*As Mulheres de Consuelo e a Luta pela Memoria no Leste Asiático

Ler na íntegra em: http://elordenmundial.com/2016/11/28/las-mujeres-de-consuelo-y-la-lucha-por-la-memoria-en-el-este-asiatico/
AP Photo/Ahn Young-joon

Las mujeres de consuelo fueron esclavas sexuales del Imperio japonés durante la Guerra del Pacífico. Con los años, se convertirían en símbolos contra la explotación sexual y sus heridas representarían las de toda la región del Este Asiático. Este artículo explica su drama, pero también las posiciones adoptadas desde la sociedad civil y el Gobierno japonés a la hora de llegar a una reconciliación que permita normalizar por fin las relaciones regionales. 

Durante la Guerra del Pacífico (1931-1945), la región del Este Asiático vivió uno de los episodios más oscuros de su historia. Buena parte de esta tragedia colectiva hunde sus raíces en el expansionismo del imperialismo japonés durante finales del siglo XIX y principios del XX. Desde los intentos por “civilizar” a los “salvajes” de Taiwán hasta la colonización de Corea, pasando por la invasión de Manchuria, la masacre de Nanjing o la experimentación biológica con prisioneros de guerra en la sombría Unidad 731, el delirio de la sociedad imperial fue durante décadas el contrapeso más habitual a la paz regional.

Las mujeres de consuelo (ianfu) fueron uno de los colectivos más dañados por estos desmanes. Se denominaba bajo este eufemismo a aquellas mujeres forzadas a prestar servicios sexuales a los militares nipones durante la Gran Guerra del Este Asiático. La mayoría de ellas procedía de Corea, aunque entre las esclavas sexuales se encontraban también mujeres de origen chino, taiwanés, filipino, indonesio, vietnamita e incluso holandés. Hablamos, por tanto, de un problema de naturaleza transnacional con implicaciones muy profundas para la memoria histórica y la reconciliación del Este Asiático.

infografico-mujeres-de-consuelo

El espejo de la barbarie: la esclavitud sexual en el Imperio japonés (1932-1945)

Las mujeres de consuelo padecieron una explotación sexual sistemática e institucionalizada en el seno del Imperio japonés desde sus comienzos. Si bien algunos historiadores revisionistas y miembros del ala conservadora del Partido Liberal Democrático (PLD) aseguran que una parte de las mismas prestaba servicios de prostitución por elección personal, lo cierto es que esta falacia ha sido ya desmontada con la publicación de numerosos archivos oficiales de la época. En ellos se documenta cómo la mayoría de las mujeres —principalmente adolescentes o jóvenes adultas— habían terminado en los centros de consuelo (ianjo) engañadas, forzadas, secuestradas o incluso vendidas a los traficantes por sus propios padres o familiares sin recursos. Una vez reclutadas, eran hacinadas en celdas diminutas, insalubres, donde permanecían encerradas día y noche, sin opción de huir y sometidas a constantes agresiones sexuales y humillaciones.

En la imagen se muestra el aspecto de algunas de las habitaciones de las esclavas sexuales. Fuente: Washington State University
En la imagen se muestra el aspecto de algunas de las habitaciones de las esclavas sexuales. Fuente: Washington State University

Este tipo de atrocidades no solo respondían a acciones motivadas por los más bajos instintos de los militares japoneses o a la perfidia de las autoridades gubernamentales; se debían asimismo a una estructura social mesiánica, patriarcal y racista que enarbolaba la supremacía étnica del Imperio nipón sobre sus dominios coloniales, un imperio que, por otra parte, también tenía interés en mantener alta la moral de sus soldados con objeto de evitar posibles motines y deserciones durante la guerra. Para ello, planificaba con meticulosidad la organización logística de los procesos de reclutamiento y de las estructuras necesarias para articular una red de mujeres de consuelo. Incluso existían horarios de servicio y médicos para supervisar que las mujeres no estuviesen infectadas con enfermedades venéreas que pudiesen causar bajas entre las tropas japonesas.

De esta forma, según estimaciones recogidas en documentos como el Informe Dolgopol-Paranjabe, de 1994, entre 100.000 y 200.000 mujeres fueron torturadas y violadas por una media de 30 soldados al día durante una franja de tiempo que podía oscilar entre las tres semanas y los ocho años. Por su parte, los informes de Gay J. McDougall para la Comisión de Derechos Humanos de Naciones Unidas en 1998 documentaron que unas 200.000 coreanas fueron forzadas por un promedio de hasta 70 hombres al día. Además, 145.000 de estas esclavas sexuales perderían la vida durante la guerra, especialmente en los momentos finales de la contienda, cuando Japón se sabía prácticamente derrotado. Así pues, una vez consumado el hundimiento del imperio, el panorama resultaba sobrecogedor, con millares de mujeres supervivientes deambulando a su suerte por los campos de batalla del Este Asiático, desorientadas y con graves heridas físicas y aún más profundos desgarros psíquicos.

soldado-chino
Un soldado chino posa con cuatro esclavas sexuales, aparentemente liberadas tras la guerra en 1945. Fuente: Northeast Asian History Network

Del silencio a la organización política (1945-1991)

Con la liberación de las colonias y el fin de la guerra llegaría el silencio, a menudo acompañado por la discriminación, el ostracismo y la negación de las víctimas. Muchas afirmarían décadas más tarde que el motivo para no hablar de lo sucedido hasta principios de los 90 se debía a un sentimiento de culpabilidad e impureza y al miedo a ser ridiculizadas. Tampoco se debe perder de vista que el entorno geopolítico posconflicto estuvo marcado por la división ideológica de la Guerra Fría, la Guerra de Corea (1950-1953), la Revolución China en 1949, la ocupación estadounidense de Japón y los controvertidos juicios del Tribunal Internacional de Tokio (1946-1948), un caldo de cultivo que, unido a los encorsetamientos sociales de las culturas asiáticas, permitió acallar durante décadas la cuestión de las esclavas sexuales.

Esta realidad se fue agrietando poco a poco en la medida en que se fue alcanzando una mayor estabilidad regional y un mayor conocimiento de las atrocidades organizadas  desde las autoridades imperiales durante la guerra gracias a la labor de académicos, activistas, testigos y diferentes organizaciones no estatales. No obstante, el punto de inflexión en este proceso fue sin duda la primera denuncia, realizada en 1991 contra el Estado japonés por una víctima y activista contra la esclavitud sexual nipona, Kim Hak-sun.

kim-hak-sun
Kim Hak Sun lidera la lucha contra el olvido en Seúl. Fuente: Asian Women’s Fund

Con el paso al frente de Hak Sun, animadas por las oleadas democratizadoras de la Sexta República en Corea del Sur, se irían añadiendo poco a poco las voces de un número cada vez mayor de antiguas supervivientes, que reivindicaban unas disculpas oficiales por parte de las autoridades japonesas, además de reparaciones económicas y la restauración de su dignidad. La introducción de esta cuestión en la agenda pública regional colocó a Japón en una situación muy incómoda por las crecientes presiones, internas y externas, que le exigían asumir responsabilidades por lo sucedido.

