um prisioneiro na Casa Branca, assim como seu antecessor era. Ironicamente, a busca pelo impeachment de Trump foi infrutífera ao ponto de demiti-lo, mas mais frutífera em termos de aumentar sua capacidade de não apenas despedir muitas figuras do establishment, mas talvez enviá-las para a prisão – com a ajuda do Departamento de Justiça – e seus traços de caráter de extremo rancor, maldade e vingança devem ser mais propícios para esse fim, criando um espetáculo divertido (Talvez seja este a grande veia artística do alaranjado gestor, “o bufo” – parenteses nosso). Seus numerosos inimigos e detratores ainda podem relembrar melancolicamente os dias tranquilos em que poderiam detê-lo impunemente.

A busca para parar Trump começou bem antes da eleição, com Obama e os Clintons colaborando no uso indevido de recursos federais para desenterrar o “passado Trump”; especificamente, evidência de “conluio russo”… e eles não conseguiram encontrar nenhum (praticamente por que não havia – lembram do nosso caso do “kit gay” ? – parenteses nosso). Eles conseguiram encontrar algumas “intromissões russas” (na forma de anúncios de clickbait do Facebook), mas a evidência que eles desenterraram era ridícula demais para ser mostrada no tribunal. É uma pena que eles não tenham procurado conivência e intromissão ucraniana, ou conluio e intromissão israelenses, ou conluio e intromissão saudita, porque então teriam encontrado bastante – o suficiente para não apenas derrubar Hillary Clinton, mas também para trancá-la. . Teria sido um exercício construtivo e útil para eles procurarem a interferência política ucraniana, mas como expliquei antes  do modus operandi americano é exatamente o oposto, e obrigou-os a ir atrás da Rússia.

Trump ainda está no trono, mas ele tem algum poder?

De qualquer forma, o completo fracasso da equipe de Mueller em encontrar algo que possa ser jogado contra Trump o deixou em apuros, e a única palha que ele usou foi a possibilidade vaga de acusar Trump de obstruir a justiça, baseada em 18 USC § 1512 (c). (2), que especifica que alguém é culpado de obstrução da seguinte forma: “… obstrui, influencia ou impede qualquer procedimento oficial, ou tenta fazê-lo.” Aparentemente, um neurônio estalou na cabeça do pobre Mueller fazendo-o pensar que sua própria investigação foi um “procedimento oficial”, embora, se você procurar este termo, descubra que se relaciona com as coisas que acontecem dentro dos tribunais, com um ou mais juízes presidindo, e para iniciar tal processo requer evidência de que um crime foi cometido. Se não há crime, então não há processo, e nada para obstruir, influenciar ou impedir.

Seguiu-se uma espécie de dança macabra burocrática . Normalmente, o Procurador Geral tem autoridade para fornecer orientação sobre tais questões, e o AG Jeff Sessions poderia ter dito a Mueller que 18 USC § 1512 (c) (2) só é relevante para os processos judiciais e que teria sido isso. Mas Sessions teve a infeliz sorte de ter tido uma conversa casual com o simpático e rechonchudo embaixador russo Sergey Kislyak.

Sergey Kislyak

Em virtude deste pequeno bate-papo, Sessions contaminou seus preciosos fluidos corporais (apenas respirando o mesmo ar que um russo, isso pode ser politicamente fatal, você sabeironia) e foi forçado a se afastar da investigação de Mueller. A equipe jurídica de Trump, em seguida, estendeu a mão para William Barr, ex-AG, e pediu para ele entrar em sintonia. Barr escreveu um memorando esclarecendo a questão e a enviou ao vice-presidente Rod Rosenstein, que permaneceu como segundo em comando no Departamento de Justiça. A recusa das sessões, e quem deveria tê-la lido, entendido e posto em prática, acabou com a investigação de Mueller, mas de alguma forma não o fez. 

O desenlace desta dança macabra burocráticajogado da seguinte forma. Após as eleições de meio de mandato, Trump disse “Você está demitido!” Para Jeff Sessions e William Barr foi confirmado como AG. Barr então disse “Você está demitido!” Para Rod Rosenstein e Robert Mueller por serem excessivamente densos. Barr também deixou claro que ele planeja não deixar pedra sobre pedra ao investigar esse fantástico caso de uso indevido de recursos oficiais e conduta indevida. Isso vai ser divertido de assistir, se você não tem nada mais importante para prestar atenção, mas eu suspeito que a frase “Você está demitido!” Continuará a saltar pelos corredores de Washington como uma granada de borracha por um bom tempo. Há, no entanto, coisas para prestar atenção que são muito mais importantes.

