*Sente-se e Assista a Europa cometer Suicídio

Se o objetivo dos EUA é esmagar a economia da Rússia com sanções e isolamento, por que a Europa está em queda livre econômica?

A competição de Washington com o poder crescente da Rússia é tão feroz que está disposta a sacrificar a Europa. Crédito da foto: O berço

O espetáculo impressionante da União Européia (UE) cometendo hara-kiri em câmera lenta é algo para sempre. Como um remake barato de Kurosawa, o filme é, na verdade, sobre a demolição da UE detonada pelos EUA, completa com o redirecionamento de algumas importantes exportações de commodities russas para os EUA às custas dos europeus.

Ajuda ter uma 5ª colunista estrategicamente colocada – neste caso, a surpreendentemente incompetente chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Lugen – com seu anúncio vociferante de um novo pacote de sanções esmagador: navios russos banidos dos portos da UE; empresas de transporte rodoviário da Rússia e da Bielorrússia proibidas de entrar na UE; não mais importações de carvão (mais de 4,4 bilhões de euros por ano).

Na prática, isso se traduz em Washington extorquindo seus clientes/marionetes ocidentais mais ricos. A Rússia, é claro, é poderosa demais para desafiar militarmente diretamente, e os EUA precisam muito de algumas de suas principais exportações, especialmente minerais. Assim, os americanos vão, em vez disso, empurrar a UE para impor sanções cada vez maiores que deliberadamente colapsarão suas economias nacionais, enquanto permitem que os EUA peguem tudo.

Veja as consequências econômicas catastróficas sentidas pelos europeus em sua vida diária (mas não pelos cinco por cento mais ricos): inflação devorando salários e poupanças; as contas de energia do próximo inverno são um soco médio; produtos desaparecendo dos supermercados; reservas de férias quase congeladas. O francês Le Petit Roi Emmanuel Macron – talvez enfrentando uma desagradável surpresa eleitoral – até anunciou: “vales-refeição como na Segunda Guerra Mundial são possíveis”.

Temos a Alemanha enfrentando o fantasma da hiperinflação de Weimar. O presidente da BlackRock, Rob Kapito, disse, no Texas, “pela primeira vez, esta geração vai entrar em uma loja e não conseguir o que quer”. Os agricultores africanos não podem comprar fertilizantes este ano, reduzindo a produção agrícola em uma quantidade capaz de alimentar 100 milhões de pessoas.

Zoltan Poszar, ex-guru do Fed de Nova York e do Tesouro dos EUA, atual grão-vizir do Credit Suisse, está em alta, enfatizando como as reservas de commodities – e, aqui, a Rússia é incomparável – serão uma característica essencial do que ele chama de Bretton Woods III (embora , o que está sendo projetado pela Rússia, China, Irã e União Econômica da Eurásia é um pós-Bretton Woods).

Poszar observa que as guerras, historicamente, são vencidas por quem tem mais alimentos e energia, no passado para abastecer cavalos e soldados; hoje para alimentar soldados e tanques de combustível e caças. A China, aliás, acumulou grandes estoques de praticamente tudo.

Poszar observa como nosso atual sistema Bretton Woods II tem um impulso deflacionário (globalização, comércio aberto, cadeias de suprimentos just-in-time), enquanto Bretton Woods 3 fornecerá um impulso inflacionário (desglobalização, autarquia, acumulação de matérias-primas) de suprimento correntes e gastos militares extras para poder proteger o que resta do comércio marítimo.

As implicações são obviamente esmagadoras. O que está implícito, ameaçadoramente, é que esse estado de coisas pode até levar à Terceira Guerra Mundial.

Rublegas ou LNG americano?

A mesa redonda russa Valdai Club conduziu uma discussão essencial de especialistas sobre o que nós do The Cradle definimos como   Rublegas – o verdadeiro divisor de águas geoeconômico no coração da era pós-petrodólar. Alexander Losev, membro do Conselho Russo de Política Externa e de Defesa, ofereceu os contornos do Big Picture. Mas coube a Alexey Gromov, diretor-chefe de energia do Instituto de Energia e Finanças, apresentar detalhes cruciais.

