*Imigração: Em Bruxelas, a Ignomínia Atinge o Topo

Do: L’Humanité

Novos migrantes desesperados foram resgatados em 23 de junho, jogados em canoas.  A Espanha acolhe-os no porto de Málaga.  Jon Nazca / Reuters

Foto: Jon Nazca / Reuters

Novos migrantes desesperados foram resgatados em 23 de junho, jogados em canoas. A Espanha acolhe-os no porto de Málaga.

Reunidos hoje em Bruxelas, os chefes de Estado e de governo da União Européia (UE) estão se preparando para mergulhar o continente no que podemos definir, como umas de suas noites mais escuras.

A entrada para o governo de extrema-direita na Itália e na Áustria, o reforço dos poderes nacionalistas conservadores do Leste no fundo de histeria xenófoba, mudanças cada vez mais flagrantes em linhas de identidade de formações conservadoras, (tudo isso também faz parte da social democracia), o ataque de Donald Trump, etc. 

Em poucas semanas, a agenda oficial da UE foi completamente devolvida: ao esquecimento, ou quase, dos projetos de reformulação da zona do euro apresentados por Emmanuel Macron!

NENHUM CONSENSO ENTRE ESSAS PESSOAS

Possivelmente, nenhum acordo surgirá até sexta-feira de madrugada – reunidos no último domingo, na ausência do grupo de Visegrad (Hungria, Polônia, Eslováquia e República Tcheca) e mais alguns países dos Bálcãs, os chefes de estado não chegaram a um consenso – esta ruptura da agenda da cúpula europeia não deixará de produzir efeitos deletérios.

É Matteo Salvini, o líder da Lega (extrema direita), que, dificilmente nomeado Ministro do Interior dentro do governo de coligação com o Movimento 5 estrelas, proíbe o Aquarius, o navio da ONG SOS Mediterrâneo, (com 630 migrantes a bordo, resgatados de afogamento), desembarque em um porto italiano.

São os aliados bávaros de Angela Merkel que ameaçam empacar as posições da Áustria. O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, governa com o FPÖ (extrema direita), que, assumindo a presidência rotativa da União Européia a partir de 1º de janeiro, tenta impor sua marca: em um documento de Diplomatas austríacos agora descrevem os migrantes como pura mercadoria contrabandeada (migrantes contrabandeados), o que equivale a transformá-los em criminosos ou, na melhor das hipóteses, cúmplices do tráfico.

Viktor Orban, o primeiro-ministro húngaro, está pressionando com um arsenal de leis contra ONGs acusadas de ajudar migrantes, dizendo que nenhuma instituição pode minar “a composição da população“.

Diante desses levantes ideológicos ultradireitistas que querem credenciar a ideia falaciosa de uma nova “crise migratória” que ameaça diretamente a Europa “cristã“, a Alemanha, a França e as instituições de Bruxelas, como tais, não resistem aos ataques da direita, como nos fazem acreditar, pelo contrário.

Enquanto em Berlim, o chanceler está envolvido em suas dificuldades (ver mais  a frente), Emmanuel Macron, como todos já viram, deu uma volta na crise do “navio Aquário“, deixando à Espanha, (liderada pelo o socialista Pedro Sanchez por algumas semanas), o cuidado de autorizar o desembarque de centenas de sobreviventes em Valência.

O presidente francês acrescentou cinicamente ontem, retomando quase palavra por palavra o discurso de Salvini sobre as ONGs que, com seus barcos fretados desde o final de 2014, já resgatou centenas de migrantes pela marinha italiana (operação “Mare Nostrum), salvar vidas é também a honra da Europa.

Referindo-se ao navio alemão Lifeline que finalmente pousaria em Malta, Macron quer ser contundente: “Em nome do humanitário, não há controle. No final, fazemos o jogo dos contrabandistas reduzindo o custo do contrabando”.

