*EUA e OTAN brincam com fogo em sua Última Campanha anti-Rússia

EUA e OTAN brincam com fogo em sua última campanha anti-Rússia
O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky bancou o soldado enquanto usava farda de combate na região de Donbass, leste da Ucrânia, em 9 de abril de 2021. O comediante russo que se tornou político nacionalista ucraniano tornou-se uma ferramenta dos planos dos EUA para expandir a OTAN em seu país e promover o interesses dos monopólios ocidentais de combustíveis fósseis. 
Assessoria de Imprensa da Presidência da Ucrânia via AP

A grande mídia, liderada pelo New York Times e MSNBC, está intensificando uma campanha que pode resultar em uma ação militar da OTAN e dos EUA contra a Rússia. Eles aparentemente querem adicionar uma campanha anti-Rússia aos ataques em andamento à China. A acreditar nesses meios de comunicação corporativa, a “concentração de tropas” da Rússia dentro de seu próprio território, próximo à fronteira com a Ucrânia, é prova de perigo. Eles nada dizem sobre o fato de que as tropas dos EUA, sob o pretexto da OTAN, estão na verdade dentro da Ucrânia, treinando militares de direita lá para uma luta com a Rússia.

Times disse na segunda-feira que os ucranianos “expulsaram” um presidente amigo da Rússia em 2014 e que estão “cada vez mais a favor” de “vincular seu país” às instituições ocidentais.

Nacionalistas ucranianos de direita carregam tochas e uma faixa com o líder fascista da segunda guerra mundial Stepan Bandera durante um comício em Kiev em 1º de janeiro de 2019. | Efrem Lukatsky / AP

O que realmente aconteceu, é claro, é que os EUA desenterraram a memória do conhecido líder fascista da era da Segunda Guerra Mundial Stepan Bandera e promoveram seu movimento para dar um golpe contra o presidente “pró-russo”, Viktor Yanukovych, que havia sido eleito pelo próprio povo ucraniano. Seu crime foi recusar-se a ceder às exigências da UE e do FMI de que a austeridade fosse imposta à Ucrânia. Em vez disso, ele apelou à Rússia por ajuda econômica.

Isso levou ao golpe fascista e a um novo governo que baniu os partidos políticos da oposição, incluindo o amplamente apoiado Partido Comunista. Até proibiu o uso da língua russa, a língua principal de 40% ou mais do povo ucraniano. Também colocou fascistas conhecidos no comando da polícia e dos militares do país como uma recompensa pelo apoio fascista ao golpe.

Uma exigência da campanha anti-Rússia dentro da Ucrânia é que a língua russa seja suprimida e o nacionalismo ucraniano extremo promovido. O atual presidente Volodymyr Zelensky fala ucraniano em público atualmente, embora tenha alcançado a fama em seus muitos anos como comediante russo na Ucrânia.

Centenas de líderes sindicais e ativistas foram assassinados pelo novo governo ucraniano de direita logo após sua chegada ao poder. Entre seus muitos crimes, o governo fascista agora elogiado pelos EUA como um farol da democracia também abriu o país para a venda e uso de alimentos cultivados em regiões contaminadas perto do reator nuclear de Chernobyl, que derreteu de forma infame em 1986. O “ O governo pró-russo deposto pelos fascistas proibiu a venda e o uso de alimentos cultivados em regiões contaminadas com energia nuclear.

Não mencionado inteiramente no artigo do New York Times na segunda-feira é o fato de que, quando a União Soviética foi desmantelada, a Otan concordou em não se expandir um centímetro para o leste. Quase imediatamente violou esse tratado e transferiu tropas, incluindo forças dos EUA, para países como Polônia, República Tcheca, Hungria e outros – todos os quais haviam feito parte da aliança do Pacto de Varsóvia liderada pelos soviéticos.

Um mapa pintado na estação de recebimento de gás natural em Lubmin, Alemanha, mostra a rota planejada de um novo gasoduto que traria o gás russo para a Alemanha sob o Mar Báltico. O procedimento para certificar o operador do gasoduto foi cancelado por causa de um tecnicismo recentemente, um presente para monopólios de energia ocidentais perturbados com o acordo alemão com a Rússia. | Stefan Sauer / dpa via AP

Para piorar a situação, a OTAN também transferiu tropas para países que faziam parte da própria União Soviética, incluindo Letônia e Lituânia, entre outros. As ex-repúblicas soviéticas, como a Bielo-Rússia, que recusam o controle ou as incursões da OTAN, acabam sendo pesadamente sancionadas. A OTAN e os Estados Unidos também treinam descaradamente tropas dentro da Ucrânia.