En 1990, la visita a Tokio del primer ministro surcoreano, Roh Tae Woo, ya había suscitado por primera vez un crudo debate en la Dieta Nacional. No obstante, lo cierto es que la primera reacción por parte de las autoridades niponas fue simple y llanamente la negación de las acusaciones que sostenían la implicación de las fuerzas armadas japonesas en la cuestión de las mujeres de consuelo. Para Japón, la responsabilidad de los reclutamientos de esclavas sexuales se debía buscar en las actividades de traficantes, de naturaleza privada, por lo que no era atribuible al Estado.

Afortunadamente, esta posición se fue revirtiendo gradualmente como consecuencia de la publicación de una cantidad cada vez mayor de material que demostraba la implicación de las autoridades japonesas en la esclavización de las mujeres de consuelo. La Declaración Kono, de 1993, supuso en este sentido un primer paso en la dirección adecuada para comenzar a destapar las vergüenzas del pasado. Sin embargo, todavía quedaba un arduo camino para que el Gobierno de Japón se comprometiese a indemnizar económica y moralmente a las afectadas. Uno de los grandes debates que la cuestión abría era el siguiente: si Japón fuese considerado culpable por los crímenes expuestos, ¿se podría argumentar que el país, renovado ya tras la guerra, poseía una responsabilidad legal, política o moral por lo que hicieron sus ancestros?

La polarización política en Japón fue —y en parte sigue siendo— el denominador común en los debates nacionales sobre el tema de las mujeres de consuelo. Era evidente que las víctimas deseaban un reconocimiento oficial por parte del Estado sobre su condición de esclavas sexuales y una compensación económica por los daños sufridos. Sin embargo, los sectores más conservadores del PLD se apresuraron a señalar que, dado que los Convenios de Ginebra de 1949 no habían entrado en vigor en la fecha de los crímenes imputables, Japón no había incurrido en su momento en una violación del Derecho internacional. Esto ocasionó discusiones con un trasfondo emocional muy delicado sobre las responsabilidades legales y morales del Estado japonés y el papel de las afectadas en lo ocurrido. Aun así, este tema lograría captar la atención de numerosos movimientos feministas y otros actores de la sociedad civil, lo cual incrementó el poder negociador de las supervivientes y dio difusión internacional a su caso.

Una batalla subestatal: sociedad civil, feminismo y justicia transnacional (1991-hoy)

A la hora de canalizar las demandas de justicia de las antiguas esclavas sexuales, los actores no estatales jugaron un rol fundamental. Ya en los 70, los primeros movimientos surcoreanos contra el turismo sexual —principalmente nipón— habían levantado ampollas en las relaciones coreano-japonesas al llevar las cuestiones de memoria histórica a la vanguardia de la agenda bilateral. Años más tarde, cada vez más movimientos de derechos humanos y plataformas sociales de las crecientes oleadas feministas se irían sumando al proyecto de reivindicación de justicia histórica. Una manifestación simbólica de esta realidad es que prácticamente todos los miércoles desde 1992 han existido protestas frente a la embajada de Japón en Seúl.

En este contexto, el Fondo de Mujeres Asiáticas (AWF por sus siglas en inglés) nació como uno de los instrumentos más importantes y controvertidos durante la fase de reconciliación iniciada en los 90. Puesta en marcha durante el Gobierno socialista de Murayama Tomiichi en 1994, la naturaleza de esta herramienta era bastante difusa, al confluir en su financiación la iniciativa gubernamental japonesa y las aportaciones privadas. Sin embargo, su establecimiento supuso un momento clave en el proceso de recompensación y restauración de la dignidad de las víctimas, puesto que el AWF vino acompañado de una carta firmada por el propio Tomiichi en la que se disculpaba por lo sucedido durante la guerra.

Paradójicamente, este modelo japonés de recompensación moral y económica abrió un encendido debate entre las propias organizaciones no gubernamentales, las víctimas-activistas y algunos movimientos feministas. El corazón de las discusiones se sintetiza en que la propuesta nipona no representaba directamente un perdón oficial del Estado, sino que más bien invitaba a encontrar una fórmula intermedia que no terminaba de satisfacer a muchas de las víctimas y, sobre todo, a las ONG y movimientos sociales que hicieron campaña por su causa.

Las antiguas mujeres de consuelo se han convertido en referentes internacionales por su activismo y lucha contra la esclavitud sexual. Fuente: Deutsche Welle

Tanto es así que incluso se amenazó a las antiguas esclavas sexuales para que no aceptasen las compensaciones financieras del AWF, indicándoles que si lo hacían no recibirían fondos de ayuda de sus Estados de origen. Activistas del Consejo Coreano para las Mujeres Reclutadas para la Esclavitud Sexual Militar de Japón (KCWDMSSJ por sus siglas en inglés) llegaron a señalar que la propuesta nipona del AWF violaba los derechos de las víctimas y forzaron a estas a rechazar sus prestaciones económicas, alegando que su nivel formativo era demasiado escaso como para tomar una decisión adecuada. Por si fuera poco, aquellas mujeres que decidiesen, pese a todo, aceptar el dinero de la AWF sufrirían el desprecio y las críticas de organizaciones y ciertos sectores feministas que priorizaban ante todo una justicia inmaculada donde Japón admitiese su responsabilidad criminal y pidiese oficialmente perdón a las víctimas.

Muchos han visto en la actitud de algunos actores subestatales una intransigencia de buenas intenciones escasamente pragmática a la hora de conseguir alcanzar una solución constructiva. Así, parece que, si bien los esfuerzos japoneses desplegados en la creación del AFW representaban una alternativa quizá menos justa o ideal, lo cierto es que al menos permitían a estas personas tratar de disfrutar de sus últimos años en paz y con cierta tranquilidad económica.

En cualquier caso, hay que resaltar el papel de estas organizaciones y movimientos reivindicativos a la hora de lograr apoyos y atención internacional para la causa. En términos de justicia transnacional, este tipo de plataformas han llevado durante años la voz cantante. En este sentido, el mayor hito subestatal fue sin duda el establecimiento del Tribunal Internacional de Crímenes de Guerra contra las Mujeres afectadas por la Esclavitud Sexual Militar de Japón, organizado en Tokio por la Red de Violencia contra las Mujeres en las Guerras (VAWW-NET, en inglés), de Japón; el citado Consejo Coreano (KCWDMSSJ), y el Centro Asiático para los Derechos Humanos de las Mujeres (ASCENT, en inglés), de Filipinas.

