*Violência e Disputas por Terras Ancestrais: um Olhar Sobre os Povos Indígenas da América Latina

“Na minha cidade, eles estão me ameaçando por me opor à mineração. Eles me dizem: ‘O que você vai fazer quando eles vierem e explodirem sua cabeça com dinamite? Vamos ver se você vai continuar resistindo”, diz Ruth Alipaz, líder indígena Uchupiamona, da Bolívia. Há anos, Alipaz enfrenta a construção da hidrelétrica Chepete-El Bala , um projeto formado por duas barragens que juntas inundariam pelo menos 66.200 hectares e provocariam a realocação de mais de 5.000 pessoas, a maioria indígenas.

Ameaças contra lideranças indígenas são uma constante na América Latina. Esta é uma escalada de violência que está deixando um rastro avassalador de assassinatos: 363 defensores dos povos indígenas perderam a vida entre 2012 e 2020 na região.

“Em todos os nossos relatórios, o número médio de assassinatos de indígenas é um terço do número total de assassinatos de defensores do meio ambiente em todo o mundo, mas essa relação é tremendamente esmagadora porque apenas 4% da população mundial corresponde a povos indígenas”, diz ele. . Marina Comandulli, Oficial de Campanhas da Global Witness, organização dedicada a mapear a situação dos defensores de direitos humanos no mundo

A situação mais crítica é, sem dúvida, na Colômbia . Naquele país, 117 indígenas foram mortos no período mencionado, o número mais alto do continente. “Ninguém quer denunciar o que está acontecendo nos territórios porque estão ameaçados. É uma situação humanitária muito séria”, reflete Fany Kuiru Castro, líder indígena Uitoto da Amazônia colombiana e coordenadora de Mulheres, Crianças e Famílias da Organização Nacional dos Povos Indígenas da Amazônia Colombiana (OPIAC).

Grande marcha indígena na Bolívia em 2021. Foto: Antonio Terceros.

Por que líderes indígenas estão sendo assassinados?

Como eles responderam a essa onda de violência? A Mongabay Latam entrevistou 12 lideranças indígenas de nove países da região para levantar as principais ameaças, demandas, tarefas pendentes do Estado, os desafios das lideranças indígenas e sua visão sobre conservação ambiental.

escalada de violência

No sábado, 30 de abril, o líder indígena Yesid Caña, membro do Conselho Regional Indígena de Cauca (CRIC), foi morto a tiros por homens armados que entraram na reserva La Guada, no departamento de Cauca. Segundo o Indepaz , sua morte se soma ao assassinato de 61 outros líderes sociais e ambientais até agora em 2022 na Colômbia.

No ano passado, o Indepaz relatou a morte de 171 pessoas mortas entre líderes sociais e defensores de direitos humanos na Colômbia; 55 deles pertenciam a povos indígenas. “Muitos de nossos guardas, autoridades, líderes sociais, mulheres, crianças e a população em geral foram mortos. Tivemos uma situação muito complexa, especialmente em Cauca e no sudoeste colombiano”, diz Aida Quilcué , líder indígena do Conselho Regional Indígena de Cauca (CRIC) e atual senadora do Movimento Alternativo Indígena e Social (MAIS), na Colômbia, que foi vítima direta dessa violência quando seu marido foi assassinado em 2008. Ela também foi ameaçada em mais de uma ocasião.

A situação não é diferente em outros países da região. O Ministério da Justiça peruano registrou 11 assassinatos contra defensores de direitos humanos desde o início da pandemia, número que difere de outras organizações. A Coordenadoria Nacional de Direitos Humanos, por exemplo, identificou 14 defensores assassinados, 10 deles eram lideranças indígenas.

“Os maiores problemas são as invasões territoriais. Também a extração de madeira, petróleo e mineração. Até as rodovias”, diz Teresita Antazú, liderança indígena que integra a diretoria da Associação Interétnica para o Desenvolvimento da Selva Peruana (Aidesep) e responsável pelo Programa de Mulheres Indígenas dessa organização.