Um mundo realinhamento

Há muita coisa acontecendo no mundo de uma só vez agora. Todo o planeta está se reconfigurando rapidamente. O mundo está implorando por uma nova ordem pós-capitalista pós-industrial, mas a superabundância de recursos naturais que possibilitaram tais revoluções (carvão para a era do vapor, petróleo para a atual era do petróleo) simplesmente não existem mais. Tudo o que resta são otimizações, melhorias e reconfigurações da ordem de coisas existente, eliminando aquilo que é mais prejudicial e mais disfuncional. Para este fim, as nações da Europa Ocidental estão tentando recuperar a soberania que cederam aos Estados Unidos e à União Européia, enquanto a Eurásia está se unindo para formar um conglomerado econômico e de segurança maciço centrado na China e na Rússia. Ambos estão jogando (correndo contra o – parenteses nosso) pelo tempo,

Os bancos centrais do mundo estão fazendo o melhor possível para se livrar de suas reservas em dólar e comprar ouro (por isso o desespero para invadir a Venezuela, quarta maior reserva em ouro do planeta – parenteses nosso), que, a partir de abril, podem considerar um ativo financeiro livre de risco. Muitas pessoas agora esperam que o ouro suba como resultado, mas essa expectativa é baseada em uma ilusão. Pense no ouro como um farol e em moedas fiduciárias (moedas fiat – parenteses nosso) como navios que afundam: aqueles a bordo podem olhar em volta e decidir que o farol está subindo, mas isso é apenas uma ilusão de ótica. O poder de compra das moedas fiduciárias certamente cairá (algumas mais do que outras(libra, iene, dólar, euro, etc)).

O poder de compra do ouro parece aumentar, mas isso também será uma ilusão: ele parecerá crescer contra o cenário de mercados em colapso, especialmente em imóveis e usinas físicas. Mas, no geral, o poder de compra do ouro também cairá, porque o poder de compra futuro de qualquer ativo financeiro é determinado por apenas uma coisa: energia, energia de combustível fóssil em particular, e energia do petróleo bruto acima de tudo (por isso entendemos que de 2016 pra cá, o Brasil está sendo administrado por um bando de malucos, nenhuma nação em sã consciência entrega sua matriz energética como o Brasil fez e faz para multinacionais de outros países- parenteses nosso). Sem energia, nada dentro de uma economia se move, a menos que seja uma economia agrária baseada na forragem e na força muscular animal (Entendeu ? Brasil atual – parenteses nosso).

Uma parte particularmente interessante da história do ouro é que pode acontecer que grande parte do ouro supostamente armazenado nos EUA possa, de fato, estar faltando. Desde que Nixon fechou a “janela do ouro” em 1971, terminando a conversibilidade do dólar americano em barras de ouro (Lembram do milagre brasileiro em 1973 ? Inicio do dólar como moeda fiat, petrodólar – parentese nosso), e até recentemente o dólar americano conseguiu manter sua posição como moeda de reserva global por um ato de pura levitação financeira, mas de magia pode ter sido um truque de mágica: as vendas de ouro nos bastidores para os maiores credores dos EUA. Quando vários países, a Alemanha em particular, tentaram repatriar seu ouro, que eles haviam confiado aos EUA, eles foram rejeitados, e quando eles tiveram sucesso, o ouro que foi devolvido não era o mesmo ouro, e levou um longo tempo para receberem, mesmo não sendo o mesmo ouro com as marcas originais cunhadas nos lingotes. A fome dos EUA por ouro forçou-a a realizar roubos bastante indecorosos, Roubando as reservas de ouro do Iraque, da Líbia e da Ucrânia. Assim, quando chegar a hora de os EUA defenderem sua moeda empregando seu tesouro de ouro, pode acontecer que o armário esteja vazio.

O ouro está se tornando cada vez mais importante, mas a energia é ainda mais importante e sempre será (mais uma vez o golpe na Venezuela – parentese nosso). Depois de serem empurrados para o segundo plano por alguns anos, questões de fornecimento de energia e segurança energética estão novamente se tornando prioritárias. O Pico do Petróleo acaba por não estar morto afinal; foi apenas adiada por alguns anos em virtude dos EUA queimarem uma enorme pilha de poupanças de aposentadoria enquanto exploravam o óleo de xisto.

Mas agora a maior parte dos pontos doces já foram aproveitados e os retornos decrescentes da perfuração frenética contínua estão sendo adicionados aos retornos financeiros permanentemente sombrios da indústria do fracking. Nesse ínterim, a Rússia construiu várias usinas de liquefação de gás natural, um novo oleoduto para a China e dois novos gasodutos para a Turquia e Alemanha, e para a Europa Ocidental além, que contornará a Ucrânia, reduzindo seu valor como um ativo geopolítico a zero. . 

Um estratagema desesperado dos EUA para tomar o controle dos campos de petróleo da Venezuela saiu pela culatra da maneira mais embaraçosa; lá, desenvolvimentos recentes trouxeram uma questão importante: e se os EUA lançassem uma revolução de cores, mas ninguém aparecesse? Como eu havia previsto que aconteceria, há seis anos no meu livro  Os cinco estágios do colapso o sindicato da revolução das cores perderia o seu mojo. Apesar de toda a arrogância, sobre vários países, da política externa de Washington, uma intervenção militar dos EUA na Venezuela é impensável: os sistemas de defesa antiaérea russa S-300 (atualizados – parentese nosso) da Venezuela tornam-na efetivamente uma zona de exclusão aérea para os aviões dos EUA. Enquanto isso, os EUA, tendo se separado do petróleo da Venezuela usando suas próprias sanções, foram forçados a recorrer à importação de petróleo russo. (Por enquanto, mas não por muito mais tempo, os Estados Unidos têm um excesso de petróleo bruto de baixa qualidade devido ao fracking, mas é inútil fabricar diesel e outros destilados, a menos que seja misturado com os mais pesados, que precisam ser importados.)