Sin embargo, hay que matizar que, aunque el tribunal estaba formado por jueces acreditados, carecía de un estatus oficial. Es por ello que el Gobierno de Japón rehusó participar en el mismo, para indignación de organizadores y víctimas. Aun así, para muchos el tribunal representaba una autoridad moral bajo la que tratar de condenar retroactivamente la impunidad de la que habían gozado los responsables de los crímenes sexuales hasta la fecha, entre ellos, el emperador Hirohito. En este sentido, los testimonios fueron extremadamente duros y en muchas ocasiones se vieron interrumpidos por los llantos, los gritos e incluso los desmayos provocados por la intensidad de los recuerdos en algunas de las víctimas. No en vano, en aquellas salas se pudieron congregar sesenta y cuatro supervivientes procedentes de Corea del Sur y del Norte, Taiwán, Timor Oriental, Filipinas, China, Japón y Holanda. Sin embargo, a pesar del éxito simbólico y mediático del evento, la experiencia tangible ha demostrado que en el nivel interestatal la lógica de la reconciliación y el perdón sigue operando bajo unos parámetros muy diferentes a los de la sociedad civil.

PELO FIM DAS SOCIEDADES PATRIARCAIS

PELO FIM DO FEMINICÍDIO

VIVA A SOCIEDADE LIBERTÁRIA

* A Queda de Aleppo e o Nevoeiro da Guerra

Aleppo caiu. Depois de quatro anos de uma sangrenta guerra de atrito, Aleppo, que era o principal centro comercial e a maior cidade da Síria antes da guerra civil, mais uma vez está sob o controle completo do regime de Assad. Para os rebeldes e seus apoiadores externos, isto representa um golpe humilhante que terá importantes consequências em nível internacional e nacional.

O preço destes quatro anos de guerra foi milhares de mortos, dezenas de milhares de mutilados e centenas de milhares de expulsos de suas casas. Aleppo resume a tragédia da guerra civil síria. Uma antiga cidade, com um povo moderno, culturalmente rica, transformou-se em pilhas sangrentas de entulho e poeira. Os resultados dos crimes aqui cometidos serão sentidos pelas gerações vindouras.

Desde agosto, a fortaleza rebelde de Aleppo Oriental estava, de fato, sob cerco. Durante o mês passado, uma operação meticulosamente planejada, liderada pelos sírios, iranianos, iraquianos e pelas milícias Palestinas, avançou de forma constante, com o apoio aéreo dos jatos e bombardeiros sírios e russos.

Sim, Putin e Assad agiram com cinismo e brutalidade. Despovoando cidades inteiras através do bombardeio de escolas, hospitais, mercados públicos e outras infraestruturas civis. Não há, claramente, nada de humanitário em suas ações. Agem por completo interesse próprio e com total desrespeito à vida humana. Mas seria errado ver as manchas de sangue somente deste lado da moeda, sem levar em consideração os rios de sangue que fluem do outro lado.

Uma história de atrocidades e hipocrisia 

Para se encontrar a verdade sobre esta guerra reacionária é necessário cavar fundo através de uma montanha de mentiras, de enganos e de nauseante hipocrisia. Os líderes do chamado “mundo livre” estão todos em lágrimas, com os meios de comunicação derramando desprezo sobre as brutais forças russas e sírias que lutaram em Aleppo. Condenam Putin e Assad por bombardear, atirar e matar pessoas (em uma guerra!). No entanto, não têm nenhum problema com suas próprias milícias “moderadas”, que fazem exatamente a mesma coisa, e de forma não mais humana do que as de Putin. Enquanto os meios de comunicação foram inundados com narrativas sobre o bombardeio do “último hospital de Aleppo”, durante mais ou menos todas as semanas do ano passado não se fez nenhuma menção ao constante e indiscriminado bombardeio de Aleppo Ocidental ou do bairro curdo de Sheikh Maqsood. Somente se pode imaginar a escala do horror e da destruição se as milícias tivessem elas próprias uma força aérea. O assassinato somente parece criminoso quando é realizado pelos opositores das classes dominantes ocidentais.

Os crimes de guerra do imperialismo ocidental ao longo da história são intermináveis: o assassinato de centenas de milhares em Hiroshima e Nagasaki; o bombardeio da população civil de Dresden na II Guerra Mundial, com quase 4 mil toneladas de bombas que mataram mais de 25 mil pessoas; a assassina Operação Rolling Thunder, que matou centenas de milhares de civis no Vietnã. Nos livros de história, estes atos ou são silenciados ou até mesmo glorificados.

O comportamento no Oriente Médio destas damas e cavalheiros dos tempos modernos não é melhor. Uma investigação de 2015 realizado por Physicians for Social Responsability conclui que, “as guerras mataram, direta ou indiretamente, cerca de 1 milhão de pessoas no Iraque, 220 mil no Afeganistão e 80 mil no Paquistão, isto é, um total de cerca de 1,3 milhão de pessoas. (…) O número total de mortes nos três países acima nomeados também poderia superar os 2 milhões, enquanto que uma cifra abaixo de 1 milhão é extremamente improvável”. Em comparação, os atos assassinos de Assad, Putin e mesmo de ISIS não alcançariam os níveis ou a destruição desatada pelo imperialismo ocidental no Oriente Médio.

A guerra criminosa no Iraque, entrementes, desestabilizou completamente o país e a região e desencadeou as forças mais atrasadas e reacionárias. A tragédia vai muito além dos números puros e simples – embora enormes – de mortos.

Mesmo hoje em dia, o cerco e bombardeio indiscriminado do Iêmen pelos aviões sauditas, estreitamente apoiados pelas forças estadunidenses e britânicas, deixou mais da metade dos 28 milhões de habitantes em risco de morte pela fome. E, no entanto, esse desastre e tragédia humanitária é convenientemente ignorado pelos políticos e pela imprensa no Ocidente. Um coordenador da ajuda humanitária das Nações Unidas no Iêmen disse que a guerra é “provavelmente uma das maiores crises do mundo, mas é como uma crise silenciosa, uma situação silenciosa e uma guerra esquecida”.

Da mesma forma, nada se menciona das baixas civis causadas pelo cerco e assalto à cidade de Mosul, que tem muito mais civis do que Aleppo Oriental. Ironicamente, alguns dos mesmos grupos de Aleppo, que estão sendo criticados pelo Ocidente, foram contratados para fazer o trabalho sujo em Mosul com cobertura aérea ocidental.

Nossos queridos líderes estão cheios de preocupação com a difícil situação de seu povo sírio. Mas suas ações contam uma história diferente. Um recente informe interno da ONU filtrado por Intercept caracteriza as sanções ocidentais contra a Síria como “um regime de sanções das mais complicadas e de maior alcance jamais imposto”. Informam que as sanções estadunidenses são excepcionalmente cruéis “com respeito ao fornecimento de ajuda humanitária” [ênfase nossa]. Outra filtração da ONU da mesma publicação classifica as sanções como “o fator principal” na degradação do sistema de saúde.