Segundo Silvana Baldovino, diretora do Programa de Biodiversidade e Povos Indígenas da Sociedade Peruana de Direito Ambiental (SPDA), no Peru, a maioria dos defensores do meio ambiente morre defendendo seus territórios de atividades ilegais.Ou seja, eles não têm um inimigo claramente identificado. “O esquema é mais complexo, o inimigo não é tão fácil de identificar e você precisa de uma presença mais forte do Estado para combatê-lo. São máfias entrincheiradas em atividades ilegais que fazem parte de uma cadeia de corrupção”, acrescenta Baldovino. De fato, Marina Comandulli, da Global Witness, menciona que na Colômbia os crimes estão relacionados à dinâmica de grupos paramilitares, que há muito controlam determinados territórios. Infelizmente, esse panorama de violência se repete em outros países do bioma amazônico como Brasil e Venezuela.

Na Guatemala, Nicarágua e Honduras, que também figuram na lista dos países mais perigosos para os defensores do meio ambiente, os crimes contra lideranças indígenas apontam sobretudo para o avanço de empresas dedicadas às atividades extrativistas e a ilegalidade que se instala em suas terras.

“Eles me ligaram para me ameaçar, que eu tive que sair de um lugar onde eu estava porque eles iam me matar. Depois calculei que era só intimidação para não resistirmos, para não falarmos nada. Houve muitos assassinatos aqui, por exemplo, no povo Tolupán, líderes caem de vez em quando, também no povo Chortí e no povo Garífuna”, diz Donaldo Allen, presidente da Confederação dos Povos Indígenas de Honduras (CONPAH), que agrupa nove povos indígenas e afrodescendentes de Honduras, país da América Central onde 28 indígenas foram assassinados entre 2012 e 2020, segundo a Global Witness.

Allen vive em La Mosquitia, um território com enorme biodiversidade, que se tornou um espólio para grileiros que buscam explorar seus recursos. Corredores de narcotráfico, pistas clandestinas e laboratórios de processamento de drogas foram identificados nessas mesmas terras. “Temos o caso de Berta Cáceres, em Honduras. Depois dela seguiram quase 10 ou 15 irmãos que desapareceram e foram mortos e não só dos povos indígenas, mas também dos irmãos negros Garífuna de Honduras. A dinâmica de violação dos direitos dos povos indígenas é diária e sistemática”, diz Allen.

E as coisas podem piorar, acrescenta Chris Van Dam, Coordenador de Componentes da Comunidade Forest Trends. O especialista explica que essas situações de violência entre as indústrias extrativas, os madeireiros, as mineradoras, as empresas de hidrocarbonetos e os povos indígenas “vai aumentar devido à guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que já levou a uma situação de aumento exponencial de os preços dos hidrocarbonetos e dos alimentos (…). Portanto, é preciso pensar que as empresas vão querer avançar sobre as florestas dos povos indígenas”.

Territórios indígenas disputados

“Os maiores problemas são as invasões territoriais”, diz a líder peruana Teresita Antazú, sobre outras ameaças que atualmente dominam a Amazônia neste país. A mesma é a opinião de Aida Quilcué, da Colômbia, que presenciou os constantes deslocamentos forçados que ocorrem nos territórios indígenas daquele país causados ​​durante os múltiplos cenários de guerra e violência no país.

Slogans dos povos nativos exigindo a libertação de presos políticos e contra a mineração e a pilhagem de água. Foto: Astrid Arellano

“Como povos nativos, a única coisa que temos do governo é o desprezo, eles querem nos desaparecer porque os atrapalhamos, porque ainda temos grandes quantidades de território e essa identidade e visão de mundo que temos em relação à natureza”, diz Miguel López, um líder Nahua do México. O líder hondurenho Donaldo Allen González também fala da deterioração e apropriação ilegal das terras em que os povos indígenas deste país centro-americano viveram historicamente.

Um estudo realizado pela Rights and Resources Initiative (RRI) Coalition indica que, entre 2017 e 2021, houve 2.109 casos de comunidades afetadas por indústrias extrativas e atividades associadas em cinco dos países que investigamos: Peru, Colômbia, México, Guatemala e Honduras.

