*Madagascar

Madagascar é primeiro país do mundo a sofrer fome extrema pela crise climática, alerta ONU

A região sul da ilha de Madagascar está enfrentando a pior seca dos últimos 40 anos, somando mais de 1,14 milhão de pessoas em situação de insegurança alimentar


Segundo a ONU, atual situação de Madagascar obrigam os moradores a comer gafanhotos, folhas de cactus e até mesmo barro em algumas épocas (Madagascar, 2018).  — Foto:  RIJASOLO / Getty Images
Segundo a ONU, atual situação de Madagascar obrigam os moradores a comer gafanhotos, folhas de cactus e até mesmo barro em algumas épocas (Madagascar, 2018). — Foto: RIJASOLO / Getty Images

Apesar de habitarmos o mesmo planeta, os impactos da crise climática não são sentidos da mesma forma por todos. E essa necessidade urgente de olhar para diferentes contextos socioeconômicos com estratégias distintas é endereçar ajustiça climática nessa agenda. O termo reconhece a mudança climática como responsável por diferentes aspectos sociais, econômicos e de saúde pública sobre as populações desfavorecidas.

E foi dentro deste contexto que, na última sexta-feira (25/06), a ONU declarou que Madagascar é o primeiro país do mundo a sofrer com a fome extrema devido à crise provocada pelo aquecimento global.

A atual situação do arquipélago está causando secas profundas que obrigam os moradores a comer gafanhotos, folhas de cactus e até mesmo barro em certos períodos, segundo a organização advertiu em relato oficial. Isso ocorre quando aqueles que ainda apresentam condições um pouco melhores de saúde deixam suas casas em busca de alimentos e voltam de mãos vazias.

A região sul da ilha de Madagascar, por exemplo, está enfrentando a pior seca dos últimos 40 anos, somando mais de 1,14 milhão de pessoas em situação de insegurança alimentar. “Famílias estão sofrendo e até morrendo de fome severa e isso se deve à crise climática. Embora esta área do mundo não tenha contribuído em nada para as mudanças climáticas são eles que pagam estão ‘preço mais alto’”, declarou David Beasley, diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA)da ONU, em comunicado.

A localização remota de muitas comunidades, juntamente às estradas danificadas, tem atrapalhado a chegada de trabalhadores humanitários à área.

O PMA também declarou que o nível de desnutrição aguda global (GAM) em crianças menores de cinco anos no país quase dobrou nos últimos quatro meses, chegando a 16,5%. Sendo que o distrito de Ambovombe, um dos mais afetados, a taxa GAM chega a 27%, o que indica um cenário de risco de vida para muitas crianças.

Desde o final do ano passado, o PMA tem trabalhado em colaboração com o governo malgaxe, entre outros parceiros, para lidar com a fome severa no país. No entanto, à medida que a crise se aprofunda, esses esforços devem ser intensificados. O programa precisa c de US $ 78,6 milhões para fornecer alimentos para a próxima temporada de escassez para ajudar a impedir que uma tragédia ainda mais trágica e evitável ocorra.

Leia na íntegra: Um Só Planeta

Leia também: Como Madagascar virou exemplo de fome e seca causadas por mudanças climáticas

Leia também: Madagáscar: Seca ameaça de fome mais de 400.000 pessoas

Leia também: Responsável da ONU diz que Madagáscar é o primeiro país onde se passa fome devido às alterações climáticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.