Enquanto isso, a Rússia e a Bielorrússia organizam uma disputa de amantes barulhentos sobre as exportações de petróleo da Rússia para a Europa, muitas das quais passam por um oleoduto bielorrusso. A Rússia e a Bielorrússia – ou a Bielorrússia, ou a Rússia Branca – não são exatamente entidades distintas na maioria das formas e, quando lutam contra os espectadores, devem desconsiderar a linguagem polêmica e, em vez disso, procurar panelas e talheres voadores. O resultado dessa discussão familiar é que a Rússia Branca não mais fornecerá à Ucrânia produtos destilados do petróleo russo. Outro desenvolvimento estranho é que o petróleo russo sendo canalizado para a Rússia Branca, e daí para a UE, se tornou misteriosamente contaminado e o fluxo foi interrompido até que a situação seja resolvida, causando um pouco de pânico na Europa.

Os EUA se ofereceram para abrir sua Reserva Estratégica de Petróleo para compensar, mas depois, em outra reviravolta bizarra, parte desse petróleo também acabou sendo prejudicial. Mais sujo ainda, os EUA impuseram sanções unilaterais ao Irã, ameaçando qualquer um que importe petróleo iraniano, levantando outra questão importante: o que os EUA impõem sanções unilaterais ao mundo todo, e todo mundo apenas boceja? (as sanções estaria caindo em descrédito ? Ou são apenas falacias ? — parentese nosso)

Esquemas financeiramente ruinosos e geralmente sem sentido, como areias asfálticas, óleo de xisto e fotovoltaicos em escala industrial, geração eólica e carros elétricos só irão acelerar o processo de classificar nações em países com energia e com falta de energia, com os pobres se exterminando mais cedo em vez de mais tarde. Deixando de lado vários esquemas fictícios e imaginários (fusão nuclear, espelhos espaciais, etc.) e focalizando apenas as tecnologias que já existem, só há uma maneira de manter a civilização industrial, que é nuclear, baseada no urânio 235 (que é escasso). ) e o plutônio 239 produzido a partir do urânio 238 (O Brasil tem uma das maiores reservas mundiais de urânio do planeta, se não for a maior, junto com a Africa do Sul, além disso, graças ao cientista e almirante Otto, temos a tecnologia de fusão a frio- parentese nosso) (do qual há o suficiente para durar milhares de anos) usando reatores rápidos de nêutrons. Se você não gosta dessa escolha, então sua outra escolha é ser completamente agrária,

E se você gosta desta escolha, então você tem poucas alternativas além de ir com o principal fornecedor mundial de tecnologia nuclear (reatores de água leve da série VVER, reatores de regeneração de nêutrons rápidos da série BN e tecnologia de ciclo de combustível nuclear fechado) que acontece ser o conglomerado estatal russo Rosatom.

Ela possui mais de um terço do mercado mundial de energia nuclear e possui um portfólio de projetos internacionais que se estendem até o futuro e que incluem até 80% dos reatores que serão construídos. Os EUA não conseguiram completar um reator nuclear em décadas, os europeus conseguiram colocar apenas um novo reator na linha (na China), enquanto o programa nuclear do Japão esteve desordenado desde Fukushima e a financeiramente desastrosa aquisição da Toshiba pela Westinghouse. Os únicos concorrentes são a Coréia do Sul e a China. Novamente, se você não gosta de nuclear – por qualquer razão – então você pode sempre comprar um pouco de pasto e alguns campos de feno e começar a criar burros.

Os americanos não estão prontos para o que está por vir

Isso pode parecer uma notícia chocante para alguém que foi exposto exclusivamente à mídia de massa nos EUA e em outros países anglófonos ou na UE. Bem, pode ser chocante, mas definitivamente não é novidade: nenhum desses desenvolvimentos é particularmente novo, e nenhum deles é imprevisível. O alto nível de negação de todas as questões acima em Washington, que tem sido o ponto zero em uma poderosa explosão de irrealidade, e na mídia ocidental em geral, também não é surpreendente; nem é útil. Ao descobrir essas coisas por si mesmo, você pode ser tentado a gritar sobre eles nos telhados (ironia do autor – parentese nosso).