Além disso, é profundamente irônico que estes cavalheiros e damas tão amantes da paz agora estão prometendo verter mais armas e dinheiro na Síria na sequência da queda de Aleppo.

Sim, nossos queridos amigos democráticos são rápidos em apontar o dedo. Mas são igualmente rápidos em esquecer o terror e a barbárie que desencadearam e continuam a apoiar em toda a região.

Síria

Em Aleppo, as atrocidades mais recentes poderiam ter sido evitadas se os EUA concordassem com o acordo de cessar-fogo com a Rússia e o regime de Assad há apenas um mês atrás. O acordo veio abaixo depois que aviões estadunidenses bombardearam e mataram mais de 100 soldados do regime sírio que lutavam contra ISIS no enclave cercado de Deir Ezzor. Segundo Middle East Eye, um recente informe do comando central estadunidense claramente “revela que os oficiais superiores da força aérea estadunidense do Centro de Operações Aéreas Combinadas (CAOC, em suas siglas inglesas) da base aérea al-Udeid, no Qatar, foram os responsáveis pela decisão de realizar o ataque aéreo em Deir Ezzor:

  • “Enganaram os russos sobre onde os EUA pretendiam atacar, de forma que a Rússia não pudesse informar que o alvo eram as tropas sírias;

  • “Ignoraram as informações e análises de inteligência advertindo que as posições a serem golpeadas eram do governo sírio em vez do Estado Islâmico;

  • “Mudaram abruptamente de um processo deliberado de direcionamento a um ataque imediato, violando os procedimentos normais da força aérea”.

(Ataques dos EUA sobre tropas sírias: dados do relatório contradizem as afirmações de “erro”)

O resultado desse ataque não foi somente romper o cessar-fogo em Aleppo, como também agir como um importante golpe sobre as forças sírias que estavam cercadas por ISIS há mais de dois anos.

Acompanhando o colapso do cessar-fogo, a campanha de bombardeio aéreo dos russos e sírios sobre Aleppo foi detida por um período de três semanas, durante as quais oito rotas de escape foram criadas para os civis e militantes deixarem Aleppo Oriental e serem transportados ou a zonas do regime, onde seria concedida anistia aos rebeldes que baixassem as armas, ou a áreas controladas pelos rebeldes em Idlib podendo transportar suas armas leves (!). Mas a resposta dos amigos “moderados” do ocidente em Aleppo foi a de atirar e bombardear em quem tentasse deixar a área. De fato, as milícias da oposição tomaram todos os habitantes de Aleppo Oriental como reféns e os transformaram em escudos humanos.

No entanto, os meios de comunicação do ocidente continuam a apoiar estes “rebeldes moderados”, retratando-os como combatentes da liberdade que representam o povo contra o regime de Assad. Mas quem são estes grupos moderados? Não são diretamente mencionados em qualquer lugar pelo nome. Mas, olhando para os grupos em Aleppo, os mais fortes são: Jabhat Fatah Al-Sham (JFS) e o ramo sírio de Al Qaeda que agora é conhecido como ISIS; Ahrar Al-Sham (AAS), que administrou toda a governadoria de Idlib junto com JFS durante vários anos, e que quase se fundiram há alguns anos; e, finalmente, o grupo Nour Al-Din Al-Zinki, que é um grupo islâmico estreitamente ligado aos EUA. No último Verão, o grupo Zinki ganhou fama internacional por decapitar um garoto de 14 anos de idade. Em um dos muitos vídeos da execução, os homens de Zinki são ouvidos dizendo “somos piores que ISIS”. Então, pois, estes homens podem ser considerados “moderados” – mas em relação a quê?

O fato é que os “rebeldes”, como em muitas outras áreas urbanas da Síria, nunca gozaram de muito apoio dentro da cidade de Aleppo. Aleppo somente caiu nas mãos da oposição inicialmente depois de um ataque vindo da área rural. The Guardian informou em agosto de 2012:

“Os combatentes da oposição – em torno de 3 mil – são quase as únicas pessoas que se movem pela metade Oriental que o Exército Livre da Síria agora controla. O pequeno número de não-combatentes que permanece parece não lhes dar muita atenção. Poucos deles parecem abertamente acolhedores.

“’Sim, é verdade’, disse Sheikh Tawfik Abu Sleiman, um comandante rebelde sentado no piso térreo de seu quarto novo quartel – os outros três anteriores foram bombardeados. ‘Cerca de 70% da cidade de Aleppo está com o regime. Sempre foi assim. A área rural está conosco e a cidade está com eles. Estamos dizendo que só estaremos aqui o tempo que for necessário para fazermos o trabalho, livrarmo-nos dos Assads. Depois disto, vamos sair e eles podem construir a cidade que quiserem’”.

De fato, quando a revolução inicial começou a se desintegrar em um conflito sectário dominado pelos grupos islâmicos, a vasta maioria da população, muitos dos quais eram simpáticos ao movimento inicial, retrocederam para apoiar o regime.

Ao ver a revolução desestabilizar o regime de Assad em 2011, o imperialismo Ocidental e seus aliados – a Arábia Saudita, a Turquia, a Jordânia e os Estados do Golfo – começaram a canalizar bilhões de dólares aos grupos islâmicos na Síria. Um relatório revelador da Defence Inteligence Agency – a agência de inteligência do Pentágono – de 2012 declarava: “Internamente, os acontecimentos estão claramente tomando uma direção sectária (…) Os Salafistas, a Irmandade Muçulmana e a AQI (Al Qaeda do Iraque e precursora de JFS e ISIS) são as maiores forças que dirigem a insurgência na Síria. O Ocidente, os países do Golfo e a Turquia apoiam a oposição; enquanto a Rússia, a China e o Irã apoiam o regime. (…). Há a possibilidade de se estabelecer um declarado ou não-declarado principado Salafista na Síria Oriental (Hasaka e Deir Ezzor), e é exatamente isto o que o poder de apoio à oposição deseja, a fim de isolar o regime sírio…”.

Instabilidade 

Esta é a verdadeira razão por trás do clamor público criado pelo Ocidente. Todos os seus complôs pelo país desmoronaram. O ministro do Exterior russo, Sergey Lavrov, um diplomata experiente que mede suas palavras, disse aos jornalistas que estava “cansado de ouvir esses lamentos de nossos colegas americanos”.

