*Exame da Geopolítica Imperial dos EUA no Espectro do Caribe (Haiti, muito mais que um país paupérrimo, a importância na logística contemporânea)

Petrocaribe-Map.png
Venezuela (em amarelo) e os demais membros da Petrocaribe (em verde).
TipoOrganização internacional
Fundação14 de dezembro de 2004
Sede Caracas
Membros14 membros[Expandir]
Línguas oficiaisEspanhol e Inglês
Sítio oficialPetrocaribe

A GUERRA CONTRA O PETROCARIBE NO CENTRO DAS AMÉRICAS

O professor Jean-Claude Gerlus, em sua pesquisa ” Os efeitos da Guerra Fria nas relações entre os Estados Unidos e o Haiti “, não se enganou ao indicar que naquele período a bacia do Caribe se transformava em zona de guerra não declarada. As reminiscências continuam a ser vividas na região. Dias atrás ocorreu o assassinato do presidente do Haiti , Jovenel Moïse, cujos autores materiais são mercenários de origem americana e colombiana.

Diante desse fato, a incerteza e a volatilidade política estão sobre a mesa no Haiti e, à medida que o assassinato é esclarecido, torna-se visível a interferência dos Estados Unidos e de seu satélite, a Colômbia (9 bases estadunidenses instaladas em solo colombiano, uma delas contem misseis médio e longo alcance, aptos a receber ogivas nucleares).

Portanto, é conveniente fazer uma revisão historiográfica e política, a partir do macro, sobre o papel da bacia do Caribe no cenário geopolítico, levando em consideração dois eixos: a Iniciativa dos Estados Unidos para a Bacia do Caribe e a doutrina americana na gestão. das relações internacionais na área do Caribe.

Mas, primeiro, é pertinente apontar uma consideração geopolítica feita pelo ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger sobre a importância do Haiti no radar do Caribe:

  • O Haiti tem uma posição de controle de acesso ao Mar do Caribe, uma vez que 70% do tráfego marítimo do Canal do Panamá transita pelo Paso de los Vientos (ou Passagem de Barlavento) entre o Haiti e Cuba; conecta o Oceano Atlântico com o Mar do Caribe.

A passagem do Winds_sv-exit.com_.png

A Passagem dos Ventos (Foto: sv – exit . Com )

Além dessa consideração da importância do Caribe, no início de julho o vice-presidente do Conselho de Ministros da Península da Crimeia, Georgui Murádov, propôs na Nicarágua uma rota mais rápida para o comércio com o Caribe do que a rota tradicional do Norte.

Murádov destacou que, com a atual cadeia logística ao longo dos mares do norte da Europa, são necessários mais de 45 dias para entregar mercadorias da Nicarágua, Cuba e Venezuela à Rússia. Enquanto a rota para a Rússia via Crimeia seria duas vezes mais rápida.

“Em 17 dias é possível entregar qualquer carga da América Latina aos portos da Crimeia para toda a Rússia  , explicou Murádov .

1. ORIGEM E PROMOÇÃO DA INICIATIVA DA BACIA DO CARIBE

A bacia do Caribe corresponde à faixa geográfica que abrange as nações caribenhas, e que vai da frente litorânea ao norte da Venezuela e da Colômbia, passa pelo leste da América Central e termina na fronteira com o sul da Flórida.

Este amplo espaço marítimo é essencial para os Estados Unidos, que, para além da sua proximidade, recursos e rotas comerciais, fazem desta área um alvo frequente em termos de interferências e intervenções de todo o tipo por parte das administrações norte-americanas.

Parte da base para essa abordagem é impulsionada pelo livro de Alfred Mahan, The Influence of Sea Power in History: 1660-1783 , que inspirou o então presidente dos EUA Theodore Roosevelt a expandir o poder marítimo da América para garantir recursos e “rodovias” navais ( como Mahan categorizou) para navios de todos os tipos no Caribe e no Pacífico.

Nesse livro, Mahan explicou algumas chaves importantes sobre esta estrutura:

  • Utilizava a premissa “Tudo o que se move na água, ao contrário do que se move em terra, tem a prerrogativa de defesa ofensiva”, o que justificou a necessidade de capacitar a Marinha dos Estados Unidos.
  • O Mar do Caribe deve ser de extrema importância para a política externa e de segurança dos Estados Unidos, deve até ser considerado uma espécie de Mare Nostrum americano. O adjetivo “americano” se refere aos Estados Unidos, não ao continente em sua melhor forma.
  • O istmo do Panamá é o centro nevrálgico para a conquista do poderio naval e para a eficiência da frota nos planos.