Isso, eu ouso dizer, seria desaconselhável. A coisa certa a fazer com as pessoas que insistem em permanecer em negação é ironiza-los, para esgotar o relógio em todos os jogos que tentam jogar com você e, em seguida, para educadamente de-lhes adeus. De fato, é isso que estamos vendo: ninguém quer negociar com autoridades americanas, mas o fazem de qualquer maneira, porque, como todo negociador de crise sabe, é essencial continuar falando, mesmo que seja apenas para ganhar tempo. Enquanto estão falando, os reféns – de Wall Street, do Pentágono, do Tesouro dos EUA e do Federal Reserve – estão sendo evacuados em silêncio. O tempo está se esgotando para os EUA, e uma vez que tenha acabado, o que ouviremos, em uma reviravolta suprema de ironia, é o mundo inteiro dizendo aos EUA: “Você está demitido!”


Fonte: Clube Orlov

*Como o Império AngloSionista Continua a Perder Raia

DESGRAÇAS DO IMPÉRIO

A semana passada, viu o que supostamente seria um   ponto de hiperpotência por causa de sua derrota embaraçosa não só para a Venezuela, que  derrotou com sucesso os planos de golpe de tio Sam’uel , mas também para uma lista de outros países,  incluindo Cuba, Rússia, China e Irã . É bastante patético e, francamente, beirando o comicamente ridículo.

Tio Sam’uel claramente não gosta de ser motivo de riso do planeta.

E como tio Sam’uel sempre faz, ele decidiu flexionar alguns músculos e mostrar ao mundo “quem é o chefe” por…

Leia na íntegra: World Smirks as AngloZionist Empire Continues Its Losing Streak

Leia também: Sabotagem ? Não há água para ativistas cercados na embaixada venezuelana nos EUA, o governo nega o corte

*Neo Tribalismo

O neoliberalismo afirma que todas as tribos políticas são iguais e comparáveis, quando não são.

O uso do termo ‘tribo’ para se referir a espaços políticos se espalhou em algumas mídias e em alguns analistas políticos e de opinião pública. No dia 24 de fevereiro passado, por exemplo, em uma nota do El Cronista, foi dito que “um dos homens mais confiáveis ​​do presidente Macri desafia novamente o círculo vermelho com uma provocativa análise eleitoral:” Estamos melhores agora do que em fevereiro. 2015 ‘”. Antes da pergunta: E quais são as pesquisas que o governo está se referindo agora ? Essa fonte disse: “Além de algumas pequenas oscilações, o palco é dividido em três terços. Dois terços são difíceis. Imóvel. Eles representam opções conceituais. Uma maneira de ver a vida. Nós poderíamos chamá-los de tribos” Segundo essa análise – diz o jornalista – um terço corresponde à ‘tribo’ Kirchner, o outro à tribo ‘macrista’ e o restante àqueles que hoje argumentam que não votariam em nenhum deles. “

O jornal Ámbito Financiero também usou o termo, como nos títulos “Macri ativou uma pequena mesa para definir o calendário eleitoral em tribos próprias” (11-1-19), e “Em modo de campanha: Macri, Vidal e uma reunião para arengar a própria tribo “(15-3-19). E o analista Eduardo Fidanza, em “A política, de Laclau a Durán Barba” (La Nación, 6-1-18), disse: “O tema de Laclau são os movimentos sociais e a militância; Os de Durán, os eleitores que não estão interessados ​​em política, mas a solução para seus problemas diários. Eles são duas tribos inconciliáveis ​​que olham com preconceito e desdém: para alguns Laclau é um denso, inclinado à violência; para os outros, Durán é superficial, interessado em descamar a política para manipulá-la. Qualquer semelhança com o que acusa os acólitos de Cristina e Macri não é coincidência “.

A “tribo” de Buenos Aires do Presidente Macri.

Relativismo e universalismo na política

À primeira vista, o uso de ‘tribo’ parece ser neutro no discurso político. No entanto, quando paramos para cavar um pouco o significado, o que você vê não é o que você obtém. Em primeiro lugar, porque “um terceiro e outro terço”, ou “um denso e um superficial”, tornam-se politicamente equivalentes sob o conceito antropológico de “tribo”. E é que esse conceito contém a ideia de cultura e relativismo cultural introduzida por Franz Boas: “Todas as culturas são iguais e comparáveis; não há culturas inferiores e superiores “. Uma ideia que na política não é neutra, pois é contrária à ideia de universalismo normativo (como o dos direitos humanos), em torno do qual os partidos políticos marcam a disputa de suas diferenças e não suas equivalências.

É por isso que (a tribo prazo) tão significativo relativista na análise de um político neoliberal pode ser devido à sua intuição do valor pragmático de um termo para a prática política, como doutrinação por alguns conselhos na retórica eleitoral. E em um analista político, esse uso pode ser explicado pela aspiração profissional de agir a partir do lugar supostamente neutro que dá uma visão relativista. Mas em ambos os casos, que o relativismo tem uma reivindicação comparável ao que Hegel chamou de “a ingenuidade da lacuna no conhecimento”, que ele aplicou às filosofias que falam da Absolute -noite em que todos os gatos não são pardos- explicar a realidade e suas verdadeiras diferenças, e que no mesmo sentido pode ser aplicado a abordagens políticas.

Qual é o modelo de cultura da sua tribo?

Ruth Benedict, “Modelos de cultura”, 1934.