A maioria deles, pelo menos 791, corresponde a conflitos com a mineração. A Colômbia com 465 casos é o país com mais comunidades afetadas por esta atividade, seguida pelo Peru com 251, Guatemala com 45 e Honduras com 30.

“Eles colocaram pessoas na cadeia defendendo seus territórios, principalmente da mineração. Na Bolívia é o setor mais poderoso… Os garimpeiros têm tudo e são eles que estão devorando os rios, as montanhas, minha cidade é concessionada”, acrescenta a liderança indígena Ruth Alipaz.

https://e.infogram.com/34fed6f0-dcc6-49fa-b306-e19d779b40cf?parent_url=https%3A%2F%2Fdesinformemonos.org%2Fviolencia-y-disputas-sobre-las-tierras-ancestrales-una-mirada-a-los-pueblos-indigenas-de-latinoamerica%2F&src=embed#async_embed

Comunidades afetadas por atividades extrativistas
Infograma

O mesmo cenário se repete na Venezuela. Eligio DaCosta é presidente da Organização Regional dos Povos Indígenas do Amazonas (ORPIA) e mora na comunidade de Guarinuma, no Estado do Amazonas. O líder do Baniva menciona os impactos da mineração ilegal em seu país. “Temos 182.000 quilômetros quadrados de selva amazônica e locais de mineração em vários territórios”, diz ele.

DaCosta lembra claramente o que aconteceu em Guarinuma. “Fomos vítimas de garimpo ilegal de ouro em nosso rio: foram quase três anos”, diz o líder indígena Baniva sobre o impacto que essa atividade significou para o rio Atabapo, que passa por sua comunidade até chegar ao rio Orinoco. Guarinuma está localizada perto da fronteira com a Colômbia e para enfrentar os garimpeiros, os que vivem dos dois lados da fronteira se uniram. Assim, ele sustenta que eles destruíram as jangadas e conseguiram tirar os mineiros.

Às pressões da mineração sobre os territórios indígenas devem somar-se as obras de infraestrutura, como estradas, hidrelétricas e ferrovias. O número de conflitos por essas construções, segundo a RRI, chega a 585 nos cinco países. A lista é liderada pelo Peru com 457, seguido pelo México com 77 e Honduras com 51 comunidades afetadas.

Laura Hernández, coordenadora da região do México da Rede Continental de Mulheres Indígenas das Américas (ECMIA), refere-se à construção do Trem Maia como um exemplo do que acontece quando uma obra de infraestrutura chega aos territórios indígenas. “O Trem Maia faz parte de um projeto maior que é um corredor interoceânico. E quando este projeto chega, começa a destruição da flora e fauna e territórios indígenas, zonas arqueológicas e zonas espirituais.”

Josephine Tunki
Líderes dos Povos Shuar Arutam (PSHA) na marcha contra a mineração em Morona Santiago, Equador. Foto: Rain Communications

Hernández também menciona que a instalação dessas obras gera desertificação do solo e seca de lagos e rios. E no caso dos povos indígenas, especifica o coordenador da ECMIA, sua vida comunitária muda.

Às pressões no território por conta dos projetos de mineração e infraestrutura, devemos acrescentar também a exploração e exploração de petróleo. A líder equatoriana Patricia Gualinga lembra como seu povo teve que enfrentar a petroleira argentina Compañía General de Combustibles (CGC), quando em 2002 entrou na comunidade de Sarayaku, na província de Pastaza, localizada na Amazônia equatoriana, para iniciar o trabalho de exploração. Após vários anos de ações judiciais, em 2012, a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) emitiu uma decisão a favor do povo Sarayaku. No entanto, destaca Gualinga, as práticas das atividades extrativistas não mudaram.

“Toda semana tivemos vazamentos de óleo no nordeste, que estão afetando as bacias hidrográficas do rio Amazonas; Por exemplo, o rio Napo, afluente do Amazonas, está muito poluído”, diz a liderança indígena.

O impacto ambiental da indústria do petróleo também é uma constante em toda a Amazônia. De acordo com a lista do RRI, entre 2017 e 2021 havia 158 comunidades afetadas por hidrocarbonetos nesses cinco países. O Peru lidera o ranking com 131 comunidades afetadas, seguido pela Colômbia com 27.