A queda de Aleppo é uma completa humilhação para o imperialismo Ocidental. Enquanto a anexação da Crimeia – em si uma grande humilhação para o imperialismo dos EUA – estava no “bairro” da Rússia, em Aleppo se vê a humilhação pública e o esmagamento dos representantes dos EUA, em um meio que os EUA tradicionalmente veem como seu domínio. Como era evidente nas guerras do Iraque e do Afeganistão, o imperialismo EUA sempre pensou que podia fazer o que quisesse no Oriente Médio. Mas, em Aleppo, as limitações do imperialismo EUA ficaram abertamente expostas. Não é nenhuma coincidência que as negociações mais sérias em torno de Aleppo foram entre a Rússia e a Turquia, sem a participação dos EUA.

Quando o Pentágono interrompeu o cessar-fogo em outubro, o fez a partir de uma posição de arrogância e desafio à Rússia. Mas, então, a Rússia, o Irã e a Síria passaram a esmagar os representantes dos EUA – bem na frente das forças armadas estadunidenses (e turcas), que estavam literalmente estacionadas a algumas dezenas de milhas de distância… e os EUA ficaram impotentes de fazer qualquer coisa sobre isto. O Ocidente e seus aliados, que estão acostumados a levar os tiros, foram reduzidos a meros espectadores em Aleppo.

Não somente investiram muito em Aleppo, como também a queda da cidade significa que os rebeldes agora foram expulsos das principais áreas urbanas da Síria. Embora a guerra civil possa se prolongar por muitos anos, está claro que a ameaça ao regime de Assad foi destruída. O próximo colapso do moral entre os rebeldes vai ser adicionado a esta consolidação de poder. Todos os planos das potências intervencionistas estão em ruínas. Isso terá sérias consequências.

A exposição pública da impotência dos EUA significa que estes vão ficar, internacionalmente, sob a pressão de certo número de potências menores, o que colocará à prova os limites do imperialismo estadunidense e o domínio da “ordem mundial” pelos EUA. Esses “aliados” e inimigos começarão a assumir um papel que será mais independente dos EUA e de seus interesses. Isso, por sua vez, levará a uma instabilidade ainda maior, internacionalmente.

Na Turquia, a queda de Aleppo é um enorme golpe para os planos neo-Otomanos de Erdogan de dominar o Oriente Médio, prejudicando seriamente seu prestígio e chegando exatamente em um momento em que a economia turca poderia se encaminhar para uma crise grave, a qual, por sua vez, poderia ver um desenvolvimento explosivo da luta de classes. Na Síria, Erdogan está somente sendo acudido ligeiramente pelo fato de que a Rússia permitiu à Turquia uma certa presença na área rural do Norte de Aleppo – embora mesmo este pequeno bolsão possa se encontrar sob pressão no próximo período. De fato, tudo o que resta da política de Erdogan na Síria é o objetivo utópico de derrotar o enclave Curdo de Rojava. Mas isso, por si mesmo, poderia em certo ponto produzir efeitos negativos e levar à dissolução da Turquia.

O maior golpe, entretanto, foi dirigido à Arábia Saudita, que está vendo sua posição internacional declinar rapidamente. O reino reacionário já não tem mais nenhuma moeda de troca significativa na Síria, com a maioria de seus representantes confinados ao seu emirado islâmico na governadoria de Idlib, onde não representam ameaça para ninguém. O fracasso das intervenções sauditas na Síria e no Iraque, e a próxima derrota no Iêmen, terão grandes impactos dentro do reino, que se encontra enredado em uma rede de crises social, econômica e política.

O que se deve fazer? 

Muitas pessoas estão justificadamente desgostosas com a tragédia em Aleppo. “Que podemos fazer?”, perguntam-se os que têm uma preocupação genuína. Alguns propõem que uma zona de exclusão aérea deve ser imposta, como se uma guerra sem bombardeios fosse de alguma forma mais humana. Mas, em termos práticos, a exigência de uma zona de exclusão aérea é apenas uma outra forma de pedir uma campanha aérea do Ocidente em apoio aos rebeldes e contra o regime de Assad. Longe de ser mais humano, significaria dar cobertura aérea a algumas das forças mais reacionárias do planeta. Tal intervenção também reforçaria o apoio ao regime de Assad entre a população síria.

A intervenção Ocidental não levaria a nada de progressista no Oriente Médio. De fato, está na raiz de toda a barbárie que testemunhamos hoje na região. Como a história da intervenção Ocidental já demonstrou anteriormente, estes governos não tomam medidas por causa de preocupações “humanitárias”, mas por seus próprios e estreitos interesses imperialistas. Eles amaldiçoam os crimes de Putin e Assad, vertendo lágrimas de crocodilos sobre a tragédia em Aleppo; e, ao mesmo tempo, varrem seus próprios crimes de guerra no Iêmen e em outros lugares para debaixo do tapete.

As intervenções no Iraque, Afeganistão, Líbia e Iêmen não levaram à “democracia” e à “liberdade”, mas destruíram completamente os alicerces da vida civilizada nestes países. Esta deve ser uma indicação clara do que podemos esperar de qualquer intervenção Ocidental na Síria.

Se quisermos fazer algo; se quisermos realizar qualquer tipo de mudança, a primeira coisa a fazer seria começar uma luta séria contra nossas próprias classes dominantes capitalistas e imperialistas – que cometeram os maiores crimes da história do Oriente Médio.

Lênin certa vez comentou que “o capitalismo é horror sem fim”. Por trás deste aforismo há uma profunda verdade. Guerra e a instabilidade são partes inerentes do capitalismo – um sistema que se baseia em interesses egoístas anárquicos, na concorrência e na motivação do lucro, e sobre o qual ninguém exerce qualquer controle real.

Em um período de crise – quando a luta de classes é agudizada, a economia é desestabilizada e a concorrência entre os vários estados-nação aumenta – os conflitos internos e a instabilidade geral se intensificam. O fato é que todas estas potências com interesses no Oriente Médio querem estabilidade na região – mas somente em seus próprios termos, que estão sempre em antagonismo e em detrimento das outras potências. Para defender suas próprias posições e interesses estreitos, eles estão dispostos a afogar toda a região em um mar de sangue.

Ler na Íntegra: http://www.marxismo.org.br/content/queda-de-aleppo-e-o-nevoeiro-da-guerra

*Que tal Uma Voltinha no Inferno?

Quem vive no Brasil – ou mesmo os brasileiros que estão fora do país, mas acompanham a nossa situação – sabe do que estou falando… Há uma crise sem precedentes, uma completa falta de ética e de honestidade de nossos governantes, há uma falência geral do Estado, um desemprego galopante, miséria agravada… Além de baderna generalizada, vandalismo, devastação sem igual e uma ignorância monumental que atinge tanto a “zelite” quanto os mais pobres.

É a mais perfeita descrição do inferno. E me fez lembrar do “Inferno” descrito por Dante Alighieri… Quer comparar? Pois bem, faremos uma viagenzinha pelo lugar que ele descreveu e confira se não tem muito a ver com o Brasil atual!