Em uma obra clássica da antropologia – Padrões de Cultura , 1934-, Ruth Benedict explica as diferenças na organização social, economia e cultura em geral, três tribos: os índios Pueblo do Novo México na Estados Unidos; o Dobu da Nova Guiné na Melanésia e o Kwakiutl da Ilha de Vancouver, na costa noroeste do Canadá. Embora Benedict sabia muito bem o conceito do relativismo cultural em sua análise comparativa das três tribos usado a distinção que Nietzsche foi introduzido em O Nascimento da Tragédia (1872) para descrever as diferenças entre o apolíneo (racional, equilibrado) e o dionisíaco (sensual, em êxtase).

Tribo Pueblo, particularmente o grupo Zuni, ao contrário de outras tribos da América do Norte, é mostrado com um caráter mais apolíneo: os seus interesses estão focados em respeito pela vida cerimonial do grupo, seus rituais formais, sobriedade e moderação de um personagem sem violência e sem ofensas.

O dobu, por outro lado, é consumido por ciúmes, suspeitas e ressentimentos. Ele roubou, matou e enganou por bruxaria, o que ele podia. Eles são violentos e recompensam a má vontade e a traição. Benedict relata como um dos homens mais respeitados da ilha deu a um visitante um encantamento para se tornar invisível e ser capaz de roubar o que queria sem ser visto.

E os Kwakiutl são um exemplo claro de Dionísio: “O propósito final que eles buscavam era o êxtase”. Em suas cerimônias religiosas – o Potlacht -, o dançarino principal deve “perder o controle de si mesmo e ser absorvido em outro estado de existência (…) agitar violentamente e anormalmente, realizar atos que em um estado normal seriam considerados terríveis”. Sua maior realização é a destruição de todos os bens. Eles eram um povo rico, mas toda a riqueza era pequena demais para serem destruídos em sua megalomania paranoica.

Macri dançando em êxtase.

Se pensarmos agora no termo “tribo” à luz desses estudos: como seria considerado o significado dos terços ou das “tribos irreconciliáveis”? Quem seria Pueblo, Dobu ou Kwakiutl?

A revolução neotribal

O conceito de ‘tribo’ que usou Benedict foi a própria antropologia cultural, mas foi anos depois que o uso foi reformulado em sentido sociológico por Marshall McLuhan em The Gutenberg Galaxy (1962) e A Aldeia Global (1968), para dizer que, embora a globalização e o impacto da mídia eletrônica na vida moderna tinha introduzido novas relações sociais, “a natureza instantânea de informação eletrônica está descentralizando -em vez de proporcionar o alargamento da família humana em um novo estado de existências tribais numerosas .” Neste sentido sociológico, aprofundar filosoficamente tribos tempo (1988) Michel Maffesoli, que, em seguida, cunhou o termo ‘tribo urbana’.

Mas foi Daniel Quinn, que em Beyond Civilization (1999) colocou a questão em termos políticos. E assim ele postulou a ideia de um “novo tribalismo”, baseado na dinâmica da seleção natural e entendida como uma crítica das estruturas hierárquicas da sociedade de massas com base em “a falácia de um mundo justo”. Políticas com os sem-teto, por exemplo, não deve ser assistencialista, mas examinando o que os sem-teto querem de acordo com suas táticas de sobrevivência e considerando a agradável sensação que eles podem desfrutar de não ter obrigações sociais como o trabalho: “Não é nenhuma maneira direita de a vida das pessoas “. É por isso que uma revolução neotribal é necessária.

Involução

Um ano antes do livro de Quinn, no entanto, o presidente da Universidade de Oregon, Dave Frohnmayer, havia definido neotribalismo como ‘o crescimento de uma política baseada em preocupações estreitas, enraizada nas divisões operacionais de vários tipos, o que exige satisfação e sem compromissos, e é expressa como uma atmosfera de ódio, emoção crua, as pessoas não perguntam se uma ação será justo, enquanto se inclina sobre a tecnologia de mídia e informação para encontrar subgrupos demográficos e direcione-os para mensagens endereçadas’.

O monstro que devora tudo

Neste itinerário, o neoliberalismo conjugado com o significado antropológico do relativismo cultural, o significado social e político de “tribo” que é útil para ele. Depois de Boas, os neoliberais podem agora dizer, de sua “mudança para o futuro”, que a civilização global não é algo absoluto, mas relativo, e que todas as culturas políticas são iguais e comparáveis, já que não há culturas políticas inferiores e superiores

O capitalismo devora todas as línguas e ressignifica todos os discursos. Então, o que o neoliberalismo visa sustentar dizendo algo, é que a cultura política da tribo dos direitos humanos e dignidade do sujeito de direito, não é superior à cultura do mercado tribo e individual concorrente meritocracia agrupado

No entanto, a globalização não é uma civilização, a dignidade é o oposto da mercadoria, uma cultura política não é o mesmo que uma cultura tribal e o conceito universalista da família humana em direitos humanos não é o mesmo que o relativismo dos direitos humanos. “As próprias tribos”, “as tribos irreconciliáveis” ou “neotribus”. E na claridade do dia, cada gato tem uma cor diferente.

