*Não é um erro, é o Sistema

Beatriz Gimeno analisa com maestria o sistema judicial espanhol em Misoginia Judicial. A guerra legal contra o feminismo”. No livro ela fala sobre SAP e coordenação parental, realizada por profissionais sem nenhuma formação específica em saúde mental e que zelam pelos valores da família tradicional.

Gostamos de pensar que a justiça é imparcial e igual para todas as pessoas diante de crimes não econômicos ou cometidos por figuras públicas. Nos tranquiliza acreditar que quando a verdade estiver do nosso lado, quando a injustiça e o dano forem tão evidentes, quando o culpado for tão bem identificado, a justiça será feita. Não há discussão possível. Não há opiniões ou dúvidas porque, o que aconteceria se não fosse assim? Essa é a análise da política e ativista feminista Beatriz Gimeno em seu último trabalho, Misoginia Judicial. A guerra jurídica contra o feminismo (Editorial Libros de la Catarata, 2022).

Partindo da premissa de Hannah Arendt que diz onde há mais igualdade há mais violência, porque é mais necessária (partindo da premissa do sistema capitalista , patriarcal, misógino [parênteses nosso]) ; que quando a desigualdade se instala nas leis e no corpo social, a violência não é necessária porque tudo a reflete; não há resistência”, Gimeno analisa alguns dos casos mais escandalosos de injustiça, conhecidos por sua ampla cobertura midiática, e que revelam essa violência institucional.

Profusamente documentada, com base em artigos jornalísticos e documentos de trabalho de diferentes conferências profissionais, a análise começa em Ciudad Juárez, onde a vida das mulheres parece não ter valor e onde as instituições, tanto judiciárias quanto policiais, nada fazem para protegê-la e garanti-la. Isso pode nos parecer fruto da violência em que o país está mergulhado devido aos cartéis, mas o Estado tem um compromisso com a comunidade internacional de zelar por sua vida, algo que vem sendo sistematicamente descumprido. Nem mesmo os desaparecimentos ou assassinatos de mulheres são investigados em um ato não de negligência, mas de acobertamento.

Mas não precisamos ir tão longe, em nosso país a justiça é uma provação para muitas das mulheres que denunciam abusos contra elas ou contra seus filhos e filhas, ou estupros. O machismo tem permeado o judiciário, em algumas ações policiais e na mídia que cobre essas situações.

O autor nos lembra Infância Livre . Um caso particularmente midiático em que uma série de mulheres foi acusada de fazer parte dessa associação (ela foi praticamente mostrada na imprensa como uma seitacriada para fazer denúncias falsas e assim roubar filhos de seus pais . Particularmente a televisão foi a acusação contra María Sevilla, cujo boletim de ocorrência descrevia uma situação dantesca em que sua filha se encontrava: sem escolaridade e em estado “quase animal”. Neste relatório, a polícia afirmou que a menina “farejou” os agentes. A polícia apresentou documentação contra essas mulheres cheia de imprecisões, opiniões, dados tendenciosos e meias verdades distorcidas e a mídia correu para ecoar a morbidez insana e machista que despertou que essa situação pudesse estar ocorrendo. A imprensa não foi tão diligente em acompanhar o caso e informar que o Ministério Público, em 2020, desmantelou este relatório , com honrosas exceções como as de Marisa Kohan em Público , Patricia Reguero em El Salto ePatrícia Ortega, Maria Sosa e Miguel Á. Medina no País .

Após essa exposição do machismo que permeia as ações policiais e questiona a veracidade de outros profissionais que têm a obrigação de denunciar de ofício as situações de abuso que encontram, como é o caso do órgão de saúde, Gimeno aprofunda a questão da violência vigário, analisando a casos de Ángela González Carreño e Itziar Prats . Essa misoginia judicial, baseada na crença de que um agressor pode ser um bom pai e que não cumprirá as ameaças de prejudicar seus filhos ou filhas, leva a colocar em risco a vida deles, descumprindo seu dever de zelar por seus filhos ou filhas. interesses dos filhos e protegê-los, levando ao assassinato nas mãos de seus pais.

É aqui que Gimeno explica o conceito de SAP (Síndrome de Alienação Parental) e coordenação parental e nos chama à rebeldia. Como é possível que uma falsa teoria, negada pela comunidade científica e perseguida especificamente esta doutrina pelo Conselho Geral da Magistratura, tenha penetrado entre juízes, procuradores e profissionais dos Pontos de Encontro da Família?

SAP é uma falsa síndrome criada para defender pais em processos de custódia durante divórcios, silenciando e encobrindo casos de abuso (especialmente abuso sexual por parte do pai de suas filhas e filhos), tirando a voz de menores e apontando as mães para a criação de falsas memórias e lavagem cerebral contra seus pais do sexo masculino. Ele nega categoricamente a possibilidade desses abusos e acusa mães, filhos e filhas e profissionais que denunciam ex officio de inventar esses episódios. Essa recusa bloqueia qualquer iniciativa de investigar o ocorrido para que os menores se recusem a ir com os pais ou encontrá-los no PEF.

Consciente deste perigo, o CGPJ luta repetidamente contra a propagação desta falsa teoria , mas o autor revela-nos outra figura que conseguiu infiltrar-se na ordem da Comunidade Autónoma de Navarra, que não é legalmente reconhecida, que não existe em nenhuma outra parte do mundo e que é ainda mais perigoso, pois tem o poder de anular sentenças judiciais, modificá-las a seu gosto e cujos relatórios estão acima dos profissionais especificamente habilitados para denunciar casos de abuso: a coordenação paternidade. Alguns supostos profissionais sem nenhum tipo de formação específica em saúde mental ou resolução de conflitos, formados por meio de mestrado oferecido de forma privada e que zelam pelos valores e composição tradicional da família. Nas palavras de Gimeno: “A coordenação parental é aplicada em procedimentos familiares de ‘alto conflito’, sem distinguir se o conflito decorre de violência de gênero, abuso sexual ou não. O fim para o qual é utilizado não é outro senão o cumprimento das visitas dos menores ao pai quando há guarda materna e quando os menores se recusam a participar nelas. A coordenação parental sustenta que estas visitas são sempre benéficas, mesmo quando o pai é agressor ou abusador sexual ”

Todos os casos que Beatriz Gimeno analisa neste trabalho são um apelo constante à luta feminista contra a misoginia que ainda encontramos em nosso sistema judicial. Esse sistema que prende María Salmerón por defender sua filha e impedi-la de visitar um pai abusivo contra sua vontade, aquele que arrebata Sara BB suas filhas e as entrega ao ex-marido abusivo e agressor da filha mais velha, que nem é pai reconhecido da menor, e que também a aprisiona. Um sistema para o qual só vale a submissão de mulheres e menores à vontade do homem, que só cria a vítima perfeita e te pergunta se você fechou bem as pernas ou resistiu com todas as suas forças contra o estupro. Um texto necessário para abrir os olhos para a realidade da (in)justiça na Espanha.

Leia na íntegra: No es un error, es el sistema

Leia também: El SAP son los padres

Leia também: La telaraña de los abusos sexuales en la infancia

Leia também: Dos años del caso Infancia Libre: más unidad entre afectadas pero más dureza institucional

Leia também: El grito de auxilio de Irune Costumero y de su hija contra la aplicación del SAP

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.