A Rússia, até agora, estava vendendo 155 bilhões de metros cúbicos de gás para a Europa a cada ano. A UE promete retoricamente se livrar dele até 2027 e reduzir a oferta até o final de 2022 em 100 bilhões de metros cúbicos. Gromov perguntou “como” e observou: “qualquer especialista não tem resposta. A maior parte do gás natural da Rússia é transportada por gasodutos. Isso não pode simplesmente ser substituído por Gás Natural Liquefeito (GNL).”

A resposta europeia risível foi “começar a economizar”, como em “prepare-se para piorar” e “reduza a temperatura nas residências”. Gromov observou como, na Rússia, “22 a 25 graus no inverno é a norma. A Europa está promovendo 16 graus como ‘saudável’ e vestindo suéteres à noite”.

A UE não conseguirá obter o gás de que precisa da Noruega ou da Argélia (que está privilegiando o consumo doméstico). O Azerbaijão seria capaz de fornecer no máximo 10 bilhões de metros cúbicos por ano, mas “isso levará 2 ou 3 anos” para acontecer.

Gromov enfatizou como “não há excedente no mercado hoje para o GNL dos EUA e do Catar”, e como os preços para os clientes asiáticos são sempre mais altos. A conclusão é que “até o final de 2022, a Europa não poderá reduzir significativamente” o que compra da Rússia: “eles podem cortar em 50 bilhões de metros cúbicos, no máximo”. E os preços no mercado spot serão mais altos – pelo menos US$ 1.300 por metro cúbico.

Um desenvolvimento importante é que “a Rússia já mudou as cadeias de suprimentos logísticos para a Ásia”. Isso também se aplica ao gás e ao petróleo: “Você pode impor sanções se houver um excedente no mercado. Agora há uma escassez de pelo menos 1,5 milhão de barris de petróleo por dia. Enviaremos nossos suprimentos para a Ásia – com desconto.” Do jeito que está, a Ásia já está pagando um prêmio, de 3 a 5 dólares a mais por barril de petróleo.

Sobre os embarques de petróleo, Gromov também comentou sobre a questão-chave do seguro: “Os prêmios de seguro são mais altos. Antes da Ucrânia, tudo era baseado no sistema Free on Board (FOB). Agora os compradores estão dizendo ‘não queremos correr o risco de levar sua carga para nossos portos’. Então eles estão aplicando o sistema de Custo, Seguro e Frete (CIF), onde o vendedor tem que segurar e transportar a carga. Isso, obviamente, afeta as receitas.”

Uma questão absolutamente fundamental para a Rússia é como fazer a transição para a China como seu principal cliente de gás. Trata-se do Power of Siberia 2, um novo gasoduto de 2.600 km com origem nos campos de gás russos de Bovanenkovo ​​e Kharasavey, em Yamal, no noroeste da Sibéria – que atingirá plena capacidade somente em 2024. E, primeiro, a interligação através da Mongólia deve ser construído – “precisamos de 3 anos para construir esse pipeline” – então tudo estará pronto apenas por volta de 2025.

No gasoduto Yamal, “a maior parte do gás vai para a Ásia. Se os europeus não comprarem mais, podemos redirecionar.” E depois há o projeto Arctic LNG 2 – que é ainda maior que Yamal: “a primeira fase deve ser concluída em breve, está 80% pronta”. Um problema extra pode ser colocado pelos “Amigáveis” russos na Ásia: Japão e Coréia do Sul. A infraestrutura de GNL produzida na Rússia ainda depende de tecnologias estrangeiras.

É isso que leva Gromov a observar que “o modelo de economia baseada na mobilização não é tão bom”. Mas é com isso que a Rússia precisa lidar, pelo menos a curto e médio prazo.