A Divina Comédia é com certeza um dos maiores poemas já escritos, não só por conter em sua estrutura 100 cantos e 14.233 versos, mas por ter sido fonte de inspiração para grandes nomes da arte, resultando…

Ver o post original 1.184 mais palavras

*FIDEL VIVERÁ PARA SEMPRE – Por villorblue

Um dos poucos estadistas que nunca se submeteram ao capital.

a-a-a-a-a-fidel

Sobrevieu a 638 tentativas de magnicídeo. A maioria destas tentativas foram idealizadas pelo capital internacional.

Cuba divide-se em três épocas:

*A primeira antes da revolução cubana, (Fugêncio Batista), quando o pais era um grande cassino/bordel de estadunidenses e imperava a miséria de seu povo.

*A segunda, após a revolução, onde Fidel e os cubanos esmagaram os “ratos”, que lhes prostituiam as familias e suas crianças reestabelecendo a diginidade a alegria ao povo cubano.

*A terceira foi dando prioridade a saúde e a educação.

Nascimento: 13 de agosto de 1926, Birán, Cuba
Falecimento: 25 de novembro de 2016, Santiago de Cuba, Cuba
a-a-a-a-fidel-castro
Pergunta feita a uma criança cubana de 9 anos de idade:
E quando Fidel for embora ?
Resposta: Temos milhares de Fidéis
 
a-a-a-a-200-milhoes-de-criancas-dormem-nas-ruas-hoje-nenhuma-destas-criancas-e-cubana
200 milhões de crianças dormem nas ruas hoje, nenhuma destas crianças é cubana
Você sabia que o regime político cubano é democracia ? Leia esta analise e entenda: https://radioproletario.wordpress.com/2015/08/13/o-sistema-politico-cubano/

*O Grileiro dos Jardins

Metade das espécies de árvores da Amazônia corre risco de extinção

A história do pecuarista acusado de comandar, em São Paulo, esquema de desmatamento da Amazônia

Helicóptero do IBAMA sobrevoa área desmatada ilegalmente.

O maior desmatador da história recente da Amazônia é filho de um rico e tradicional pecuarista de São Paulo. Ele próprio operava sediado no bairro dos Jardins, na capital. Até ser preso, comandava um esquema sofisticado de desmatamento, grilagem e falsificação no Pará, que contava até com profissionais de geoprocessamento para enganar os satélites de monitoramento. Denunciado por índios, o caso levou a recente operação conjunta entre o Ibama, a Polícia Federal, o Ministério Público e a Receita Federal, revelando detalhes sobre como hoje se organiza o crime na expansão da fronteira agropecuária amazônica.

Operação Kaypó

Era fevereiro de 2014. Luciano Evaristo, diretor de Proteção Ambiental do Ibama, chegava à garagem da sede da instituição em Brasília e conseguia ouvir um burburinho alto vindo do escritório. Dentro de seu gabinete, pintados para guerra, mais de trinta índios kayapós esperavam por ele com arcos e flechas. Luciano teve o cuidado de pedir que depositassem as armas antes de começarem a conversa.

O Plano Básico Ambiental (PBA) do licenciamento da rodovia BR-163, que liga Cuiabá (Mato Grosso) à Santarém (Pará), dá aos kayapós da Terra Indígena Mekrãgnoti, o direito a receber recursos do Governo para compensação de impactos decorrentes da obra. Em 2014, desconfianças do Governo de que os índios estariam desmatando no entorno da Mekrãgnoti levou a retenção desta verba. Os índios não eram os culpados pelo desmatamento, mas eles sabiam quem era. Foram até Brasília a procura de Luciano Evaristo para denunciar um criminoso.

Em São Paulo, empresas de fachada serviam para que o grileiro movimentasse as altas quantias de dinheiro que iam para financiar a atividade ilegal de desmatamento, ou servir de crédito para atrair compradores das terras griladas

“A conversa foi dura”, relembra Luciano. Tão logo os kayapós se foram, ele tratou de levantar as imagens de satélite da região em busca das áreas alvo das denúncias. “Não achei nada nos satélites que indicasse operação de desmatamento em larga escala.” Ainda assim, resolveu confiar nos índios. Luciano desembarcou em Mekrãgnoti em abril de 2014. Lá, um grupo de lideranças kayapós se uniu à equipe de fiscalização do Ibama. Usando um sistema de radioamadores para repassar informações entre si – sinal de telefone celular não pega – os índios já haviam mapeado a localização de acampamentos de desmatadores na floresta.

Encontraram 18 acampamentos. Somados, foram embargados 14 mil hectares. “A maior área já encontrada pelo IBAMA aberta por empreitada de um só infrator ambiental na floresta amazônica”, conta Luciano. A ação ficou conhecida como Operação Kayapó. Presos 40 trabalhadores, logo muitos começaram a falar. Um mesmo nome, então, se repetia. Começava aí a investigação que uniu instituições e resultou, pela primeira vez, na prisão de um chefão do crime operando na floresta.

O milionário das motosserras

O maior desmatador da história recente da Amazônia é filho de um pecuarista milionário de São Paulo. Antônio José Junqueira Vilela Filho – o AJJ Vilela, vulgo Jotinha, nasceu e cresceu em um império bovino montado pelo pai, Antônio José Junqueira Vilela. Junto com a família, Jotinha operava um esquema sofisticado que envolvia desmatamento em série, grilagem de terras públicas, lavagem de dinheiro, falsificação e trabalho escravo no Pará.

O nome de Jotinha começou a circular pelas páginas de embargos do Ibama no Pará nos idos de 2009, embora ligado a áreas desmatadas menores. Foi entre 2012 e 2014, revelam as investigações, que as motosserras de Vilela Filho trabalharam sem descanso. Ao serem presos, ele e seus parceiros acumulavam denúncias de destruição que somavam 30 mil hectares de floresta no município de Altamira (PA), área equivalente ao território de cidades como Fortaleza, no Ceará, ou Belo Horizonte, em Minas.