Capa do livro Mahan_archivo.png

Capa do livro por AT Mahan (foto: arquivo)

Assim, os elementos gerais levantados por Mahan contextualizam as táticas feitas pelos Estados Unidos que foram executadas no século XIX, de mãos dadas com um instrumento legal que extrapolava as fronteiras: o Ato das Ilhas Guano de 1856, uma vez que essa lei lhe deu o poder abusou dos cidadãos norte-americanos ao tomar posse de terras caribenhas que continham depósitos de guano, um recurso importante na época porque permitia a fertilização das terras agrícolas dos Estados Unidos.

Após essa fase de expansão imperial e após a invasão de Granada patrocinada e coordenada pela Casa Branca, os Estados Unidos matizam a tática em relação ao Caribe ao elevar unilateralmente os programas comerciais conhecidos como Caribbean Basin Initiative (CBI).

Esse programa foi lançado por meio da Lei de Recuperação Econômica da Bacia do Caribe (CBERA) em 1983, depois expandido para uma natureza de segurança compartilhada em 2010, com o suposto argumento de reduzir o tráfico ilícito e aumentar a segurança dos Estados Unidos e do Caribe.

Com essa pedra fundamental, os Estados Unidos investiram mais de US $ 556 milhões para o CBI por meio de programas administrados pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), do ano fiscal de 2010 a 2018. Esse investimento, por exemplo, não trouxe benefícios reais para o região, portanto, é ostensivo que responde a agendas opacas em favor dos interesses dos Estados Unidos, tanto em termos de segurança como de comércio.

Nesse sentido, os acordos levam os países caribenhos a dependerem drasticamente da “ajuda” externa, criando desvantagens nas negociações com o governo dos Estados Unidos no poder, colocando em risco a respectiva agenda nacional.

Em suma, o caráter da CBI é abertamente bilateral e ameaça a integração regional, promovendo e fortalecendo os interesses dos Estados Unidos, bem como seu domínio econômico e militar na fachada caribenha, área considerada por Washington como seu reduto no sul.

Em 2015, o governo Barack Obama lançou a Caribbean Energy Security Initiative em uma cúpula de energia, e o então vice-presidente Joe Biden disse algumas palavras sobre isso:

  • Ele deixou claro que a energia e a segurança do Caribe e da América Central são questões primordiais para os Estados Unidos.
  • Ele também explicou que os baixos preços do petróleo, somados ao colapso dos custos das energias renováveis, abriram uma janela para investir mais no exterior e especificou que o exterior fica do outro lado do mar, em direção ao Caribe.
  • Ele citou exemplos de novos projetos de energia com alguns países do Caribe, como os US $ 90 milhões que eles desembolsaram para a Jamaica para a construção de um projeto de energia renovável.
  • Também indica que os Estados Unidos e a “comunidade internacional” também podem fornecer assistência técnica, supostamente para ajudar os países a atrair investimentos em seus setores de energia. Naquela época, a USAID anunciou um programa de US $ 10 milhões para fornecer investimentos em energia na Jamaica.
  • Em seguida, concluiu que o novo enfoque dos Estados Unidos é o Caribe, para garantir que os projetos possam ser vinculados ao financiamento.

A nova escalada dos Estados Unidos contra a Venezuela já estava começando, sendo o primeiro objetivo atacar a plataforma de cooperação integral entre a Venezuela e as nações caribenhas: Petrocaribe.

2. DOUTRINA MONROE E COROLÁRIO ROOSEVELT

A abordagem geoestratégica dos Estados Unidos ao espaço caribenho é constituída por suas principais linhas de política externa, transmutadas em suas virtudes autoproclamadas: excepcionalismo e universalismo.

  • Excepcionalismo americano : instrumento cultural ou desculpa para legitimar suas ações de ingerência, gerando a crença ou mito de que os Estados Unidos são uma nação qualitativamente diferente ou superior ao resto do mundo, ou seja, uma nação única.
  • Universalismo americano : crença sobre o amplo escopo de alguma ideia ou doutrina americana que tem aplicabilidade universal.

Com essas duas cartas, os governantes norte-americanos afirmam ou justificam suas ações porque, para eles, sob essa concepção, qualquer ator internacional ou Estado que não esteja em sintonia com os interesses dos Estados Unidos é considerado uma ameaça.

Sob esses preceitos, a história conta como a Doutrina Monroe com sua “América para os (norte) americanos” voltada para a Europa mais tarde se tornou a razão do estado gringo. Mas foi Theodore Roosevelt em 1904 quem expandiu a interferência na América Latina e no Caribe, e isso é o que é conhecido como “Corolário de Roosevelt”.

Essa variante da Doutrina Monroe consistia, segundo Roosevelt, em que os Estados Unidos poderiam “exercer poder de polícia internacional em casos flagrantes de tais irregularidades ou impotência”, servindo como justificativa para a intervenção desinibida dos Estados Unidos em Cuba, Nicarágua, Haiti e República Dominicana República.