Mísseis nucleares foram colocados na Alemanha, a apenas dez minutos de Moscou, se lançados – outra violação dos acordos feitos no final da Guerra Fria. Se mísseis nucleares fossem movidos para a Ucrânia, isso daria às pessoas em Moscou menos de cinco minutos para reagir. Imagine o que os EUA fariam se houvesse bases militares russas no Canadá, México, Caribe e outros lugares. Os Estados Unidos mantêm mais de 700 bases em todo o mundo, muitas das quais cercam a Rússia por todos os lados. A Rússia, em contraste, tem apenas uma única instalação militar fora de suas fronteiras, na Síria.

Pelo menos parte da razão para uma possível agressão ocidental contra a Rússia é o desejo dos monopólios de combustíveis fósseis de controlar o mercado mundial de energia. Os EUA, por meio de sanções, já forçaram a suspensão de uma extensão de um gasoduto russo destinado a entregar gás natural à Alemanha e à Europa. A motivação para a sabotagem do oleoduto não foi salvar o meio ambiente, mas sim forçar a Europa a comprar o gás fraturado que os magnatas dos combustíveis fósseis americanos estão promovendo.

Uma das “preocupações” ultrajantes expressas pelos EUA na atual campanha da Russofobia é o controle russo da região russa da Crimeia que, desde 1954, era administrada pela República Socialista Soviética Ucraniana e mais tarde pela Ucrânia com o acordo de Moscou. Quando a União Soviética foi desmantelada, todos, incluindo os EUA, apoiaram manter o controle de uma base naval com capacidade nuclear na Crimeia sob controle russo porque ninguém queria correr o risco de tal base cair em mãos irresponsáveis, o que teria acontecido se os recém- O governo fascista instalado em Kiev assumiu o controle.

Vendo a perseguição que o governo fascista ucraniano estava visitando contra russos étnicos em toda a Ucrânia, a população de maioria russa da Crimeia votou para voltar à administração de sua região para a Rússia em 2014, diminuindo assim também o perigo que teria sido representado por fascistas controle da base naval lá.

A fim de obter o controle econômico da Rússia, os interesses capitalistas ocidentais estão forçando seu esforço total para transformar a Ucrânia em uma base contra a Rússia. Os russos observam que as leis contra o uso da língua russa e o convite do governo ucraniano aos países ocidentais para entrar e fazer manobras militares conjuntas com eles são exemplos de como isso está sendo feito.

“Não seria exagero dizer que o curso de assimilação forçada de um estado ucraniano etnicamente puro contra a Rússia é comparável em suas consequências ao uso de uma arma de destruição em massa contra nós.” O presidente russo, Vladimir Putin, escreveu recentemente, em uma reflexão sobre os sentimentos da vasta maioria da Rússia, incluindo os de seus oponentes políticos.

Durante séculos, houve uma relação estreita entre a Ucrânia e a Rússia. Na verdade, Kiev, agora a capital da Ucrânia, é o local histórico da fundação da própria Rússia na Idade Média. Escritores russos populares vêm da Ucrânia. O antigo líder soviético Leonid Brezhnev, que ocupou o cargo de 1964 a 1982, também era ucraniano.

Membros da Marinha dos Estados Unidos a bordo do USS Ross, um destruidor de mísseis guiados, no Mar Negro, 7 de julho de 2021. Dezenas de navios de guerra da OTAN e ucranianos têm conduzido jogos de guerra em uma demonstração de força contra a Rússia. | Efrem Lukatsky / AP

Existem milhões de ucranianos e russos que fazem parte da mesma família. Pesquisas de opinião publicadas pelo governo de direita ucraniano mostram uma divisão uniforme entre os que defendem a adesão à OTAN e os que se opõem. As últimas pesquisas realizadas por grupos independentes em 2012, no entanto, mostraram apenas 10-12% a favor da adesão à OTAN. Isso explica o fervor com que o governo de direita em Kiev tem pressionado seus esforços anti-Rússia.

O mundo não pode permitir que a OTAN e os EUA façam sua perigosa campanha contra a Rússia. O mundo tem muitas necessidades que só podem ser resolvidas pela cooperação internacional. A hostilidade dos EUA e da OTAN para com a Rússia não beneficia ninguém, exceto os interesses militares e corporativos de energia por trás de tantos problemas no mundo.

Esperemos que o presidente Biden tenha isso em mente ao se preparar para seu próximo encontro com o presidente Putin. Os falcões de guerra dispostos a arriscar um conflito com a Rússia são as mesmas pessoas que se opõem à sua agenda econômica aqui em casa.

Leia na íntegra: U.S. and NATO play with fire in their latest anti-Russia campaign

Leia também: Áudio revela como Rudy Giuliani pressionou Ucrânia a investigar Biden (EUA e o nazifascismo ucraniano, um namoro de longa data)

Leia também: Pesadelo de Trump: a linha do tempo do caso Ucrânia

Leia também: Dois empresários ligados a escândalo Trump-Ucrânia são presos nos EUA

Leia também: Oposição acusa presidente da Ucrânia de estabelecer ditadura, diz agência russa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.