Leia na íntegra: NEOTRIBALISMO

*A Corrida Pelo Ouro Continua na América Latina

2,5 km de comprimento, 500 a 800 metros de largura, afundando até 400 metros de profundidade, uma mina a céu aberto: a maior já desenvolvida na França.  Jody Amiet / AFP

Europa e Biodiversidade. Levam o ouro e deixam os resíduos

A renúncia da França ao projeto “Montagne d’Or” seria um passo à frente. Além de não ser vencida, não seria suficiente preservar a floresta guianense da mineração de ouro.

Foi há um mês, dia a dia ou quase. Em 11 de abril 2019, por ordem, o ministro francês da Economia e Finanças concedeu a licença exclusiva para procurar minas de ouro, com o nome de “licença Belizon” na Guiana, a empresa Amazon Gold. 

Em janeiro, ele havia concedido uma para a empresa Newmont LaSource, cobrindo uma área de 66,49 km² entre os municípios de Iracoubo e Mana, ainda na Guiana. Entre essas duas datas, lembra o site do governo Mineralinfo, quatro consultas públicas foram lançadas nesse final da Amazônia, ao qual a França se apega, todas seguindo os pedidos de pesquisa de ouro formulados por industriais. No entanto, este é apenas um ponto médio do ano de 2019. Em 2018, três licenças foram concedidas a eles, e 16 consultas foram iniciadas após os pedidos apresentados desde 2015.

E realmente, portanto, a França estaria pronta, em virtude de sua consciência ecológica, a desistir do ouro da Guiana? Por seu anúncio na última segunda-feira, Emmanuel Macron estava prestes a deixar isso claro. “O estado da arte do projeto Montagne d’Or não o torna compatível com um objetivo ecológico e de biodiversidade”, declarou o Presidente da República, na esteira do relatório da ONU, que revelou No mesmo dia, um inventário sem precedentes – e alarmante – do declínio da vida no planeta. “Haverá uma avaliação abrangente para o próximo conselho de defesa..

DO: l’HUMANITÉ

NÃO ADIANTA, O TERCEIRO MUNDO CONTINUA SENDO VISTO APENAS COMO COLONIA EXTRATIVISTA.

E VOCÊ LATINO AMERICANO QUE ACREDITOU ?

*Após o fracasso, as ameaças militares dos EUA contra a Venezuela aumentam

Leia na íntegra: WORLD SOCIALIST

Uma semana após o abortado golpe de Estado lançado por Juan Guaidó, o autoproclamado “presidente interino” da Venezuela financiado pelos Estados Unidos, Washington aumentou suas ameaças de intervenção militar direta dos EUA.

O Secretário de Estado nos EUA, Mike Pompeo apareceu no programa de notícias This Week da ABC e insistiu que o presidente Donald Trump tem o poder de ordenar uma invasão na Venezuela sem a autorização do Congresso dos EUA.

“O presidente tem toda uma gama de autoridades de acordo com o artigo 2, e estou muito confiante de que qualquer ação que tomarmos na Venezuela seria legal”, disse Pompeo à ABC.

“Não se engane, temos uma gama completa de opções que estamos preparando”, disse Pompeo. “Opções diplomáticas, opções políticas, opções com nossos aliados (Brasil e Colômbia) e, finalmente, um conjunto de opções que implicaria o uso do Exército dos EUA. Estamos preparando isso para ele [Trump] para que quando a situação surgir, não estejamos despreparados. “

(O que afirmou outro especialista, o coronel estadunidense Pat Lang, “ele observa que o mais recente desastre de uma tentativa de revoltar os militares locais na Venezuela para derrubar o presidente Maduro é, em muitos aspectos,  tão inapto quanto o  desembarque da Baía dos Porcos em 1961 em Cuba”. [baseado na crença equivocada de que o povo cubano também se levantaria em apoio imediato]. Isso mostra que o império é um pouco burro e não aprende com seus próprios erros.

As ameaças de Pompeo ocorreram depois de uma reunião no Pentágono na última sexta-feira em que participou o almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM), que lidera as operações militares dos EUA na América Latina e no Caribe Ele foi transferido para Washington para informar os altos funcionários do governo, incluindo o secretário de Estado e conselheiro de segurança nacional John Bolton, ambos principais arquitetos da operação de mudança forçada de regime na Venezuela.

Depois disso, o secretário interino de defesa de Trump, Patrick Shanahan, disse aos repórteres do Pentágono: “Temos um conjunto completo de opções adaptadas a certas condições e eu vou deixar assim”.

Quando um repórter perguntou se as opções em discussão incluíam uma invasão da Venezuela, Shanahan respondeu: “Deixo isso à sua imaginação, todas as opções estão na mesa”.

Enquanto isso, Juan Guaidó disse à BBC que estava seriamente considerando pedir aos Estados Unidos que lançassem uma intervenção militar como o único meio de colocá-lo no palácio presidencial de Miraflores.