De acordo com o especial Spotted by Oil , da Mongabay Latam , existem pelo menos 282 processos sancionatórios contra 72 petroleiras no Peru e na Colômbia, e pelo menos metade delas foi multada em um valor total superior a 55 milhões de pesos.

Uma análise geoespacial também realizada para este relatório determinou que 1.647 territórios indígenas são afetados por campos de petróleo sobrepostos na Bolívia, Colômbia, Equador e Peru. “Territórios indígenas garantem água, comida, ar puro e, se forem destruídos, estão brincando também com o desaparecimento de seres humanos no planeta”, diz José Gregorio Díaz Mirabal , que há quase quatro anos dirige o Coordenador das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA), organização que representa os nove países do bioma amazônico.

Díaz Mirabal lamenta que as florestas do planeta estejam desaparecendo em um ritmo muito alarmante e muito mais rápido na Amazônia. “Agora estamos em um ponto sem retorno e não há escolha, defendemos nosso território ou desaparecemos.”

Um processo de graduação lento

Embora todos os países investigados para este especial reconheçam seus povos indígenas em suas Constituições, a segurança jurídica desses territórios continua sendo um grande problema. Da mesma forma, embora em todos os casos os Estados tenham aderido à Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho sobre povos indígenas e tribais, isso não garantiu o pleno respeito a seus direitos.

Líderes indígenas peruanos pedem ao governo que atenda às suas demandas de titulação. Foto: IRI Peru.

Para o coordenador da COICA, José Díaz Mirabal, a falta de titulação dos territórios indígenas é um de seus principais problemas, pois a falta desse reconhecimento legal gerou conflitos e disputas por suas terras. Há 15 anos, diz Díaz Mirabal, os povos indígenas pedem a titulação de 100 milhões de hectares na Amazônia. “Se isso for feito antes de 2025, há esperança. Mas não há titulação porque [os territórios] foram vendidos para as mineradoras e petrolíferas. Se a situação continuar como está hoje, não haverá respostas para as crises climáticas, econômicas, sociais, legais e morais”, acrescenta.

A situação em relação à regulamentação dos territórios indígenas é diferente em cada país, mas em geral, os atrasos e adiamentos no reconhecimento dos direitos territoriais estão afetando os povos indígenas em todo o continente. Na Amazônia, o processo de titulação começou na década de 1970, cita Chris Van Dam, do Forest Trends, mas chega um momento “em que os interesses econômicos percebem que esses territórios não são espaços vazios ou pobres, mas, ao contrário, são territórios com muitos recursos tanto no solo como no subsolo”.

No Peru, a titulação de territórios é uma das principais demandas dos povos indígenas. Segundo o especial Comunidades em Resistência , publicado pela Mongabay Latam, uma comunidade como a Unipacuyacu pode esperar mais de trinta anos para ser reconhecida. No total, 694 comunidades ainda aguardam titulação e 647 sequer foram reconhecidas em cinco regiões da Amazônia peruana.

“Nunca houve um testamento do governo colombiano”, diz Quilcué sobre o processo de titulação em seu país. “Avançamos na medida em que exigimos e, logicamente, ainda temos um longo caminho a percorrer.” Miguel Vargas, diretor executivo do Centro de Estudos Jurídicos e Pesquisas Sociais (Cejis) da Bolívia, comenta que em seu país o andamento da titulação das Terras Comunitárias de Origem (TCO) ocorreu até 2010, porém, a partir dessa data” o percentual de TCOs titulados é mínimo e há um retrocesso em termos de reconhecimento de terras indígenas.”

Patricia Gualinga conta que o título da comunidade Sarayaku, no Equador, foi obtido depois de “fazer grandes marchas” e que depois conseguiram titular grande parte dos territórios dos povos indígenas. “Possivelmente, isso é como um guarda-chuva que nos permite nos defender.”

A comunidade nativa de Unipacuyacu aguarda seu título há quase três décadas. Foto: Christian Ugarte.