Continue lendo:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/10/21/politica/1477083654_412438.html?id_externo_rsoc=FB_BR_CM

*Os Equívocos do moralismo na Política

Extraído de : http://jornalggn.com.br/noticia/os-equivocos-do-moralismo-na-politica

Por André Araújo

Quando o Exército americano invadiu o Iraque em 2003, os objetivos eram “limpar” o país da ditadura de Saddam Hussein e criar um novo Iraque. Para tanto, dissolveram a Guarda Republicana, um corpo de elite do Exército Iraquiano, com um efetivo de 75.000 homens divididos em dois corpos e tentaram reformar o Exército regular do Iraque, com efetivos regulares de 800.000 homens. Os americanos dissolveram a Guarda Republicana e os comandos do Exército regular, tentando criar um novo exército sob padrões americanos, entregando a tarefa a uma empresa particular, a Vinnel Corporation.
No substrato do projeto estava a ideia de que todos os antigos comandos eram fanáticos fiéis a Saddam e eram portanto inconfiáveis. Foi um grande erro. Os comandantes da Guarda Republicana, Tenentes Generais Majid Al Dulaymi e Raad Al Hamdani  poderiam ser os melhores aliados dos EUA, bem como o comando do Exército regular (General Talib Al Lahibi), todos oficiais profissionais que temiam Saddam mas não tinham nenhum amor especial a ele.
Todos temiam Saddam e estavam fartos dele, até seus dois genros tentaram derrubar Saddam (e foram executados). O regime se mantinha pelo terror e os EUA foram acolhidos como libertadores. Invés disso, pelo espírito salvacionista que veio junto com a invasão, DISSOLVERAM as colunas mestras do poder no Iraque, a Guarda e o Exército, criando um caos que terminou agora com a insurgência do ISIS, o Estado Islâmico formado na sua espinha dorsal por ex-militares iraquianos. O moralismo é inimigo frontal da REALPOLITIK, a política do possível sem princípios e com a visão da realidade, fazendo o que é possível fazer com os pés no chão e não tentando salvar o mundo.
A má politica americana no Iraque gerou um desgoverno que continua até hoje, os EUA despejaram no conflito do Iraque US$3 trilhões e continuam gastando US$50 bilhões por ano com essa custosa aventura pastoral.
Ao contrário dos ingleses que governaram a Índia por dois séculos com pequenas forças militares mas fazendo acordos com os marajás e rajás, os Americanos querem purificar o mundo e não sabem operar dentro do mundo tal qual ele é, com seus defeitos, vícios, desequilíbrios e realidades, fruto da História.
Esses erros não cometeram na Alemanha ocupada após a Segunda Guerra, porque os homens então eram líderes de intelecto superior, acima do padrão principista que é o usual nos EUA. O General Marshall era um indivíduo de intelecto especial e soube estabelecer os padrões da ocupação usando inclusive ex-nazistas para gerir a Alemanha, culminando com um General da Wehrmacht (Hans Spiedel) como Comandante da OTAN em 1954, o mesmo general alemão que comandou a ocupação nazista da França em 1941. Spiedel não era nazista, mas era um general do Terceiro Reich, foi uma proeza dos Aliados usarem o mesmo homem para o comando das forças terrestres da NATO dez anos depois dele ser o Comandante alemão de Paris.
O fundador da Realpolitik europeia, o Príncipe de Metternich não usou critérios principistas ao se aliar no Congresso de Viena com seu antípoda, o ex-Chanceler de Napoleão, o grande inimigo das potencias que Metternich representava, seu melhor companheiro de Congresso foi o inimigo de véspera, o ultra corrupto Príncipe de Talleyrand, o mesmo que negociou a independência da Polônia por 4 milhões de francos-ouro.(depois devolveu porque não conseguiu fazer).
A tentativa de introdução do moralismo udenista na politica brasileira em 1954 custou a vida do Presidente Getúlio Vargas, mas o moralismo típico da UDN foi afastado por Juscelino, que governou com as mesmas forças do getulismo, considerado corrupto que vinha da aliança PSD-PTB. JK afastou a UDN de um poder que esta considerava já seu e fez o Brasil crescer 50 anos em 5, acusado do primeiro ao último dia de corrupto (“a 7ª fortuna do mundo” diziam), a calúnia usual, dona Sarah teve que vender quadros de seu apartamento para sobreviver.
O moralismo não descansa, grupos com essa visão de mundo, que querem uma política asséptica e a prova de bactérias sempre existiram, eles simplesmente destroem a política na tentativa de reformar o mundo e causam imensos prejuízos ao País. Em circunstâncias especiais eles conseguem por vezes um poder anormal, causam o máximo de danos para depois desaparecer no limbo da História, a política é sempre um jogo nada limpo em qualquer lugar do planeta, é da essência da política, até na política do Vaticano o jogo não é para sacristãos de novela.
O moralismo é inimigo do realismo em política e todo aquele que tenta fugir da realidade acaba trombando com ela em determinado ponto da curva mas, no caminho, causa imensos danos aos infiéis, todos nós, que não rezamos essa missa de fanáticos de uma seita perigosa.

*Donald ou Clinton ? Você Saberia as Grandes Diferenças Entre os Dois ? Por villorblue

Por villorblue:

a-a-a-a-hillary-e-trump

Se levarmos em consideração as últimas declarações de dois candidatos a presidência dos EUA, e entendermos as notícias que correm mundo nos jornalões em suas seções internacionais, conseguiremos antever alguns atos/compromissos que, tanto um como outro terão que assumir após se eleger.

Em fevereiro de 2016, Julian Assange: O fundador da portal Wikileaks Julian Assange, se manifestou nesta terça-feira (9) contra a pré-candidatura de Hillary Clinton à presidência dos Estados Unidos, por considerar que a candidata democrata é favorável a uma “guerra estúpida e sem final”.

Em fevereiro de 2016 Donald Trump: Nos EUA tem muita gente ruim, que não presta (segundo Donald, imigrantes latinos são geralmente traficantes de drogas e estupradores). Construirei um muro entre México e EUA que será pago pelos mexicanos e deportaremos 11 milhões de imigrantes dos EUA, quinze mil por dia.

Baseado nas promessas de governo e as utilizando como pilares, o que podemos entender sobre o que é bom e o que ruim para as massas? Um nacionalista da industria da construção, ou uma internacionalista da industria da guerra ?

O jornalista chileno e analista internacional Pablo Jofré alerta que; com Hillary Clinton na presidência dos EUA, se manteria uma agenda de “ações desestabilizadoras” em toda América Latina.

O presidente do “Banco do México” declarou ao jornal ‘La Jornada’, que, caso as eleições sejam vencidas por Donald, o Banco do México já teria um plano de contingência e Trump presidente seria para a economia do México o mesmo que um furacão mais poderoso de categoria nível cinco e que para a nação, melhor seria Clinton.

A Forbes Brasil, em 03/11/2016 anuncia pesquisa em que: 76% dos brasileiros preferem Hillary Clinton em vez de Donald Trump, o que vai contra opiniões de russos (33% preferem Donald e 11% preferem Hillary) e chineses (44% preferem Trump) isso num panorama, mais ou menos internacional, agora, vejamos o que estas preferências entre um e outra significam.

Existem atualmente residindo ilegal ou legalmente, nos EUA próximo a 1.200.000 de brasileiros (eles pagam para atravessar o deserto guiados por coiotes, R$ 40.000,00, numa viagem a pé que pode durar mais de uma semana), tratando-se de mexicanos, este número pula para 10, 15 vezes mais, não se tem como saber, estima-se que perto a 30.000.000 de mexicanos residam atualmente nos EUA (legal e ilegalmente) em condições difíceis de serem analisadas. O que fica fácil imaginar 28/30.000.000 de mexicanos terem que retornar ao país de origem, numa economia já bastante debilitada como a mexicana e mundial, devido a crise internacional do capital. Por isso a grande preocupação do banco central mexicano. O que seria óbvio, mais de 20 milhões de mexicanos retornando ao méxico em 4 anos seria algo impensável.