Quando perguntado sobre a “opção militar” dos EUA, disse “avaliar todas as opções”, acrescentando que era “responsável por avaliar” as perspectivas de uma invasão armada da Venezuela para os Estados Unidos, e que “Eu, como presidente a cargo do parlamento nacional, avaliarei todas as opções, se necessário.”

Por um lado, temos em Pompeo, Bolton e outros bandidos imperialistas que insistem que uma guerra de agressão para impor uma mudança de regime em uma nação latino-americana é “legal”. Por outro lado, há a exibição do suposto campeão da democracia na Venezuela, Guaidó, como um fantoche de bronze de Washington, preparado para convidar as tropas dos EUA para invadir o país.

Uma reflexão de Guaidó sobre a viabilidade de uma invasão norte-americana, vem após o fracasso abjeto da tentativa de golpe na última terça-feira, em que ele apareceu com o líder do partido de extrema direita Popular Will (fascista), Leopoldo López, que estava sob sob prisão domiciliar por sua colaboração em atos anteriores terroristas de violência, bem como uma dúzia de homens armados em uniforme ocorrido em La Carlota, base aérea em Caracas oriental.

O seu apelo à base militar para se levantar e derrubar o governo do presidente Nicolas Maduro não evoca qualquer desdobramento grave nas forças armadas, bem como o seu apelo ao povo venezuelano para atacar a base aérea não provocou qualquer apoio popular. No entanto, a tentativa demonstrou a prontidão das forças por trás de Guaidó, certamente incluindo mercenários treinados pela CIA para a realização de violência extrema, como civis fortemente armados a definir posições armados de metralhadora em uma ponte perto da base aérea .

O fracasso da tentativa de golpe na terça-feira foi seguido por uma participação ainda mais desanimadora para a oposição de direita no sábado, quando Guaidó convocou os venezuelanos a marchar sobre as bases militares e pediu às forças armadas que prosseguissem, eles vão se rebelar afirmou. Apenas algumas centenas de pessoas obedeceram o comando de Guaidó, enquanto os soldados abordados pelos direitistas queimavam os panfletos que lhes davam.

Enquanto isso, houve uma série de discussões entre os Estados Unidos ea Rússia sobre a Venezuela, começando com uma conversa telefônica de 90 minutos entre Trump e Vladimir Putin na sexta-feira, seguida de uma reunião entre Pompeo e seu colega russo Sergei Lavrov na Finlândia na segunda-feira. Depois de ter declarado no dia anterior em sua entrevista na ABC que “os russos devem deixar a Venezuela”, Pompeo apareceu sorrindo com Lavrov depois de sua palestra.

Enquanto isso, Guaidó insistiu que, embora a tentativa de golpe na semana passada tenha fracassado, pode haver uma nova revolta militar. “Havia pessoas que não chegaram”, disse ele à AFP em Caracas, afirmando que “isso não significa que eles não o farão em breve … Estamos muito perto de conseguir uma mudança na Venezuela”.

Há precedentes históricos de golpes abortivos seguidos pelo real mais tarde. Tal foi o caso no Chile em junho de 1973, quando um tenente-coronel levou uma coluna de tanques ao palácio presidencial, a revolta chamada Tanquetazo contra o governo da Unidade Popular do presidente Salvador Allende, que foi rapidamente debelada. A tentativa falhou, no entanto, acabou por ser um ensaio geral para o golpe bem sucedido liderado pelo general Augusto Pinochet em setembro de 1973 foi utilizado para medir a reação do militar, o governo e as organizações da classe trabalhadora. Pinochet governaria o país com uma ditadura militar fascista pelos próximos 16 anos.

Uma revolta militar para derrubar o governo de Maduro poderia provocar uma sangrenta guerra civil na Venezuela. Seu sucesso, sem dúvida, imporia uma ditadura selvagem, unindo setores das forças armadas com a oligarquia da direita tradicional do país e o imperialismo dos EUA.

Guaidó já explicou os objetivos econômicos e sociais deste regime em seu chamado “Plano de País”, que exige a privatização de reservas de petróleo na Venezuela, a maior do planeta, e sua entrega a conglomerados de energia sediados nos EUA. EUA, salários de fome e a completa subordinação da economia do país aos planos de ajuste de austeridade do FMI. Tais políticas só podem ser implementadas através da repressão policial-estatal.

A classe trabalhadora venezuelana não pode confiar no governo de Maduro ou no alto comando militar do país para derrotar as conspirações de Washington e seu fantoche Guaidó. Ambos têm defendido a ordem capitalista existente na Venezuela e os interesses da Bolibourgeoisie de especuladores financeiros, funcionários do governo e empreiteiros, tais como bancos e multinacionais como Chevron e Halliburton, enquanto os trabalhadores têm visto a sua nível de vida dizimado.

A única resposta progressiva à crise e ao cada vez mais perigoso desdobramento na Venezuela, encontra-se na intervenção política independente da classe operária, a luta para armar as massas, a apreensão de mercadorias burgueses e interesses capitalistas estrangeiros e colocando a grande riqueza do petróleo do país sob o controle da população.