A situação no México e na Guatemala é bastante complexa porque não contempla a figura da propriedade dos povos nativos. “O direito ao território não é reconhecido, mas os povos sabem qual é o seu território e o defendem protegido pelo direito internacional que o México se comprometeu a respeitar”, diz Francisco López, pesquisador do Colégio de San Luis e membro do Pessoas mixtecas.

López destaca que há casos em que o reconhecimento veio pela via judicial, como aconteceu na comunidade de Huetosachi, do povo Rarámuri, no estado de Chihuahua. Em 2015, o Supremo Tribunal de Justiça da Nação reconheceu que a comunidade indígena era a legítima proprietária de uma propriedade reivindicada por uma empresa comercial no Município de Urique.

Laura Hernández, da ECMIA, explica que no México existem ejidos ou terras comunais que, em alguns casos, pertencem a comunidades camponesas ou indígenas. E explica que em 1992 houve uma reforma “para facilitar a privatização dessas terras, justamente para o desenvolvimento de projetos de infraestrutura”.

Miguel López Vega, conselheiro do Conselho Governante Indígena. Foto: Astrid Arellano.

Na Guatemala a situação é semelhante. “A governança ou administração que os povos indígenas exercem em seus territórios não é reconhecida, não há legalidade que nos permita dizer que somos donos”, explica Dolores de Jesús Cabnal , presidente do Comitê Indígena sobre Mudanças Climáticas.

“Vemos mudanças nos governos, mas não vemos mudanças nas políticas para os povos indígenas. Por que tanto ataque? O núcleo é para a propriedade da terra. O que todos os governos estão procurando é como explorar a terra. Então, para eles, nós, povos indígenas, somos uma pedra de tropeço”, diz Jesús Amadeo Martínez, líder indígena de El Salvador, atual coordenador geral do Fórum Indígena Abya Yala e assessor sênior do Conselho Indígena Centro-Americano (CICA), organização que reúne organizações de Belize, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá e México.

Diante dessa série de problemas e ameaças, os povos indígenas têm buscado maior e melhor representação nos espaços políticos nacionais e supranacionais.

Povos indígenas no cenário global

“Tentamos assumir com responsabilidade a voz internacional e também tivemos um impacto global porque, ao nos unirmos com a Ásia, África, América Central e os povos com essas organizações, conseguimos sentar com alguns governos da Europa e sentar com os nossos governos na Europa. É incrível: não podemos falar aqui na América do Sul, mas temos que falar com eles nessas conferências mundiais”, diz Diaz Mirabal, coordenador da Coica, sobre a maior representação política que os povos indígenas estão tendo no cenário global.

José Gregorio Díaz Mirabal, coordenador da Coica, comemora a aprovação da proposta de proteção de 80% da Amazônia. Foto: IISD/ENB/UICN.

Silvana Baldovino, do SPDA, considera que a liderança indígena se tornou mais visível desde sua presença nas cúpulas internacionais. Baldovino lembra que no Congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), em Honolulu, no Havaí, os povos indígenas foram incorporados pela primeira vez como membros. O mesmo aconteceu na Conferência Internacional sobre Mudanças Climáticas COP 20, no Peru, em 2014 —Baldovino menciona— quando foram representados pela primeira vez na história das cúpulas climáticas.

Mas a presença dos povos indígenas nos encontros internacionais foi além, pois eles conseguiram ter voz e voto nos acordos que os envolvem. No último Congresso Mundial da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), realizado em Marselha, na França, foi aprovado um acordo que visa proteger 80% da Amazônia até 2025, proposta que parte das bases da Coika.

Também na COP 26, realizada em Glasgow, na Escócia, um dos compromissos mais importantes, apoiado por 141 países, foi parar e reverter a perda florestal e a degradação da terra até 2030. Para isso, foram alocados 18 bilhões de dólares em financiamento, incluindo US$ 1,7 bilhão dedicados ao apoio aos povos indígenas.

https://e.infogram.com/2a2faa1b-5520-4568-a7c3-615f025b1263?parent_url=https%3A%2F%2Fdesinformemonos.org%2Fviolencia-y-disputas-sobre-las-tierras-ancestrales-una-mirada-a-los-pueblos-indigenas-de-latinoamerica%2F&src=embed#async_embed

Infograma da População Indígena V2

“Da América Latina somos sete regiões de povos indígenas que foram à COP e quando temos que negociar essas propostas globais, negociamos coletivamente. O que queremos e estamos fazendo é garantir que os representantes indígenas tenham a oportunidade de apresentar grandes propostas e depois trabalhar em cada um dos países da região”, afirma Dolores de Jesús Cabnal, coordenadora da Mesa Indígena sobre Mudanças Climáticas, na Guatemala. .

