*O Problema do Militarismo na Sociedade

Definindo o militarismo como o monopólio anti-social mais avançado, Öcalan escreve: “O exército sempre foi o poder que penetrou, controlou e subjugou a sociedade, independentemente da forma do Estado, mas atingiu seu ápice na era da classe média (burguesa). ) e sob o monopólio do Estado-nação.

Academia da Modernidade Democrática – Traduzido por Rojava Azadi Madrid

Em “Sociologia da Liberdade” , terceiro volume do “Manifesto da Civilização Democrática” , Abdullah Öcalan apresenta seu método para resolver os problemas mais prementes do século XXI. As ideias e conceitos que contém trazem importantes contribuições para o debate global sobre um novo socialismo. Para o Movimento de Libertação Curdo, as perspectivas nele desenvolvidas não são apenas uma teoria abstrata, mas têm uma influência decisiva em sua política e programa. Atualmente, defende a ideia de um socialismo democrático para além do Estado e do poder. No quarto capítulo do livro, Öcalan aborda o surgimento da chamada questão social. Nele, ele analisa um total de doze problemas diferentes da sociedade que se entrelaçam: do poder e do Estado, passando pela ecologia, até a questão da democracia.

Com a guerra na Ucrânia, a questão do militarismo e do antimilitarismo volta a ser uma questão atual no plano internacional.

Definindo o militarismo como o monopólio anti-social mais avançado, Öcalan escreve: “O exército sempre foi o poder que penetrou, controlou e subjugou a sociedade, independentemente da forma do Estado, mas atingiu seu ápice na era da classe média (burguesa). ) e sob o monopólio do Estado-nação. As tendências de militarização na Europa, Oriente Médio, mas também entre EUA e China confirmam essa observação. A retirada e o cancelamento de tratados históricos de desarmamento por parte dos EUA e da Rússia nos últimos anos são uma expressão dessa tendência global. A Europa, que há anos se arma contra a Rússia, também registrou as maiores taxas de aumento das importações de armas a nível mundial[1].

Nesse contexto, publicamos um trecho sobre o problema do militarismo na sociedade:


“O militarismo é a forma mais avançada de monopólio anti-social. Não é irreal supor que o esforço inicial para estabelecer uma autoridade sobre a natureza social para oprimir e explorar as pessoas foi resultado do pensamento analítico e da ação de um ‘homem forte astuto’ da tradição da caça. Essencialmente, ele tentou estabelecer sua autoridade sobre dois grupos-chave: os caçadores ao seu lado e as mulheres que ele tentou confinar em casa. Ao longo do caminho, à medida que xamãs (proto-sacerdotes) e elementos gerontocráticos (grupos de anciãos) se juntaram ao astuto homem fortes, a primeira autoridade hierárquica foi formada em muitas sociedades e de várias formas. Com a transição para a civilização, o astuto homem forte e sua comitiva – agora o poder oficial – se institucionalizaram como o braço militar do Estado (o monopólio inicial da economia baseada na usurpação do produto excedente). As três dinastias sucessivas de Ur que se seguiram imediatamente ao surgimento do período rei-sacerdote na sociedade suméria refletem essa evolução, e muitas outras comunidades tiveram experiências paralelas. Na Epopeia de Gilgamesh é possível seguir passo a passo a maneira como o reino rompeu claramente com a tradição da deusa Inanna (a tradição das deusas-sacerdotisas) e a maneira como as sacerdotisas se tornaram fracas e isoladas em as casas (públicas e privadas). 

