*O Movimento #MeToo (eu também) – Por villorBlue

Movimento #MeToo dá esperança para operárias dos Estados Unidos

O que dirianos quando um movimento atinge apenas a industria cinematográfica, setores televisivos, generalizando a “industria de entretenimento” e pouca(o)s política(o)s burgueses  ? Incandescendo assim, o discurso “burgues feminista.

O movimento #MeToo nasceu em 1996. Foi na pratica, idealizado pela ativista Tarana Burke (ativista feminista que luta pelo empoderamento das jovens mulheres negras estadunidenses) a partir do depoimento de uma criança, o #MeToo ganhou força nas redes o ano passado (2017) e caminha a passos lentos na grande mídia. Infelizmente o #MeToo ainda não ganhou as massas internacionais.

time

Foto: Tarana Burke e uma de suas frases históricas. 

Porém e assim, enquanto ficar no âmbito dos tribunais entre alguns “Harvey Weinstein’sversus atrizes de Hollywood será apenas um movimento (pequeno)burguês, mudando um comportamento “machista possessivo” apenas na burguesia e na classe média. Sem perspetivava de mudança das (por exemplo) atualmente/anualmente 3Mi universitárias estadunidenses que sofrem abuso sexual nos EUA

Atrizes vítimas de Weinstein

Foto: Atrizes que acusam Harvey Weinstein de assédio – e até estupro

Apenas quando o movimento #MeToo ultrapassar a industria do espetáculo, ganhar as ruas, escolas e ambientes de trabalho, (sendo incorporado pelas massas). Neste momento sim, teremos algo pra mudar. Um movimento que poderá tomar para si o discurso das “FEMINISTAS LIBERTÁRIAS“, realmente revolucionário e não alguma coisa para movimentar a mídia burguesa dando apenas a impressão que se quer mudar.

AS MULHERES SÃO MELHORES  DO QUE OS HOMENS“, em todas as missões que lhes são conferidas. Incluindo este motivo entre outros, as mulheres deveriam ganhar bem mais que os homens, não o contrário.

1514057371_076739_1514075262_noticia_normal_recorte1

A problemática dos graves defeitos incorporados ao patriarcalismo apenas será combatido e transformado quando mulheres livres se unirem em coletivos libertários e não em associações burguesas.

Leia também: Mulheres e microviolência sanitária

Leia também: Hugh Hefner: representante do patriarcado, não da “revolução sexual”

Leia também: As Mulheres que Expulsaram o Estado Islâmico de Kobani

Leia também: Curdistão/Iraque: Meninas Yazidis cometem suicídio em massa, ao serem estupradas por soldados do estado islâmico

Leia também: Mulheres que não tiveram tempo de ter medo: Homenagem à revolucionária anarquista Fanya Anisimova Barón

Leia também: Prostituição e tráfico de droga vão contar para o PIB britânico e de boa parte da Europa

Leia também: Eu também’ reforça revolução das mulheres que responsabiliza o assediador, e não mais a vítima

Leia também: VIOLÊNCIA SEXUAL: COMO SAIR DO SISTEMA DE DOMINAÇÃO PATRIARCAL?

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s