Os pontos positivos são que o novo paradigma permitirá “mais cooperação dentro dos BRICS (as economias emergentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul que se reúnem anualmente desde 2009);” a ampliação do Corredor Internacional de Transportes Norte Sul (INSTC); e mais interação e integração com “Paquistão, Índia, Afeganistão e Irã”.

Apenas em termos de Irã e Rússia, as trocas no Mar Cáspio já estão em andamento, pois o Irã produz mais do que precisa e deve aumentar a cooperação com a Rússia no âmbito de sua parceria estratégica reforçada.

Geoeconomia hipersônica

Coube ao especialista em energia chinês Fu Chengyu oferecer uma explicação concisa de por que a iniciativa da UE de substituir o gás russo pelo GNL americano é, bem, um sonho. Essencialmente, a oferta dos EUA é “muito limitada e muito cara”.

Fu Chengyu mostrou como um processo demorado e complicado depende de quatro contratos: entre o desenvolvedor de gás e a empresa de GNL; entre a empresa de GNL e a empresa compradora; entre o comprador de GNL e a empresa de carga (que constrói os navios); e entre o comprador e o usuário final.

“Cada contrato”, ele apontou, “leva muito tempo para terminar. Sem todos esses contratos assinados, nenhuma parte investirá – seja investimento em infraestrutura ou desenvolvimento de campos de gás.” Portanto, a entrega real de GNL americano para a Europa pressupõe que todos esses recursos interconectados estejam disponíveis – e se movendo como um relógio.

O veredicto de Fu Chengyu é severo: essa obsessão da UE em abandonar o gás russo provocará “um impacto no crescimento econômico global e recessão. Eles estão empurrando seu próprio povo – e o mundo. No setor de energia, todos seremos prejudicados”.

Foi bastante esclarecedor justapor a próxima turbulência geoeconômica – a obsessão da UE em contornar o gás russo e o início do Rublegas – com as verdadeiras razões por trás da Operação Z na Ucrânia, completamente obscurecida pela mídia e pelos analistas ocidentais.

Um antigo profissional do Deep State dos EUA, agora aposentado, e bastante familiarizado com o funcionamento interno do antigo OSS, o precursor da CIA, até a demência neocon de hoje, forneceu alguns insights preocupantes:

“Toda a questão da Ucrânia é sobre mísseis hipersônicos que podem chegar a Moscou em menos de quatro minutos. Os EUA os querem lá, na Polônia, Romênia, Estados Bálticos, Suécia, Finlândia. Isso viola diretamente os acordos de 1991 de que a OTAN não se expandirá na Europa Oriental. Os EUA não têm mísseis hipersônicos agora, mas deveriam – em um ano ou dois. Esta é uma ameaça existencial para a Rússia. Então eles tiveram que ir para a Ucrânia para impedir isso. Em seguida serão a Polônia e a Romênia, onde os lançadores foram construídos na Romênia e estão sendo construídos na Polônia.”

De uma perspectiva geopolítica completamente diferente, o que realmente é revelador é que sua análise se encaixa com a geoeconomia de Zoltan Poszar: “Os EUA e a OTAN são totalmente beligerantes. Isso representa um perigo real para a Rússia. A ideia de que a guerra nuclear é impensável é um mito. Se você olhar para o bombardeio de Tóquio contra Hiroshima e Nagasaki, mais pessoas morreram em Tóquio do que Hiroshima e Nagasaki. Essas cidades foram reconstruídas. A radiação desaparece e a vida pode recomeçar. A diferença entre o bombardeio incendiário e o bombardeio nuclear é apenas a eficiência. As provocações da OTAN são tão extremas que a Rússia teve que colocar seus mísseis nucleares em alerta de prontidão. Este é um assunto gravemente sério. Mas os EUA ignoraram.”

Leia na íntegra: Sente-se e assista a Europa cometer suicídio

Um comentário sobre “*Sente-se e Assista a Europa cometer Suicídio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.