Se vemos Gilgamesh como símbolo do primeiro comandante da história, podemos analisar melhor o surgimento da tradição militarista. A tarefa dessa tradição era caçar pessoas para satisfazer a necessidade de escravos da cidade. Com a ajuda do colaboracionista Enkidu, mencionado na Epopéia de Gilgamesh, eles caçaram as chamadas tribos bárbaras selvagens (praticantes da religião Humbaba) que viviam no norte do atual Iraque. É evidente que a tirania da cidade foi a verdadeira fonte da barbárie e da selvageria. A palavra “bárbaro” na tradição cultural grega foi desenvolvida pela cidade como distração, propaganda e mentira para estabelecer superioridade ideológica. Tribos rurais, fracas e desorganizadas em relação à cidade, eles não podiam ser bárbaros no sentido que a sociedade oficial afirmava. O conceito de barbárie é uma das mentiras mais importantes na história da civilização. A segunda tarefa do bandido da cidade era “segurança“. Para fazer isso, o método mais comum era erguer castelos e muralhas e desenvolver armas cada vez mais poderosas e mortais. Para isso, milhões de pessoas foram escravizadas, convertidas em servos ou proletarizadas, e aqueles que não aceitaram seu novo status foram mortos, e, sem dúvida, tudo isso se refletiu na história até nós. o método mais comum era erguer castelos e muralhas e desenvolver armas cada vez mais poderosas e mortais. 

De acordo com seu poder, os militares se apropriaram da maior parte do valor econômico extorquido, como pode ser visto nas inúmeras expedições históricas sem outro propósito que não o saque. Além disso, a propriedade era a base do Estado, e a conquista e apreensão militar eram claramente a fonte da propriedade. Quem a conquistou a possuía, declarando-a como um direito natural e inalienável. É a soma de propriedade (especialmente terra) e pilhagem (bens transportáveis) conquistada e confiscada pelas forças do poder e do Estado. O princípio de que “todas as terras e povos otomanos pertencem ao sultão“, por exemplo, nada mais é do que a continuação dessa tradição fundadora sobre a relação entre o Estado e as expedições militares. A tradição foi estabelecida desta forma e sancionada em cada Estado recém-construído. Por isso, os militares se veem como os verdadeiros guardiões do Estado e, portanto, da propriedade. E, ao se definirem como tal, levam em conta essa tradição histórica. O fato de ser o braço mais forte do monopólio é consistente com a natureza do poder e do Estado. De fato, a força humana e as armas que possuem são suficientes para atingir seus objetivos. Desse ponto de vista, não surpreende que os golpes militares sejam a resposta a esforços pontuais da burocracia civil para aumentar sua participação no monopólio. O papel dos monopólios ideológicos e burocráticos, também chamados de classes os militares se consideram os verdadeiros guardiões do Estado e, portanto, da propriedade. E, ao se definirem como tal, levam em conta essa tradição histórica. O fato de ser o braço mais forte do monopólio é consistente com a natureza do poder e do Estado. De fato, a força humana e as armas que possuem são suficientes para atingir seus objetivos. Desse ponto de vista, não surpreende que os golpes militares sejam a resposta a esforços pontuais da burocracia civil para aumentar sua participação no monopólio. 
Em primeiro lugar, o que realmente importa para nossos propósitos é que os militares são o monopólio mais avançado e decisivo. O soldado e o exército não são fonte de glória, honra e heroísmo (isto é propaganda ideológica destinada a mascarar e distorcer a essência das coisas), mas são um elemento essencial do monopólio do poder. Sua essência é econômica. O exército depende da economia. Situa-se acima dele e distante dele; mas, ao mesmo tempo, toma as medidas necessárias para garantir sua renda (salário) acima de tudo. É o setor do monopólio que é mais difícil de se opor e com o qual todos os outros segmentos do monopólio devem se comprometer e compartilhar a mais-valia, prática que tem ampla base histórica e é, como tal, uma institucionalidade profundamente enraizada. tradição. Em essência, é o monopólio da classe (burocracia) mais interessada no desenvolvimento econômico, mas que sente a necessidade mais urgente de manter distância. Para isso, projeta uma imagem de si mesmo como o poder mais remoto da sociedade, quando na realidade é o setor monopolista que se dotou das armas econômicas e militares mais avançadas. Sem uma análise correta dos militares, não podemos entender completamente o que são o monopólio econômico ou os monopólios do poder e do Estado. Os três formam um todo. Alimentam-se da mesma substância: os ganhos de capital da sociedade. Em troca, eles afirmam cuidar da segurança, educação, saúde e produtividade da sociedade. É assim que o estatismo, o estado ideológico, se apresenta. Mas esta não é a verdade; a verdade é como acabamos de descrever.