Para os representantes indígenas, não basta ter mais visibilidade na agenda mundial. Uma de suas principais preocupações é como ter maior e melhor discrição na administração dos recursos destinados às suas comunidades. “Houve muitos anúncios feitos em Glasgow. Ya han pasado casi cinco meses, vamos por seis meses, y ese anuncio de 1.7 billones de dólares para la lucha contra el cambio climático y que también apoya los pueblos indígenas, en este momento, todavía no tiene un mecanismo sobre cómo esos recursos bajarán a os povos”.

De acordo com um estudo da Rainforest Norway, menos de 1% dos fundos climáticos chegaram aos povos indígenas. “Há muitas razões para isso, mas uma das principais é que governos e doadores desconfiam da capacidade das organizações indígenas de usar esses fundos de forma eficiente e eficaz”, diz Chris Van Dam, da Forest Trends.

Marcha Climática em Glasgow, Escócia, no âmbito da COP26. Foto: COICA

Van Dam aponta que eles estão trabalhando com organizações indígenas regionais para criar um mecanismo que lhes permita gerenciar diretamente os fundos climáticos. “Até o final de 2025, deve haver um mecanismo totalmente orientado pelas organizações indígenas para administrar esses fundos.”

Diaz Mirabal está confiante de que as organizações indígenas serão capazes de atingir seus objetivos. “Temos voz, temos direito, é verdade; mas foi alcançado com muita dor, com muito sacrifício, com muitas perdas. Não foi dado. Mas isso ainda não basta, precisamos que nossos direitos sejam realmente implementados, que se concretizem em ações. Todas as organizações que estão nos países defendendo direitos são necessárias, são fundamentais para a vida dos povos indígenas”.

Assim como a liderança indígena alcançou maior representatividade nos palcos internacionais, também se diversificou gradativamente. O surgimento de novas vozes poderosas de liderança feminina também é uma conquista na organização indígena.

A liderança das mulheres indígenas

“Foi feito um trabalho para que quem aparece seja sempre a figura masculina, o presidente. Agora está na moda ter vice-presidentes femininas, porque subimos um pouco na categoria (…). Em algum momento dissemos não; Nós mulheres temos que falar, temos que ser porta-vozes, temos que ter visibilidade”, diz Patricia Gualinga , líder indígena Kichwa da comunidade indígena Sarayaku.

Patricia Gualinga participou da Cúpula de Mudança Climática COP23, em Bonn, Alemanha.  Foto: Cortesia Patrícia Gualinga.
Patricia Gualinga, líder do povo Sarayaku no Equador. Foto: Cortesia Patrícia Gualinga.

Gualinga se refere ao grupo Mulheres Amazônicas, grupo no Equador formado por mais de 100 mulheres organizadas para defender seus territórios e fortalecer seus conhecimentos, além de preservar sua cultura e reafirmar seu compromisso como defensoras da Mãe Terra. “Temos nossa própria maneira de nos organizar, de protestar, de nos curar, mas acima de tudo temos uma estrutura plana onde todos podem falar, todos podem liderar, todos são líderes.”

Este ano, o relatório The Indigenous World 2022, que acaba de ser publicado pela organização IWGIA, é dedicado às mulheres. O estudo indica que a discriminação, marginalização e exclusão a que os povos indígenas são submetidos se expressa, em grande medida, como violência contra a mulher. De acordo com o documento, elas são vítimas de estupros por parte de colonos, soldados, policiais, trabalhadores estrangeiros ou turistas, ataques que não costumam ser denunciados e, portanto, não são registrados. De fato, mulheres e meninas indígenas são muito mais propensas a serem vítimas de diferentes formas de violência sexual.

