*Ucrânia, O$$ident e a Comunidade Internacional: O Mundo é Grande…

Das minhas peregrinações profissionais, que me levaram aos cinco continentes, aprendi uma lição: apesar de seus esforços incansáveis, o mundo não se limita ao que chamam de ‘ocidente‘, ou ‘comunidade internacional’, denominação que, como Régis Debray diz, foi monopolizado pelos EUA e seu protetorado europeu. Menos de 12% da população mundial.

Para dizer algo, América do Sul, Malásia, Etiópia e uma longa lista de países e regiões do mundo, não fazem parte dessa breve ‘comunidade internacional‘ que monopoliza a opinião planetária.

A anos atrás, passeando no aeroporto de Changi, en Singapur, caí atônito ao ver em escassos minutos grande diversidade de povos, etnias, culturas, idiomas, dialetos, vestimentas, cores de pele, religiões, músicas e alimentos que os havia conhecido em toda a minha vida. Parte desses 88% que não contam nos 12% do mundo eurocêntrico.

Abreviar o mundo para ‘ocidente‘ tem vantagens: desta forma é possível massacrar na Palestina, Iugoslávia, Iraque, Irã, Iêmen, Mali, Líbia, Síria, Afeganistão… ocidental’ e a ‘comunidade internacional‘ estão do lado do abate. Os palestinos, iugoslavos, iraquianos, iranianos, iemenitas, malianos, líbios, sírios e afegãos… O tempo que for preciso: o drama palestino tem agora, eu sei de cor, 73 anos: nasci em 1948, ano da Nakba, o “desastre”, ano em que Israel foi inventado em um território povoado por árabes.

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia, a condenação do ‘ocidente‘ e da ‘comunidade internacional‘ foi total. O mundo inteiro se levantou contra a Rússia. A sério? Países como Índia e China se abstiveram. Como o Senegal se absteve, uma ex-colônia francesa na qual a ‘influência‘ da Metrópole ainda é sentida. E ainda outros países que estimam que a OTAN tem uma pesada responsabilidade na questão ucraniana escondida pela imprensa, rádio e TV ‘ocidentais‘. Este último –e meço o que digo– adotou um método goebbeliano de informar: Qualquer mentira estúpida dita repetidas vezes entre meias verdades, acaba se tornando uma verdade.

É hora de dizer que sou um defensor da PAZ. Que não aplaudo a guerra na Ucrânia, nem as outras. Nenhuma. Mas também não sou burro. Os EUA e suas colônias não me farão esquecer que a OTAN é um instrumento de dominação a serviço do Império, e que não há guerra no mundo, a partir de 4 de abril de 1949, em que a OTAN não tenha sido a principal responsável. As guerras de independência? Nelas, os Estados Unidos apoiaram as potências coloniais como o laço apoia o enforcado: assim aumentaram seu poder e influência. Em alguns casos, eles foram diretamente envolvidos por decisão própria, um exemplo histórico é o Vietnã.

Para construir seus próprios argumentos, a imprensa “ocidental” primeiro afirmou que a Ucrânia tinha pouco, senão nada, a ver com a Rússia. Desta forma, o direito da Ucrânia à sua independência ficou claro. Então, para argumentar que muitos russos são contra a guerra, eles disseram o contrário: há muitos laços entre os ucranianos e os russos. O cinismo em relação à “informação” é incompreensível. Nada de novo sob o sol: para destruir a Iugoslávia, a OTAN tolerou e até encorajou a famigerada “limpeza étnica“, por exemplo na Croácia. Tudo o que era sérvio tinha que ir embora. Mas havia milhares de famílias compostas e uma miscelânea de cidades que, no calor da noção de “pureza de raça“, gerou um massacre de proporções. Qualquer semelhança com a propaganda nazista não foi mera coincidência.

Estou em Moscou desde quarta-feira passada. Eu estava curioso para ver como a Rússia entra em colapso, conforme relatado pela imprensa ‘ocidental‘. Claro que a população está inquieta. Os russos pagaram um alto preço na Segunda Guerra Mundial. Foram eles que libertaram a Europa. O número total de vítimas foi estimado em cerca de 25/27 milhões de mortos. Para não incomodar, mas os EUA perderam 292 mil soldados. Incluindo a guerra do Pacífico, contra o Japão.

Na Rússia, em cada  isba (casa tradicional de madeira russa) , em cada  derevnya (vila), eles sabem o preço da guerra. Nas margens do Moskva, perto da Praça Vermelha, perguntei a uma senhora de certa idade:  “O que você acha da guerra na Ucrânia?”  Sua resposta foi tão simples quanto franca:  “Não precisamos de nenhuma guerra. E também não precisamos da OTAN nos cercando por todos os lados .” A resposta se repete nos taxistas, nos lojistas e nos amigos ucranianos e russos com quem compartilhamos uma noite maravilhosa em um bairro modesto de Moscou, perto da estação Nowe Cheryomushki. Nenhum dos meus amigos faz parte do  fã-clube de Vladimir Putin, mas ainda guardam a esperança de que sua sanidade prevaleça na gestão da crise. “Porque os idiotas que dirigem o ‘oeste’ são anões mentais .” Como não concordar com eles?

Na quinta-feira assistimos a uma apresentação de um clássico do teatro russo,  Masquerade  de Mikhail Lermontov . No Teatro Wahtangov na Rua Arbat, que celebra este ano um século oferecendo o melhor da literatura russa. Masquerade  foi a última peça apresentada antes do ataque dos nazistas que invadiram a Rússia em 1941. Eu me diverti muito. Claro que só consegui reconhecer algumas palavras do russo ainda mais pobre que aprendi. Mas a música de Aram Khatchatorian é extraordinária.

Enquanto isso, as sanções ‘ocidentais‘ prejudicam mais a economia da UE do que a economia russa. O rublo, que foi desvalorizado em 50% em algumas semanas, começa a levantar a cabeça: em alguns dias a taxa de câmbio passou de 140 rublos por euro para apenas 100. O euro também sofre, porque os investidores fogem de Europa, assustada com as perspectivas de guerra.

Minha própria impressão é que os EUA, através da OTAN, têm a Rússia como se fosse um lanche, antes de enfrentar a China. A guerra na Ucrânia, já disse, foi provocada no contexto de uma luta pelo controle do planeta. Para o ‘oeste‘ a Ucrânia é um peão sacrificado no xadrez mundial. Meus amigos ucranianos concordam com essa visão.

Não só eles: esperando a hora do teatro, me deparei com um grupo de jovens da Índia. Para minha grande surpresa, dois deles fazem parte da família Gandhi. Foi uma troca lucrativa. Contei a eles sobre minhas viagens a Calcutá, Bombaim, Delhi, Secunderad e Hyderabad, bem como minha admiração pelo que eles fazem no estado de Kerala, o centro nevrálgico da Indian Hi Tech. Naturalmente, estamos a falar da Ucrânia: também estão claros que – digam o que digam – a OTAN tem uma grande responsabilidade nesta tragédia.

Assim, pude perceber que 88% dos terráqueos desprezados vomitam as rodas de carroça do ‘oeste‘. Todos, ou a grande maioria, querem – nós queremos – que a Paz volte à Europa. E que a OTAN desapareça. Não foi isso que pedi à  Matrona , –aquela virgem moscovita cujo ícone localizado no Templo Taganka atrai milhares e milhares de crentes–, mas algo muito mais pessoal. Mas isso é problema meu. E eu ainda sou um ateu obstinado.

PELO FIM DA OTAN!

Leia na íntegra: Ucrânia, O$$ident e a Comunidade Internacional: O Mundo é Grande

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.