Para Philippe de Botton, presidente da Médicos do Mundo da França, as associações são vítimas de um falso julgamento. “Estamos ajudando os migrantes em um nível humanitário, mas não fazemos o jogo dos contrabandistas“, disse ele à AFP. O que faz o jogo dos contrabandistas é criminalizar o resgate no mar ou fechar as fronteiras. Se recebêssemos pessoas antes de estudar seus casos, como deveria ser a regra, Aí sim, nós quebraríamos o mercado de contrabandistas. ” salvar vidas é também salvar a honra da Europa“.

O CINISMO TOTAL DE MACRON

Todas as “soluções” que devem ser examinadas pelos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia vão no mesmo sentido. Para além das “penalidades financeiras” contra os estados que não cumprem os seus objetivos para o acolhimento dos requerentes de asilo – uma ideia lançada por Macron; cortar os fundos estruturais dos países a uma solidariedade insuficiente, (tudo centra-se na luta contra a “imigração ilegal), aumento dos recursos destinados à proteção militar e policial das fronteiras externas (imperialismo bonapartista), criação de centros de “triagem” a migrantes, um sistema rápido que pode passar rapidamente um migrante de “registo” para “detenção“, proibição de desembarques de embarcações de organizações não governamentais em portos europeus e encaminhamento para países não pertencentes à UE, como a Albânia ou a Tunísia, etc. 

Enquanto, (de acordo com uma pesquisa da Associated Press divulgada na segunda-feira), a Argélia abandonou no ano passado cerca de 13.000 imigrantes, incluindo mulheres grávidas e crianças, no meio do Saara, este seria o retiro em larga escala que Macron está agora a sonhar, Desavergonhadamente, os líderes europeus prometem novos desastres humanitários. Em Bruxelas, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, corre o risco de ser detonado, insistindo nas fortes reservas inspiradas nos “centros de desembarque” em termos de compatibilidade com as convenções internacionais.

França multiplica recusas de entrada

Uma França que está se fechando cada vez mais, explorando e usando a luta contra o terrorismo como pretexto para este fechamento. O relatório feito pela Cimade em um relatório ontem, sobre a repulsão de migrantes nas fronteiras é esmagador. A associação, que obteve números oficiais, observa um aumento vertiginoso nessas “não admissões“. Seu número subiu para 85.408 no ano passado, 34% a mais que em 2016 (63.845 recusas de entrada). Em 2015, foram realizadas 15.849 não admissões. A maioria dessas decisões diz respeito à fronteira franco-italiana, com 44.433 não-admissões no ano passado nos Alpes-Maritimes (+ 42% em um ano), onde os migrantes tentam chegar à França via Ventimiglia. Nos Hautes-Alpes, as não admissões aumentaram 700%, para 1.899 no total no ano passado. A mesma coisa em Pirineus Orientais: as recusas passaram de 26 em 2015 para 4.411 no ano passado. A França reintroduziu esses controles após os ataques jihadistas de 13 de novembro de 2015. Mas para a Cimade, estamos diante de um“Apropriação indevida da luta contra o terrorismo” . Como prova, nenhum dos pontos mais movimentados da fronteira franco-alemã é verificado. O objetivo continua sendo o controle migratório. Os mais preocupados com as não admissões são sudaneses, guineenses, marroquinos e marfinenses. Entre essas recusas de admissão, o Cimade contou 17.036 menores.

A cada dia que passa, dentro e fora: uma Europa que se tranca

Leia na íntegra: IMMIGRATION. À BRUXELLES, L’IGNOMINIE ATTEINT LE SOMMET

Leia também: Acordo alcançado na UE não resolve problemas no sistema de asilo

Leia também: Eles nos tratam como cachorros”: o velho ódio da Segunda Guerra Mundial que revive na Itália

___________________________________________

Não existe correlação entre refugiados e antissemitismo, afirma cientista politica.

A minoria mais estigmatizada na Europa (pasmem) ainda são os ciganos…..

http://pt.euronews.com/video/2018/06/29/nao-ha-correlacao-entre-refugiados-e-antissemitismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.