Teresita Antazú, líder Yanesha do Peru. Foto: COICA

O Fórum Permanente das Nações Unidas sobre Questões Indígenas de 2021 também discutiu como a pandemia agravou inúmeras desigualdades pré-existentes, especialmente a de mulheres e meninas indígenas.

Do México, Laura Hernández menciona que a liderança feminina cresceu nos últimos anos, mas que ainda é necessário avançar. “Para uma mulher indígena ser deputada ou senadora em seu país, é preciso lutar, porque é preciso toda a força e todo o empenho, não só de outras mulheres, mas também de seus próprios colegas e de suas próprias organizações e suas próprias comunidades. Quando uma mulher avança, as cidades também avançam”.

Para Fany Kuiru, da OPIAC na Colômbia, a liderança feminina sempre esteve presente, mas foi ignorada e pouco visível. “Na bacia amazônica, vejo a liderança muito forte das mulheres do Brasil com todas aquelas marchas que estão fazendo para defender a Amazônia contra o desmatamento, os incêndios florestais e a política de [Jair] Bolsonaro”.

Dolores Cabnal, líder indígena da Guatemala. Foto: Cortesia Dolores Cabnal

No Chile, das 17 cadeiras reservadas aos povos indígenas na Convenção Constitucional, nove foram ocupadas por mulheres. E uma mulher indígena, Elisa Loncon, líder mapuche, foi eleita presidente da Convenção Constitucional, cuja missão é redigir a nova constituição.

As seis mulheres indígenas entrevistadas para este especial contaram o que significa ser líderes para suas comunidades, como tiveram que avançar para ocupar espaços em igualdade de condições com os homens e a discriminação que enfrentaram quando começaram a assumir sua liderança . .

Para Ruth Alipaz, da Contiocap, são as mulheres que apoiam a defesa do território. “Vivemos isso nas marchas e nas vigílias. Éramos nós administrando a comida, o pouco que a gente tira, ele dá para as mulheres que são as que administram e fazem esticar como chiclete e chegar a todos”, sustenta.

Ruth Alipaz Cuqui, líder indígena boliviana. Foto: Flor Ruiz

“Dizem-nos que somos líderes porque nos manifestamos, porque dizemos as coisas como são e não nos calamos… O que significa isso? Significa que te vêem mal, significa que, muitas vezes, te marginalizam. Isso significa que eles zombam de você. Significa que, em algum momento, eles tentam te destruir, que fazem você se sentir inseguro. Mas também significa que você pode seguir em frente e fazer outras pessoas perderem o medo… É isso que significa ser uma liderança indígena”, diz Patricia Gualinga, do Equador.

___________________________________________

https://youtu.be/ghqVn4b-NXk

FACULDADE DE DIREITO – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

TRIBUNAL PERMANENTE DOS POVOS 50ª Sessão Pandemia e Autoritarismo (Transmissão português 24/05/22)

________________________________________

Ilustração da capa: Kipu Visual

Originalmente publicado na Mongabay Latam

Leia na íntegra: Violência e disputas por terras ancestrais: um olhar sobre os povos indígenas da América Latina

Leia também:

Estupro e morte de indígenas atestam fiasco civilizacional

Indígenas caiapós prendem garimpeiros no Pará e se dizem ameaçados de morte

Leia também: Sob Bolsonaro, Yanomami tem o maior índice de mortes por desnutrição infantil do país

Leia também: Temos medo de mais mortes, os yanomami estão desaparecendo

Leia também: Ailton Krenak recebe título de Doutor Honoris Causa pela UnB nesta quinta

LÍDERES INDÍGENAS EN LATINOAMÉRICA

LATINO AMÉRICA

ARGENTINA

BRASIL (Davi Kopenawa) (Sônia Guajajara)

EQUADORhttps://es.wikipedia.org/wiki/Milagro_Sala

MÉXICO MAYAS

GUATEMALA (Consejo Indígena de Centro América (CICA))

COLÔMBIA

VENEZUELA/BRASIL/COLÔMBIA

HONDURAS

BOLÍVIA

CHILE

PERU

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.