(Artigo originalmente publicado em inglês em 7 de maio de 2019)

*Elitistas Ricos se Assustam Quando Hordas de Desabrigados Ocupam os Bairros da Costa Oeste

mega favela em Detroit

Acampados nas praias, debaixo dos viadutos, ou mesmo dormindo a céu aberto, esta é a nação mais rica do ocidente !!!

Leia também: Número recorde de moradores de rua morrem no condado de Los Angeles.

E os EUA precisam de mais “requerentes de asilo” hondurenhos porque …?

Quase 100.000 pessoas dormem nas ruas em Los Angeles

A elite é muito “tolerante” com os sem-teto, até eles começarem a aparecer em seus próprios bairros.  Mesmo que a grande mídia burguesa continue nos dizendo que a economia dos EUA está “crescendo”, o número de americanos que vivem nas ruas continua a crescer muito rapidamente, e isso é particularmente verdadeiro  em nossas principais cidades da costa oeste . Mais de meio milhão de americanos vão dormir nas ruas de nossas cidades hoje à noite, e precisam de ajuda, cuidado e abrigo. Infelizmente, à medida que as condições econômicas se deterioram, é provável que esse número dobre ou até mesmo triplicará.  É claro que muitos entre a elite são todos a favor de fazer algo pelos desabrigados, desde que não tenham que estar em qualquer lugar ao seu redor.

Por exemplo, vamos falar sobre o que está acontecendo em Los Angeles.  Nenhuma cidade na costa oeste tem um problema maior com a falta de moradia do que LA, e muitos na população sem-teto gostam de acampar nas belas praias da região de Los Angeles à noite.

Mas é claro que muitos da elite que pagou milhões de dólares pela propriedade à beira-mar não estão muito entusiasmados com isso. O
vocalista Johnny Rotten do ex-Sex Pistols foi um símbolo chave da rebelião anti-establishment na década de 1970, mas agora ele (Rotten) está pirando porque pessoas desabrigadas estão tornando a vida muito difícil para ele e sua esposa em Venice Beach, e o que ele disse recentemente para da Newsweek Paula Froelich ” virou manchetes por toda a nação … “:

Ele disse a ela que a situação dos sem-teto em seu “chique” bairro de Los Angeles é tão ruim que os ladrões estão arrancando as barras das janelas de sua casa multimilionária, arremessando tijolos, montando cidades de tendas e enchendo a praia de seringas.

“Algumas semanas atrás eu tive um problema”, opinou o “ex-príncipe do punk” (uma vez punk, sempre punk, então era um falso punk). “Eles vieram pelo portão e colocaram sua barraca dentro, bem na frente da porta da frente da sua casa. É como . . . a audácia.  E se você reclamar, o que você é ? (dizem) Oh, você é um dos da elite do establishment ? Não, sou um cara que trabalhou duro pelo dinheiro que tenho e espero poder usar minha própria porta da frente. ”

E OS EUA CONTINUAM A FOMENTAR O ÓDIO NA VENEZUELA E AS GUERRAS REGIONAIS EM TODOS OS CANTOS DO PLANETA

Leia também: Sobe para 21 o número de mortos por causa do frio extremo nos EUA

Leia também: São Francisco, Los Angeles e Seattle: 3 antigas cidades da costa oeste foram literalmente transformadas em buracos de gelo

Leia também: Ex punk Johnny Rotten quer que policiais parem os punks desabrigados, diz que a esposa “não aguenta”

Leia também: A Escola Nota 10, 100, 1000

*The Saker: Contemple a Fraqueza (de Tirar o Fôlego) do Império!

Império ianque: Impotente mesmo em seu próprio quintal

O Império sofreu dolorosas derrotas no Afeganistão e no Iraque, mas é preciso admitir que estes são países “duros” para quebrar. O Império também parece ter perdido o controle da Líbia, mas esse é outro país complexo que é muito difícil de controlar. Nós também vimos todo o patético bufar e bufar com a RPDC. Mas, sejamos honestos, os EUA nunca tiveram a chance de intimidar a Coréia do Norte, deixar de invadir ou mudar o regime. A Síria era muito mais fraca, mas aqui a Rússia, o Irã e o Hezbollah fizeram um trabalho de classe mundial de repelir todos os ataques anglo-sionistas, políticos e militares. Além disso, eu nunca vou culpar Trump por não ouvir Bolton e não ter desencadeado a WWIII sobre e começando na Síria (ainda?)

Mas a Venezuela ?!

Não existe nenhum Hezbollah ou Irã apoiando Maduro na Venezuela. E a Venezuela está muito longe da Rússia para permitir que ela faça o que fez na Síria. Na verdade, a Venezuela está no proverbial “quintal” dos EUA  e está cercada por regimes fantoches hostis. E, no entanto, esta noite, parece que o fantoche americano Guaidó falhou em sua tentativa de golpe.

Leia na íntegra: The Saker: Behold the Breathtaking Weakness of the Empire!