E para o resto do mundo o que representa os dois candidatos?

Justamente esta polarização, é que define; quem apoia quem nesta corrida presidencial estadunidense. Hillary representa o establishment da indústria da guerra, para o sociólogo Felippe Ramos, (Hillary transita entre duas contradições. “A candidata democrata está mais próxima da indústria bélica militar, portanto mais propensa a soluções militaristas).

a-a-a-a-hillary-e-osama-bin

Já Trump representa as grandes corporações de construtoras, Nova Iorque começa a ser destino de turismo de luxo com ele, (a partir da compra do ‘hotel Commodore’), sua imagem de tirano foi construída a partir de suas apresentações no programa estadunidense “O aprendiz”. Em sua mania de grandeza chegou ao cúmulo de processar o Deutsche Bank alemão, por ter recusado a emprestar-lhe dinheiro para um projeto imobiliário em Chicago. Quer uma prova ? Quem irá construir um muro na divisa estadunidense ? Quem ameaça e enviará a conta para o México ? Um muro deste custará dezenas de bilhões de dólares, são mais de 3Mil kilometros de divisa entre os dois países, multiplique 3Mil lineares por dez de altura (esta é a alura padrão em muros deste tipo) são 30Mil metros quadrados. Multiplique pelo preço da construção por metro quadrado e terá o valor desta obra, também verá que dezenas de bilhões de dólares não é nenhum exagero.

Qual é melhor ou pior para o Brasil? Se pensarmos em termos práticos, nenhum dos dois. Cinton representa todos os golpes e ingerências que os Estados Unidos fomentam no mundo desde o início do século 20. Aravés de intervenções militares, ou submissão de governos corruptos no planeta (ditaduras militares ou civis na década de 50/60/70/80, acordos como o MEC/USAID e o Consenso de Washington exclusivos ao Brasil, e tantos outros exemplos). Os dois carregam no sangue o ‘ianque’, o arquétipo de John Wayne, que não exitava um segundo em assassinar um índio e após o crime corria o mundo dizendo que o autóctone queria seu escaupulo.

Os dois querem o mesmo, tirar o seu sangue, o meu sangue, o sangue do mundo se for preciso para solucionar seus problemas internos. E problema interno para os americanos e para o estado americano é continuar com sua imagem publicitária de grande nação das oportunidades, (a nação do grande sonho humano, poder, ter, ser maior, ser melhor). Uma nação eugênica e supremata. De pele branca, eurocêntrica, que não pensa duas vezes em destruir uma outra nação para apropriar-lhes de seus recursos. Sanders era o menos pior (apesar de também engajado no establishment), porém era o candidato mais próximo da consciência. E em matéria de ‘sonho americano’ eles não conseguem resolver o problema de Detroit, uma cidade que já foi o ícone deste ‘sonho americano’ e hoje se queda falida, sua população na miséria e sem perspectiva de melhora (não existe interesse no capital na melhora do idh na cidade de Detroit). Este é o sonho americano que eles vendem sem proporções e 99% da população mundial compra. Investem muito nesta propaganda/logística/ação toda para que o retorno seja uma micharia.

Sintetizando o que diziamos no começo, Donald quer expulsar os imigrantes dos eua porque irá precisar deles em seus paises de origem -ou não- (terceiro mundo) como mão de obra barata e Clinton precisará destes imigrantes para trabalhar na industria de material bélico, ou substituir americanos em subempregos para que estes trabalhem nestas industrias.

a-a-a-a-detroit-cidade-falida

Não custa lembrar que o movimento migratório serve para regular o fator capital/trabalho, ou especificando, o mercado de trabalho/reivindicação salarial, e como o desemprego nos EUA tende a aumentar, é óbvio que a migração estadunidense comece a caçar os imigrantes e a deporta-los. Porém, quando/e/se a mão de obra nos EUA votar a ter escassez e a pressão por salários aumentar, eles promoverão a imigração para os EUA novamente (a trabalho) acenando com a bendeirinha da terra prometida, funcionando o “movimento migratório” como uma torneira reguladora de salários, mais mão de obra menos salários ou salários mais baixos. É assim que funciona na economia de mercado.

____________________________________________

No Brasil, entre empresários, políticos, mídia e outros, é fácil entender quem prefere (ou apóia) Clinton ou Donald (pelo discurso na mídia brasileira):

Quem apóia a industria armamentista e a liberação de armas no pais e a beligerancia entre Brasil e a Améria Latina (prefere Clinton).

Quem luta pela destruição da industria da construção brasileira, facilitando assim a entrada de grupos construtores gringos no Brasil (prefere Trump).

QUAL DOS DOIS VOCÊ PREFERE ???

_____________________________________________

PORQUE DONALD ?

Estadunidenses sabem que precisam da China (maior detentor da divida publica dos EUA) e da Russia para erguerem sua economia. Por isso o elegeram.

Links de apoio:

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2016/02/09/trump-diz-que-muro-entre-estados-unidos-e-mexico-custaria-us-8-bilhoes.htm
http://g1.globo.com/mundo/eleicoes-nos-eua/2016/noticia/2016/02/fundador-de-wikileaks-diz-que-votar-em-hillary-e-votar-favor-da-guerra.html
http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/09/trump-insiste-em-muro-com-mexico-no-segundo-debate-republicano-4849785.html
http://www.telesurtv.net/news/Alertan-de-peligro-para-paises-progresistas-de-ganar-Clinton-20161103-0052.html
http://www.jornada.unam.mx/ultimas/2016/11/03/preparamos-plan-de-contingencia-en-caso-de-victoria-de-trump-carstens
http://www.forbes.com.br/colunas/2016/11/76-dos-brasileiros-preferem-hillary-clinton-a-trump-diz-pesquisa/
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2002/021224_mexicoimigracaors.shtml
https://silvanashelton.com/numero-de-imigrantes-nos-estados-unidos-e-quase-o-maior-da-historia-do-pais/
http://brainly.com.br/tarefa/268302
https://www.brasildefato.com.br/2016/10/28/estados-unidos-decidem-entre-uma-candidata-pro-guerra-e-um-conservador/

https://theintercept.com/2016/11/04/tres-novos-escandalos-confirmam-denuncias-iniciais-de-snowden-sobre-vigilancia-em-massa-no-ocidente/

http://houstoncommunistparty.com/assange-clinton-is-a-cog-for-goldman-sachs-the-saudis-john-pilger-exclusive-video-transcript/