De forma antagônica, o Comandante Hugo Chávez resgatou e promoveu a ideologia integracionista do Libertador Simón Bolívar. Com uma visão geoestratégica, as alianças energéticas se expandiram, soberanamente, para todas as regiões e houve uma grande mudança na dinâmica da política externa venezuelana voltada para o Caribe.

Após repetidas reuniões e compromissos firmados, em 2005 foi assinado o Acordo Petrocaribe para o fornecimento e financiamento de petróleo e outros produtos, sob os pilares da cooperação entre as nações participantes.

Esse marco geopolítico marcou o início da construção de uma alternativa na dinâmica das relações internacionais para contrabalançar a influência dos Estados Unidos na América Latina e no Caribe, esbofeteando os corolários americanos do século passado, libertando-os da exploração do transnacionais de petróleo.https://www.youtube.com/embed/9PJVLG8KIOA

Em 2012, o Comandante Chávez afirmou: “Petrocaribe se tornou realmente um mecanismo de cooperação sem precedentes, sem precedentes neste mundo e acredito que o mais avançado, hoje no planeta, de cooperação e intercâmbio, de solidariedade, e pode ser muito mais útil para nós também. “

Sem dúvida, é um mecanismo avançado porque se recuperam as ideias da nossa história e é possível transformá-las em novos códigos de conduta nas relações internacionais do continente americano, que agora faz parte real de toda a faixa caribenha, além de não só estar subordinado à exportação de petróleo e seus componentes, mas a exportar assistência social às comunidades mais carentes do Caribe. 

Nas palavras do ex-diretor executivo do Fundo de Desenvolvimento do Petrocaribe na Jamaica, Wesley Hughes: “Durante a crise financeira global, a Venezuela emergiu como a fonte mais importante de assistência bilateral à Jamaica. E se não fosse por essa assistência, por meio do acordo da Petrocaribe, a economia da Jamaica estaria em circunstâncias terríveis. As coisas teriam estado muito piores do que acabaram sendo. “

Romper com isso por meio de chantagens e “sanções” é insuficiente, pois além de tudo o que foi dito e dos atraentes esquemas de financiamento da plataforma de petróleo caribenha, também se deve considerar que a visibilidade e o respeito dado a cada nação caribenha participante, trazem uma carga de importante valor, já que historicamente no Caribe enquanto reinam a instabilidade e a submissão, para os Estados Unidos é uma clara vantagem manter o controle da carniça que costuma impor. E é isso que geram condições para a instabilidade dos países do Sul, são práticas já reconhecidas sob a patente dos Estados Unidos, o que aconteceu no Haiti aparece nessa linha.

Não foi à toa que Barack Obama, antes de se despedir do Salão Oval, fez uma viagem presidencial em 2015 à Jamaica , que seus antecessores no cargo não faziam desde 1982. Essa visita teve o objetivo de abordar a questão da segurança energética, com ela o ex-presidente democrata estava preparando o terreno para que, nos próximos anos, o ataque de “sanções” atingisse com mais força a indústria petrolífera venezuelana para levar a Petrocaribe à falência.

Enquanto se conclui esta revisão geopolítica do Caribe, pretendem desestabilizar Cuba, como integrante do Paso de los Vientos e fundador da ALBA-TCP, tentando impor um golpe de cor com uma patente dos Estados Unidos. A estratégia contra o Caribe tem essa ilha no centro da disputa e está diretamente ligada ao tecido geopolítico que vai do norte da Flórida à bacia sul do Caribe.

Atualmente, em meio ao cerco dos Estados Unidos à Venezuela, o presidente venezuelano Nicolás Maduro aposta nas linhas que emanam da Aliança Bolivariana pelos Povos da Nossa América – Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP) como espaço de Fortalecimento da Petrocaribe , porque a integração regional requer a implementação de políticas internacionais justas e abrangentes que nos permitam transcender a questão energética e caminhar para formas comerciais de cooperação e relações internacionais, que deixam anos-luz atrás da já derrotada postura norte-americana ainda enrolada no conflito.- SOMOS UM GRUPO DE PESQUISADORES INDEPENDENTES DEDICADOS A ANALISAR O PROCESSO DE GUERRA CONTRA A VENEZUELA E SUAS IMPLICAÇÕES GLOBAIS. DESDE O INÍCIO, NOSSO CONTEÚDO É DE USO GRATUITO. DEPENDEMOS DE DOAÇÕES E COLABORAÇÕES PARA APOIAR ESTE PROJETO, SE VOCÊ DESEJA CONTRIBUIR COM A MISIÓN VERDAD PODE FAZÊ-LO AQUI <

Leia também: Policía de Haití afirma que magnicidio se planificó en República Dominicana

Um comentário sobre “*Exame da Geopolítica Imperial dos EUA no Espectro do Caribe (Haiti, muito mais que um país paupérrimo, a importância na logística contemporânea)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.