*Não é Racismo, é Supremacismo

Não é racismo, é supremacismo (enquanto um quer a submissão, o outro quer o extermínio)

Os sinais mais recentes de brutalidade policial nos Estados Unidos não são o verdadeiro problema subjacente, são apenas uma amostra do problema real dissimulado aos elementos históricos desse país.

A causa dessas diatribes não é apenas a expressão institucional por parte do governo norte-americano imperialista e seu inquilino da casa branca. O verdadeiro problema é o supremacismo , promovido pelo verdadeiro governo das elites imperiais e transnacionais.

Nós da Venezuela propusemos modelos alternativos ao racismo imperial. Tínhamos que conhecer o termo xenofobia quando começamos a ser vítimas dele. Nesse sentido, um conhecido analista internacional comenta que a Venezuela é um dos poucos países do mundo em que não há expressões de segregação, nem mesmo por razões religiosas.

Tal visão integracionista e a favor de uma visão multiétnica é o produto de uma política estatal estabelecida desde 1999 por meio de uma Constituição que considera os valores mais nobres do povo, bem como os princípios de igualdade e solidariedade.

Essas políticas têm sido altamente questionadas pelos impérios e é por isso que elas nos bloqueiam economicamente. Em virtude do exposto, convido o mundo inteiro a questionar o que aconteceria se o “joelho no pescoço” que circulava pelo mundo estivesse em uma rua da Venezuela. Por que o aparato de mídia internacional minimiza os protestos nos EUA?

Quando os povos do mundo assumirão que a luta não é contra o sintoma, mas somente juntos podemos destruir a doença? O problema do racismo não termina com outro republicano ou democrata ocupando temporariamente a Casa Branca.

Resolveremos o grande problema que o racismo representa quando entendermos que não se trata de formas” , mas que devemos assumir e combater bravamente qualquer elemento de exclusão, sendo este último a “substância que deve ser abordada.

Hoje o problema é o racismo, mas amanhã serão homossexuais, ontem foram muçulmanos e no futuro serão latinos ou asiáticos. As chamadas minorias devem assumir que somente juntos nos tornamos maiorias .

Em face do imperialismo e da guerra, arvoramos as autênticas bandeiras de paz e solidariedade. Diante de problemas comuns, as soluções são coletivas. Não há dúvida de que hoje mais do que ontem um fantasma corre pelas ruas , e não apenas os da Europa.

O momento é agora. Este momento não é apenas mudar o mundo, é a mudança para o sistema de predador e padrões duplos que o império impõe-se como único e funcional.

Não é a superfície que deve ser mudada, é o homem que deve ser o objeto da transformação . Vamos começar assumindo a luta por justiça e liberdade.

Um mundo melhor é possível, mas construí-lo é nossa responsabilidade histórica.

Leia na íntegra: No es racismo, es supremacismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.