O exército é o braço mais organizado do capital e do poder. Portanto, segue-se que é a instituição que, em última instância, submete e aprisiona a sociedade. O exército sempre foi o poder que penetrou, controlou e subjugou a sociedade independentemente da forma do Estado, mas atingiu seu ápice na era da classe média (burguesa) e sob o monopólio do Estado-nação. A característica definidora do estado-nação é que, em nome da criação de um exército oficial, o resto da sociedade foi oficialmente desarmado e o monopólio de armas foi transferido para o estado e o exército. Em nenhum momento da história a sociedade foi tão desarmada como sob o domínio burguês. A razão para este grande desenvolvimento é a intensificação da exploração e o consequente aumento da resistência de longo alcance. A sociedade não pode ser governada se não estiver completa e continuamente desarmada, aberta à infiltração do poder e submetida a uma vigilância constante. A sociedade não pode ser governada se não estiver confinada na “gaiola de ferro” da modernidade[3]. Além disso, a sociedade não pode ser governada se não estiver confinada e sitiada pelo exército da mídia da era financeira monopolista global. A formação de monopólios ideológico-mídia, assim como monopólios burocrático-militares, reproduz os aspectos dos monopólios de exploração. Eles não são apenas inseparavelmente ligados, mas mutuamente condicionais. A última grande civilização central, a super-hegemonia, Juntamente com outras hegemonias regionais, incluindo todos os seus colaboradores locais, baseia-se no militarismo e numa gigantesca indústria bélica, tanto acima como dentro da sociedade. A prioridade dada a este monopólio sobre qualquer outro decorre de sua posição histórica e atual. Deste ponto de vista, a identificação do militarismo com o fascismo do capitalismo monopolista faz todo o sentido.

É claro que, durante a era da sociedade natural e ao longo da história registrada, várias formas de sociedade se engajaram em total autodefesa contra a evolução militarista da civilização, desenvolvendo uma variedade de formas de resistência e participando de inúmeras revoltas, participando de guerrilhas institucionalizadas e exércitos de defesa do povo e travando grandes guerras defensivas, todas baseadas em uma tradição de autodefesa. É claro que guerras defensivas e guerras de monopólio militarista não são equivalentes. Há uma diferença tanto na qualidade quanto na essência. Enquanto um é antissocial, colonialista, corruptor e destrutivo, o outro favorece e protege a sociedade e se esforça para liberar a capacidade moral e política da sociedade.

Imagem da internet: Mulheres Guerreiras Curdas
1 - De acordo com um relatório recente do Instituto de Pesquisa SIPRI, com sede em Estocolmo, as importações de material de defesa na Europa aumentaram 19% no quinquênio 2017-2021 em relação ao período 2012-2016, mais do que em qualquer outro continente. A causa, diz o SIPRI, tem sido "o acúmulo de armas contra a Rússia".
2 - Havia quatro instituições dentro da estrutura estatal do Império Otomano. A função do ilmiye era propagar a religião muçulmana, enquanto o kalemiye era administrativo.
3 - Max Weber utilizou o termo s tahlhartes Gehäuse (invólucro de aço temperado), traduzido como "gaiola de ferro", para descrever a crescente racionalização inerente à vida social; Max Weber, A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (Mineola, NY: Dover Publications, 2003).

*Coletivo para a revolução social de Rojava
*Curdistão paz e liberdade

PELA LIBERDADE, SOBERANIA E EM DEFESA DO CURDISTÃO PARA O POVO CURDO!

Leia na íntegra: O problema do militarismo na sociedade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.